Avançar para o conteúdo principal

"Na senda dos Tamujais"

Depois de uma semana atípica, com a chuva a preencher práticamente todos os dias da semana, não tirei "o rabinho da canastra" mantendo-me sempre na espetativa.
Ontem o dia já convidava a umas pedaladas, apesar do vento um pouco forte, mas hoje, esteve um dia maravilhoso para a prática da modalidade.
E a prova disso, foi o lindo "raminho" que se apresentou nas Docas. 17 companheiros prontos para sujar o fatinho por esses trilhos ainda enlameados e pululados de pequenas charcas de água, que nos faz chegar a casa com outras cores, que não aquelas com que de lá saímos, logo pela manhã e ainda, sujeitos aos "raspanetes" das nossas "Marias".
Já passavam uma "mão cheia de minutos" das 08h00, quando iniciámos as nossas pedaladas, hoje em direção à bonita e neo Barragem dos Tamujais, ali às portas dos longos olivais do Vale do Lucriz.
Malta animada e barulhenta, sempre em alegre cavaqueira, foi o mote durante práticamente todo o percurso.
Saímos da cidade pela zona da Talagueira e hoje, por ser domingo, com a malta do costume a "dar banho à minhoca" nas inquinadas àguas da barragem, que recebe os despejos de várias unidades fabris da zona industrial. O peixe por ali de ser alguma espécie de "amorfo", digo eu!!!
Mal por mal, prefiro o bacalhau escamudo!!!
Nesta zona deparámos com outro numeroso grupo, que me pareceu a rapaziada das "Tílias" e adiantámo-nos, por um trilho mais curto em direção ao Baixo da Maria.
Subimos à Santinha e ladeámos o IP2 até à Represa, onde parámos, no Ramalhete, para a cafézada da manhã.
A passagem seguinte foi pelos Amarelos e depois de cruzar o IP2, seguimos pelas traseiras das Bombas das Sarnadas em direção à pequena represa, junto à estrada de ligação aos Cebolais de Baixo.
Passámos pelo estreito pontão e enbrenhámos-nos nos trilhos, entre eucaliptal, até à Foz do Vale e descemos para a Ribeira do Prior, que ladeámos por umas centenas de metros, para cruzá-la depois e subir à cumeada para desfrutar da bela panorâmica sobre a Barragem dos Tamujais.
A malta gostou e registou o momento com as digitais.
A ideia inicial foi aqui um pouco alterada, relativamente aos trilhos a percorrer, para que se pudesse ganhar algum tempo e minimizar um pouco o sofrimento com um  par de subidas que ficaram em standby, para uma outra oportunidade.
Contornámos então parte daquela pequena bacia hidrográfica, até ao paredão, onde a malta se juntou para uma foto de grupo.
Para acelerar um pouco e ganhar algum tempo, seguimos pelo estradão alcatroado pelo Sobral, cruzando os extensos olivais do Vale do Lucriz, passando pelo pequeno povoado e arraial do monte, em direção ao Vale de Pousadas.
Como demorámos um pouco pela barragem, já não entrámos na povoação, seguindo pela Vidigueira em direção à Vinha do Torão, ali mesmo às portas de Alfrívida.
Não entrámos e seguimos para a Quinta da Lameira, para enfrentar a dura subida do Cabeço do Bordalo.
Ultrapassada esta pequena superação, seguimos em direção ao Retaxo, onde tomámos o azimute à Serra das Olelas, que depois descemos por uns carreirinhos já de todos conhecidos até à estrada.
Mais à frente virámos à direita e seguimos pela cumeada do Vale das Quedas até ao Vale da Dona, onde passarmos o Ribeiro do Cinzeiro em direção ao Monte do Rei, que ladeámos, para já com a cidade à vista percorrermos os derradeiros kms e entrarmos na cidade pelo Bairro do Valongo, com 65 kms pedalados numa bela manhã solarenga, apesar de um pouco fria e na companhia de uma boa "ranchada" de amigos.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silverio Correia disse…
Excelente manhã de BTT!
O "comandante de dia", António Cabaço começou por "sacar" do baú, um percurso de elevado nível para os apaixonados deste hobby/desporto. Depois conduziu, exemplarmente, um quase pelotão (só faltavam 3), ávido Pelo Puro Prazer de Pedalar, por trilhos, grande parte deles novos para mim e para a grande maioria. Ao juntar a estes ingredientes uma manhã maravilhosa para a prática desta paixão, o resultado só podia ser um: PRAZER
Abraço para todos e até à próxima
Silvério
Fidalgo disse…
Eu peço desculpa por ter batido em retirada sem molhar o bico, mas para além de já vir bem mamadinho, queria estar em casa antes das 13 horas. Quanto aos trilhos e como já é teu hábito, reservas-nos sempre umas surpresas muito agardáveis de pedalar por trilhos novos, pelo menos para mim. Obrigado e um abraço para todos.Abílio Fidalgo.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…