Avançar para o conteúdo principal

"Uma voltinha desnivelada"

Com os terrenos em transformação, a transitarem do poeiento para o pesado e lamacento, torna-se mais difícil e divertida a progressão, especialmente em trilhos mais agressivos, bem ao gosto de alguns companheiros, desta coisa de andar a sujar as bikes e as licras e dar cabo do cortiço, palmilhando kms por nenhures, em busca de prazer, emoção e adrenalina, em perfeita comunhão com a natureza.
Para a aventura de hoje, compareceram na Pires Marques, AC, Silvério, Nuno Eusébio, Pedro Barroca, Nuno e o Carlos Sales.
Saímos em direcção a Sta Apolónia e com passagem pela Rabaça chegámos a Caféde, onde já com alguma saudade, fomos fazer uma visitinha à Dª. Júlia, no seu modesto café, que logo nos presenteou com uns bolinhos, para acompanhar o cafézinho matinal.
Num percurso hoje escolhido, onde os trilhos eram na sua maioria novos e pouco pedalados, seguímos até ao Freixial, com passagem pela Santa Catarina.
Rodando à esquerda rumámos ao Juncal e em adrenalínica descida, depressa chegámos às tapadas que nos deram acesso ao Vale da Zebreira Grande, onde em rápido estradão, pedalámos vigorosamente em direcção ao Chão da Vã.
Sem a paragem habitual no café da aldeia, pois ainda faltavam bastantes kms para o final do percurso de hoje, afrontámos a subida com alguma garra e por trilhos bastante agressivos e dissimulados entre esteval, apontámos azimute ao Vale de Ferradas, para de novo em estradão, acelerarmos um pouco mais, pelo bonito Vale do Paio, agora em direcção à Malhada do Cervo.
Nesta aldeia, fizémos uma pequena paragem para comer algo mais sólido e depois foi pedalar num sobe e desce constante pelos Vales do Estacal, Boi e Encoberto, até chegarmos à Aldeia de Mendares.
Depois, entrámos na longa descida, onde em velocidade vertiginosa, rápidamente chegámos à foz do Rio Tripeiro, local onde este, agora seco naquele local, espraia as suas água no Rio Ocreza.
Seguiu-se uma longa e arfante subida, com passagem no Monte Tavares e que nos levou até ao Palvarinho.
Nova paragem para beber algo fresco, pois a temperatura andava pelos 24 graus, um pouco alta para esta época do ano.
O Nuno, ainda pouco habituado a estas kilometragens e acumulados acima da média, começou a sentir o desgaste e foi o escolhido pelo "homem da marreta" , mas que corajosamente conseguiu superar essa contrariedade, chegando a casa a pedalar. Outros teriam chamado a assistência!!!
A chegada à cidade, foi feita pelos trilhos já habituais, com descida à Ponte de Ferro e subída pelo Rouxinol.
Foram 73 kms pedalados num grupo coeso e animado, onde o espírito aventureiro e de busca de novos horizontes, está sempre presente.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…