Avançar para o conteúdo principal

"Rota do Leitão"

A convite do João Caetano lá fui até ao Vale Clérigo participar em mais uma Rota do Leitão.
Uma organização informal, de amigos para amigos e que culmina de faca e garfo em volta de um estaladiço bacorito, ou mais, como foi o caso, regado com um categórico néctar de Baco, (que me perdoem os mais conservadores) que até faz andar os coxos e falar os gagos com fluidez. Por outro lado . . . põe os sãos a coxear e a gaguejar.
Saí de Castelo Branco na companhia do Álvaro e do Dário e juntámo-nos à restante rapaziada na estrada para o Peral, numas instalações onde iríamos posteriormente tomar banho.
Regressámos de bike ao Vale Clérigo, onde tomámos o cafézinho matinal e sobre a batuta do Pedro Tavares, o mentor desta manifestação Gastrodesportiva, lá demos início ao passeio.
A chuva começou a cair com mais alguma intensidade, dando indícios de que vinha para ficar, mas nós também . . . e ficámos até final!
Saímos para os trilhos em direção ao Espinho Grande, sempre animados e descemos à Ribeira da Sarzedinha, que cruzámos, subindo depois à abandonada aldeia de Giesteiras Fundeiras.
Passámos pelas Giesteiras Cimeiras e pelo Ripanço, para encostarmos à Ribeira da Froia, no bonito local da Azenha do Marcelino e seguimos quase sempre paralelos à ribeira até à ponte, já na Praia Fluvial.
Subimos à bonita Aldeia das Oliveiras, numa volta circular, voltando ao asfalto, onde eu e mais alguns companheiros optámos por seguir até final, pois a chuva e o estado dos trilhos já me causavam algum mau estar, por estar ensopadinho até a osso e já com a sensação de frio. Foi apenas uma medida preventiva.
Seguimos até à Sobreira Formosa onde seguimos a estrada para as Moitas e Vale Clérigo.
Bons momentos de convívio com as peripécias dos "habituès", com destaque para o sempre alegre José Luís, não com as imitações do momento da nova moda do Gangnam Style, mas à sua moda, a Lama Style. Incorrigível no que toca a companheirismo e animação, este amigo!!!
Depois do banhinho retemperador, seguiu-se o soberbo almoço, servido na castiça adega e onde não faltaram as entradas e o bom convívio. A animação prometia!
Com o "treininho" já terminado de volta dos jarrinhos de branco e tinto, sentámo-nos à mesa.
Não demorou muito a aparição do "dito cujo" tão ansiosamente aguardado!!!
O leitão estava simplesmente divinal. E aquele acompanhamento de batatas no formo e migas de couve, os doces, com destaque para aquela deliciosa tigelada, e aquele fantástico tinto, deixaram-me completamente "fora do contexto".
Um grande obrigado ao Pedro Tavares por esta "luxúria" gastronómica e pelo belo passeio e, ao João Caetano pelo convite.
Um grande grupo de amigos e um evento de eleição, onde a amizade, o companheirismo, o divertimento, o desporto, na sua vertente lúdica e a boa gastronomia, fazem uma excelente simbiose.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

FMicaelo disse…
É o que dá um gajo andar desaparecido! Esta malta abala para outros "quintais" em pedaladas à chuva e "encontram" bacoritos "bronzeados" á espera de ser comidos! Inveja á parte, o dito tinha mesmo bom aspecto!
Bela voltinha! É bom ver assim a malta toda junta em boa reinadia!
Pinto Infante disse…
Se bem te lembras, num das 1.ªs edições do último do ano já tivemos a matança do "Leitão" lembras-te?!
Ainda o nosso comparsa Rui Leitão estava no "contenente".
agora vocês atacaram um leitão que a olhar pelo post foi de se babarem...
invejoso, estou eu!!!
aquele abraço
Pinto Infante

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…