Avançar para o conteúdo principal

"Um dia pleno de BTT"

Ainda a preparar o meu "VI Raid", saí hoje com o amigo Carlos Sales para testarmos "in loco" uns trilhos na Serra de Monforte extendidos até ao Rio Aravil.

Em Monforte, a coisa correu bem e após um cafézito no "Joaquim Padeiro" rumámos ao Rio Aravil.

A manhã estava a correr pelo melhor, os trilhos eram explêndidos e permitiam visualizar paisagens deslumbrantes.

A longa e rápida descida para o rio foi simplesmente espectacular e para minha satisfação a passagem para a outra margem apresentou-se ciclável, deitando por terra os meus receios.

Mas do outro lado também havia que subir . . . e muito!!!

Subida por subida, resolvemos completar o percurso. Assim chegámos às Soalheiras, onde abancámos num café no largo da povoação para refrescarmos a garganta, pois hoje o calor abrasava.

Dalí saímos em direcção às ruinas da antiga Aldeia dos Alares sempre absortos na espectacular e abrangente paisagem a perder de vista.

Nos Alares parámos para comer algo e demos uma vista de olhos pelas bonitas ruínas e após uma boa subida chegámos à estrada que vem das Cegonhas para o Rosmaninhal, percorrendo-a durante umas centenas de metros para entrarmos de novo num trilho rápido e adrenalínico que nos levou ao Rosmaninhal.

Procurámos a tasca do Fatela e alí comemos um par de sandes e outro par de bjecas pretas e umas fresquinhas, que nos fizeram murmurar de prazer.

Mas o dia já ía longo e havia ainda que regressar a Castelo Branco.

Saímos pela Deveza e em trilhos fantásticos chegámos às Cegonhas, onde não entrámos e, quase sempre em descida, rápidamente chegámos ao Rio, cruzando-o numa bonita e frondosa passagem, onde nos demorámos um pouco, para comer mais uns cereais prensados e afrontarmos a também longa subida aos Paredinos.

O Carlos já um pouco desgastado, quer pelo calor, quer pela quilometragem, pois não conseguiu ainda a rodagem suficiente, talvez por falta de tempo livre, começou a ficar um pouco mais lento.

À chegada de novo a Monforte, parámos outra vez no Joaquim Padeiro, para comer qualquer coisa, beber algo fresco a atestar os calmelbacks.
O Carlos já estava com alguma dificuldade e teve o bom senso de chamar a assistência em viagem.
Eu, continuei de bike, agora por alcatrão, pois não me apeteceu andar sózinho nos trilhos e muito menos para o fim da tarde, tanto mais que dalí até ao Ponsul era a zona mais técnica de todo o percurso, com um soberbo e técnico single track de mais de 2 kms.

Contas feitas, foram 117 kms pedalados na companhia do amigo Carlos, excelente companheiro e também ele imbuido do espírito de aventura, que nos faz pegar nas bikes e cometer algumas belas loucuras.


E tudo isto valeu a pena, permitindo-me mais uma vez um dia de puro prazer, aventura e liberdade.
E para finalizar, posso desde já informar que o meu próximo Raid, percursos que crio para depois partilhar com alguns amigos, tentando não copiar os de outros grupos, fica desde já agendado para o próximo dia 08 de Novembro e será limitado a um pequeno grupo, com capacidade para estas andanças e que goste realmente de aventura. (Não confundir com protagonismo)


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…