Avançar para o conteúdo principal

Transpirenaica - "Senegué - Ansó"

Dia 11 - "Senegué - Ansó" - 90 kms

Esta etapa, decorreu inicialmente pelos estradões das encostas de Serrablo e pelos Vales de Acumuer e Garcipollera.
Depois de um bom "desayuno" no simpático hostal onde ficáramos alojados, saímos de Senegué e seguimos para Larrés, a primeira povoação da jornada, que alcançámos após a "dança" para cruzar o Rio Aurín. Aqui tive que descalçar os sapatos para os poupar um pouco, pois já estavam a dar as "últimas".
A água estava geladinha, mas soube-me bem.
Entrámos seguidamente num caminho, sempre em ascensão, para a Ermita de San António e as dificuldades começaram a aparecer com o caminho a apresentar-se mais técnico, com muita pedra roliça, pequenos drops e regos, nalgumas secções e a pendente a subir gradualmente.
Sempre ziguezagueando, lá fomos pedalando, km após km, até atingirmos o Pueyo d'Escués, em plena Sierra de La Partacúa. Uma subida interminável!
Lá no alto, a paragem foi obrigatória. As vistas sobre os Vales e os Cumes de La Collarada y Peña Telera, eram simplesmente brutais e envolventes.
Mas havia que continuar.
Uma longa descida, algo técnica, com muita pedra, alguma madeira e regos, pôs-nos em alerta máximo.
Passámos pelas povoações de Bescós de Garcipollera, Castiello de Jaca, Aratorés, Borau, Aísa e Jaca, até alcançarmos Aragués del Puerto.
Um par de kms antes de chegar à povoação e à passagem num single track com muita pedra, o suporte dos alforges do Carlos Pio partiu-se, sendo arrematado com uma corda para podermos continuar.
Subimos a Aragués del Puerto, onde procurámos uma oficina, ou alguém, que pudesse soldar o suporte, mas em vão.
Acabámos por comer junto à fonte do largo principal o pic-nic que leváramos, seguindo depois em direção a Hecho, onde tinhamos esperança de resolver o problema.
Abandonámos o trajeto do gps, até Hecho, por corresponder a uma dura subida por um impraticável single track, de grande dureza, com muita pedra e grandes drops. Não era ciclável e passar por ali com alforges, estava fora de questão.
Fizémos os 14 kms que nos separavam da povoação por alcatrão.
Em Hecho, procurámos e encontrámos uma oficina, no final da povoação, onde o porta alforges foi soldado.
Posto isto, continuámos a nossa viagem até Ansó, onde chegámos, após superarmos a última subida do dia, ao "puerto, com o mesmo nome.
Foi um dia muito duro, em que superámos três passagens de montanha e trilhos com dureza quanto baste.
No final, ficou aquela boa sensação de mais uma etapa cumprida.
Para o dia seguinte, esperavam-nos 105 kms até Roncesvalles.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…