Avançar para o conteúdo principal

"III Passeio de Bicicletas Pasteleiras na Lardosa"

Inserida na IV Feira do Feijão Frade, decorreu no passado Sábado, o III Passeio de Bicicletas Pasteleiras na Lardosa.

Participei no ano passado, acompanhado pela minha filha Daniela, pela primeira vez e, este ano lá me apresentei outra vez, tambem acompanhado pela minha filha mais nova para mais uma festa da bicicleta antiga.

Foi idéia do amigo Pinto Infante, trazer este tipo de evento para a região e inserí-lo no certame e no espírito da Feira do Feijão Frade.
Com cerca de três dezenas de participações no ano de arranque, depressa aumentou para 87 no ano passado e este ano, chegaram às 120, as relíquias que nos fazem recordar os nossos tempos de meninos quando "gingávamos" por aí, pedalando na pasteleira do nosso pai, ou do nosso avô.

Tempos de outrora, em que a recordação e a imitação desses velhos tempos, nos levam a adquirir uma dessas relíquias, ou a "desenterrá-la" do palheiro ou da arrecadação da casa de aldeia e trazê-la de novo à vida, onde até o traje pretende imitar tão saudoso tempo.
Mas deixemo-nos de lamúrias e vamos lá contar como foi!!!

Antes de mais, e como não poderia deixar de ser . . . a mãozinha do Pinto Infante, uma mais valía para a povoação da Lardosa na organização de eventos de lazer e que tanta gente tem trazido à região, dando-lhe, sem margem para dúvida, de um pouco mais de projecção!!. . . não esquecer, a quem compete lembrar!!! (Óh Pinto, qualquer dia tens uma estátua na Lardosa, encostado à pasteleira, à semelhança do Canteiro em Alcains!! eh eh eh!!!)

Depois duma recepção bombástica, com os famosos Bombos da Lardosa, entenda-se, a malta foi-se juntando, recolhendo e colocando os dorsais nas suas "meninas".

Pelas 09h soou a trompeta e a malta lá arrancou, uns com alguma mestria, outros mais desajeitados, em direcção à Quinta da Marateca, local do primeiro de 4 abastecimentos sólidos e muito líquidos.

Depois dumas valentes assaduras, fevera, entremeada, enchido e umas sacolas que cá para nós betêtistas, mais pareciam camelbacks, mas que tinham uma torneirinha, ao invés do tubo, que deitava vinho em vez de água. . . chamemos-lhe a "hipotónica" pasteleira.

Novo arranque, desta vez em direcção à Póvoa de Rio de Moinhos, onde assentámos arraial na Herdade da Quinta do Regato para o 2º. abastecimento com um excelente café e bolos sortidos.
Aqueles poucos metros de subida, até ao portão já foi com o corpinho inclinado a empurrar a dita, um ligeiro treino para as rampas que nos esperavam até Alcains.

Valeu-nos a paragem nas bombas de combustível, onde contráriamente ao habitual, a rapaziada em vez de atestar o veículo, atestava o condutor . . . pequenas distrações!! eh eh eh!!!
Estava então concluído o 3º. abastecimento, donde a malta não arrancou até que se esgotasse o último "jaquinzinho". Que maravilha!!!

Faltava o penúltimo troço, que nos levaria ao 4º. abastecimento, mas para o merecermos, lá fomos dar uma voltinha a Alcains, onde tive o raio dum furo na roda da frente da bicicleta, acabando por a mandar para a caixa de carga da carrinha de apoio, mas não desisti e continuei activo e fiel ao trajecto, mas desta vez a acompanhar o motorista. Fixe.!!!
Entrada triunfal na Quinta do Jota, onde nos atirámos ao último abastecimento.
Seguiu-se o regresso à Lardosa, onde a malta já ía bastante animada, uns mais do que outros, pois havía quem não estivesse preparado para tanto abastecimento e acabaram por encher a "vazilha" antes do final. Mas mantiveram-se hirtos e finos e não deram parte de fracos. À antiga!!!
Arrumadas as velhas relíquias, voltámos à mesa, agora para um almoço à base do ex-libris da Lardosa, o pequeno feijão frade, acompanhado dumas belas sardinhas assadas.
Em ambiente de festa e sã camaradagem, terminou assim mais um bonito evento em que a bicicleta pasteleira foi rainha.
Um obrigado ao Pinto Infante por colocar a bicicleta num lugar de destaque e proporcionar este bonito convívio entre amigos, onde antigas amizades se misturaram com outras agora adquiridas.
Peço também desculpa pelas poucas e fracas fotos, mas era tanta comida e bebida, que pouco tempo tive para pegar na digital e, quando abria a sacola, para a retirar, lá estávamos de novo a parar noutro abastecimento. A culpa é tua Pinto Infante!!!!!!!!!!!!!!!
Para o ano, espero estar presente.

Fiquem bem
vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Pinto Infante disse…
É sempre um prazer receber malta companheira dos pedais, mas estou desconfiado que ultimamente quando cá vens tens que acabar a coisa sentado na carrinha!!!último do ano foi o que foi, agora furo???!!!Só pode ser brincadeira. Bem haja pela presença e que tudo corra pelo melhor para este fim de semana até Fátima
Grande abraço
Pinto Infante

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…