Avançar para o conteúdo principal

"Um dia pleno de BTT"

Ainda a preparar o meu "VI Raid", saí hoje com o amigo Carlos Sales para testarmos "in loco" uns trilhos na Serra de Monforte extendidos até ao Rio Aravil.

Em Monforte, a coisa correu bem e após um cafézito no "Joaquim Padeiro" rumámos ao Rio Aravil.

A manhã estava a correr pelo melhor, os trilhos eram explêndidos e permitiam visualizar paisagens deslumbrantes.

A longa e rápida descida para o rio foi simplesmente espectacular e para minha satisfação a passagem para a outra margem apresentou-se ciclável, deitando por terra os meus receios.

Mas do outro lado também havia que subir . . . e muito!!!

Subida por subida, resolvemos completar o percurso. Assim chegámos às Soalheiras, onde abancámos num café no largo da povoação para refrescarmos a garganta, pois hoje o calor abrasava.

Dalí saímos em direcção às ruinas da antiga Aldeia dos Alares sempre absortos na espectacular e abrangente paisagem a perder de vista.

Nos Alares parámos para comer algo e demos uma vista de olhos pelas bonitas ruínas e após uma boa subida chegámos à estrada que vem das Cegonhas para o Rosmaninhal, percorrendo-a durante umas centenas de metros para entrarmos de novo num trilho rápido e adrenalínico que nos levou ao Rosmaninhal.

Procurámos a tasca do Fatela e alí comemos um par de sandes e outro par de bjecas pretas e umas fresquinhas, que nos fizeram murmurar de prazer.

Mas o dia já ía longo e havia ainda que regressar a Castelo Branco.

Saímos pela Deveza e em trilhos fantásticos chegámos às Cegonhas, onde não entrámos e, quase sempre em descida, rápidamente chegámos ao Rio, cruzando-o numa bonita e frondosa passagem, onde nos demorámos um pouco, para comer mais uns cereais prensados e afrontarmos a também longa subida aos Paredinos.

O Carlos já um pouco desgastado, quer pelo calor, quer pela quilometragem, pois não conseguiu ainda a rodagem suficiente, talvez por falta de tempo livre, começou a ficar um pouco mais lento.

À chegada de novo a Monforte, parámos outra vez no Joaquim Padeiro, para comer qualquer coisa, beber algo fresco a atestar os calmelbacks.
O Carlos já estava com alguma dificuldade e teve o bom senso de chamar a assistência em viagem.
Eu, continuei de bike, agora por alcatrão, pois não me apeteceu andar sózinho nos trilhos e muito menos para o fim da tarde, tanto mais que dalí até ao Ponsul era a zona mais técnica de todo o percurso, com um soberbo e técnico single track de mais de 2 kms.

Contas feitas, foram 117 kms pedalados na companhia do amigo Carlos, excelente companheiro e também ele imbuido do espírito de aventura, que nos faz pegar nas bikes e cometer algumas belas loucuras.


E tudo isto valeu a pena, permitindo-me mais uma vez um dia de puro prazer, aventura e liberdade.
E para finalizar, posso desde já informar que o meu próximo Raid, percursos que crio para depois partilhar com alguns amigos, tentando não copiar os de outros grupos, fica desde já agendado para o próximo dia 08 de Novembro e será limitado a um pequeno grupo, com capacidade para estas andanças e que goste realmente de aventura. (Não confundir com protagonismo)


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…