Avançar para o conteúdo principal

"Trilhos Beirões"

A convite do amigo Abílio Fidalgo, desloquei-me ontem até à Aldeia de Pomares, no Distrito da Guarda, para mais um convívio de btt.
Acompanharam-me o Nuno Eusébio e o Pinto Infante. Saí de Castelo Branco pelas 06h30, com o Nuno Eusébio e passei pela Lardosa a buscar o Pinto Infante.
Chegámos a Pomares ainda antes das 08h e reunímo-nos ao pessoal que já por ali se encontrava de volta da mesa com algumas iguarias, para que a rapaziada não se fosse abaixo nas "canetas".
A partida foi dada pelas 08h30 com os 13 amigos que se juntaram para este dia de convívio.
À saída de Pomares, entrámos logos numa excelente seção de trilhos, que se iriam extender por toda a manhã.
A primeira povoação que cruzámos foi Penhaforte e trilhos entre quelhas, bonitos single tracks e algumas seções um pouco mais fechadas, derivado ao avanço do mato, foram uma constante.
Passámos ao lado do Salgueiral e lá mais à frente chegámos a Cheiras, onde o pessoal já andava com o nariz no ar a ver se cheirava alguma "mini", mas ainda nada.
Estávamos a andar mais rápido que a carrinha do abastecimento!!!
Depois de mais umas fantásticas pedalados por uns trilhos bem porreirinhos, lá viemos a descobrir a viatura do abastecimento estacionada na Aldeia de Gagos.
Aqui ninguém foi gago e o "glu glu" no gargalo das minis contrastava com o ambiente, enquanto "roíamos" umas meias sandes de queijo, fiambre ou mistas, ou uns bolinhos de mel ou borrachões.
A rapaziada, agora já "carbohidratada", queria mais umas pedaladas, pois os trilhos por onde já pedaláramos, abria-nos o apetite para o pedal.
A partir daqui, o percurso foi ligeiramente encurtado, tendo o Fidalgo entregue a batuta temporáriamente ao Pedro Quelhas, um bom conhecedor da zona e que nos brindou com uns trilhos espetaculares.
Subimos ao  Jarmelo, onde se diz ter existido um castro lusitano da idade do bronze. Porém é mais conhecido pelo drama de Pedro e Inês de Castro.
Mas a malta não ligou muito a este drama, que pela história foi conhecida como a nossa mais bela história de amor.
Naquele momento, o nosso "amor" estava integralmente virado para as belas minis fresquinhas e as meias "sandochas" enquanto nos divertía-mos com algumas peripécias dos nossos já "habitués" animadores.
Descemos para a pequena povoação de Ima do Jarmelo, onde não chegámos a entrar e continuámos para Valdeiras, Montes e Argomil e mais à frente, nova paragem para um último abastecimento, no Santuário da Sra da Alagoa.
A hora de almoço ía chegando e a expetativa pelo belo arroz de feijão já começava a mexer com algum estômago mais irrequieto.
Depois de uma curta visita ao castanheiro gigante, entrámos nuns belos singles e trilhos onde a aventura foi uma constante, passando por Guilhafonso e já por trilhos mais amplos, pelo Carvalhal, para entrarmos de novo em Pomares, de onde há umas horas atrás tinhamos saído.
Toda a malta mostrava satisfação pela bela manhã de pedaladas e são convívio, que se extendeu durante o excelente almoço com a ansiado arroz de feijão, que com justiça se diga, estava excelente, acompanhado com uma bela grelhada mista.
O famoso netar vínico não faltou e estavabem à altura de todo este dia festivo.
Após o belo repasto, a malta foi abandonando o local, com um brilho no olhar, fruto do excelente dia de pedaladas e convívio.
Num ou noutro companheiro, esse brilho poderia ser confundido com os danos colaterais da bela "pinga" que "enfeitou" a mesa, ou talvez não!!!
Um grande obrigado ao amigo Fidalgo por se ter lembrado cá deste "jovem" e conta sempre comigo.


Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Clip vídeo

Comentários

Fidalgo disse…
Agradeço a presença de todos os meus amigos, os que pedalaram e os que nos deram o apoio e nos levaram sempre bebida fresca. O filme está espetacular. Peço desculpa por alguma coisa menos bem preparada, mas a intenção era boa, o mato é que cresce mais do que nós pensamos e fica mais sujo!!!LOL!!!
Pinto Infante disse…
sem dúvida alguma, foi para mim um prazer andar na Vossa alegre companhia. Prometo que tenho que aparecer a mais, assim o serviço e vida permita.
a galhofa, risada e alegria destas coisas fazem-nos bem à mente.
obrigado pela boleia, e se for caso boas férias.
um grande abraço daquele de sempre...
Pinto Infante
Marques disse…
Voltem sempre!
para a proxima eu também vou, mas de Pajero...
Silverio Correia disse…
Começo por agradecer e dar os parabéns aos “repórteres” por “imortalizarem” este magnifico evento, através das imagens e das descrições.
Para mim, este foi sem duvida um passeio 4P’s+A’s que nunca sairá do meu baú de recordações.
Este foi um daqueles passeios de BTT em que se desfrutou cada unidade elementar de tempo, desde o principio, muito antes das pedaladas começarem, até ao fim!
Mas estas coisas não são obra do acaso, e neste caso, conhecemos bem os “CULPADOS” – Abilio Fidalgo coadjuvado, e muito bem, pelos seus pais e alguns dos seus amigos de Pomares! Um GRANDE OBRIGADO e MUITOS PARABÉNS para TODOS. Claro que os participantes também tiveram a sua parte de “culpa” para tal SUCESSO! Parabéns também para eles, eu incluído!
Só me resta dizer, ATÉ À PRÓXIMA!
Um ABRAÇO
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…