Avançar para o conteúdo principal

"Passagem para o outro lado"

Hoje, aproveitando a companhia do Filipe e do Carlos Sales, fomos dar uma vista de olhos nuns quantos trilhos que conhecia de outrora e que queria incluir numa das minhas próximas aventuras.
Era minha intenção conseguir passagem da Praia Fluvial da Azenha dos Gaviões para os Bugios.
Conheço um pouco a zona, e sei que existiam em tempos algumas passagens, quando os olivais eram colhidos regularmente, mas agora, o mato abrasou quase toda a zona fora da mata de eucaliptal.
Sabendo também que existe um percurso pedestre que ladeia parte do Rio Ocreza naquele local, pegámos nas bikes e aí vamos nós explorar a zona.
Saímos da Pires Marques à hora habitual e passando pela Talagueira, cuja barragem se encontra num estado deplorável, com a falta de água e um estranho movimento de terras a juzante da mesma, continuámos pelo Baixo da Maria, em direcção às Benquerenças de Baixo.
Divertimo-nos na passagem do single das antigas Benquerenças, onde já algum tempo não passava e rumámos à Represa.
esta vez não parámos no Ramalhete e por sugestão do Filipe, fomos até aos Amarelos "papar" uns panikes com recheio de chocolate, com um cafézinho no final. O momento delicioso do dia!!!
A partir dali entrávamos em terreno a explorar.
Seguimos uns belos trilhos pelo eucaliptal e numa alucinante e um pouco técnica descida, chegámos ao pequeno paraíso abandonado que dá pelo nome de Azenha dos Gaviões, uma praia fluvial, cujos banhos são interditos.
Por alí nos mantivemos algum tempo saboreando aquela bonita e profunda paisagem.
Depois de passarmos o paredão do açude, com algum cuidado, pois na parte final estava bastante escorregadio, entrámos então no carreiro do percurso pedestre que nos proporcionou umas quantas pedaladas num soberbo single track, entrecortado aqui e alí, nalgumas passagens sobre pedra xistosa que compunham as paredes nos socalcos, e que, com um pouco de mão de obra, ou seja, refazer um pouco as partes muradas recolocando as lages no lugar, dava um explêndido single track, no meio de nenhures e em plena natureza selvagem.
Por tal percurso chegámos ao caminho para o Marco Geodésico da Vareda, onde numa subida com 18% de inclinação, chegámos ao entroncamento do caminho que tinha escolhido para chegar aos Bugios.
E tudo correu bem até à ribeira que passa ao Lagar dos Carris, mas a partir daí, o caminho evaporou-se e tivemos que galgar um par de socalcos para chegar ao caminho.
A partir de então já estava em local que conhecia e num entrelaçado de caminhos que por ali existem, escolhemos os que nos conduziram à Aldeia dos Bugios, onde pretendia fazer uma visita ao meu amigo Zé e à sua adega.
Mas derivado à hora e ao facto do Filipe ter de ir trabalhar à tarde, deixámos a visita para um outro dia e regressámos á cidade.
Ficou ainda por limar a passagem no ribeiro, para que o percurso fique ciclável e com passagem em trilhos fantásticos.
Com tempo irei juntando as partes e criarei um percurso circular para mais tarde partilhar com os amigos.
Posto isto, foram 74 kms por zonas de agreste beleza, onde o Rio Ocreza sobressaía com as suas águas, agora esverdeadas pelas microalgas, próprias do tempo estival.
Uma manhã de btt, onde o expírito explorador e de aventura, nos proporcionaram umas quantas horas divertidas e adrenalínicas, nalguns momentos.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…