segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

"Rota do Leitão"

A convite do João Caetano lá fui até ao Vale Clérigo participar em mais uma Rota do Leitão.
Uma organização informal, de amigos para amigos e que culmina de faca e garfo em volta de um estaladiço bacorito, ou mais, como foi o caso, regado com um categórico néctar de Baco, (que me perdoem os mais conservadores) que até faz andar os coxos e falar os gagos com fluidez. Por outro lado . . . põe os sãos a coxear e a gaguejar.
Saí de Castelo Branco na companhia do Álvaro e do Dário e juntámo-nos à restante rapaziada na estrada para o Peral, numas instalações onde iríamos posteriormente tomar banho.
Regressámos de bike ao Vale Clérigo, onde tomámos o cafézinho matinal e sobre a batuta do Pedro Tavares, o mentor desta manifestação Gastrodesportiva, lá demos início ao passeio.
A chuva começou a cair com mais alguma intensidade, dando indícios de que vinha para ficar, mas nós também . . . e ficámos até final!
Saímos para os trilhos em direção ao Espinho Grande, sempre animados e descemos à Ribeira da Sarzedinha, que cruzámos, subindo depois à abandonada aldeia de Giesteiras Fundeiras.
Passámos pelas Giesteiras Cimeiras e pelo Ripanço, para encostarmos à Ribeira da Froia, no bonito local da Azenha do Marcelino e seguimos quase sempre paralelos à ribeira até à ponte, já na Praia Fluvial.
Subimos à bonita Aldeia das Oliveiras, numa volta circular, voltando ao asfalto, onde eu e mais alguns companheiros optámos por seguir até final, pois a chuva e o estado dos trilhos já me causavam algum mau estar, por estar ensopadinho até a osso e já com a sensação de frio. Foi apenas uma medida preventiva.
Seguimos até à Sobreira Formosa onde seguimos a estrada para as Moitas e Vale Clérigo.
Bons momentos de convívio com as peripécias dos "habituès", com destaque para o sempre alegre José Luís, não com as imitações do momento da nova moda do Gangnam Style, mas à sua moda, a Lama Style. Incorrigível no que toca a companheirismo e animação, este amigo!!!
Depois do banhinho retemperador, seguiu-se o soberbo almoço, servido na castiça adega e onde não faltaram as entradas e o bom convívio. A animação prometia!
Com o "treininho" já terminado de volta dos jarrinhos de branco e tinto, sentámo-nos à mesa.
Não demorou muito a aparição do "dito cujo" tão ansiosamente aguardado!!!
O leitão estava simplesmente divinal. E aquele acompanhamento de batatas no formo e migas de couve, os doces, com destaque para aquela deliciosa tigelada, e aquele fantástico tinto, deixaram-me completamente "fora do contexto".
Um grande obrigado ao Pedro Tavares por esta "luxúria" gastronómica e pelo belo passeio e, ao João Caetano pelo convite.
Um grande grupo de amigos e um evento de eleição, onde a amizade, o companheirismo, o divertimento, o desporto, na sua vertente lúdica e a boa gastronomia, fazem uma excelente simbiose.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

2 comentários:

FMicaelo disse...

É o que dá um gajo andar desaparecido! Esta malta abala para outros "quintais" em pedaladas à chuva e "encontram" bacoritos "bronzeados" á espera de ser comidos! Inveja á parte, o dito tinha mesmo bom aspecto!
Bela voltinha! É bom ver assim a malta toda junta em boa reinadia!

Pinto Infante disse...

Se bem te lembras, num das 1.ªs edições do último do ano já tivemos a matança do "Leitão" lembras-te?!
Ainda o nosso comparsa Rui Leitão estava no "contenente".
agora vocês atacaram um leitão que a olhar pelo post foi de se babarem...
invejoso, estou eu!!!
aquele abraço
Pinto Infante