Avançar para o conteúdo principal

"Voltinha até ao limite"

Alto lá! Não é nada disso que estão a pensar e que o título sugere.
Foi de facto uma voltinha até ao limite . . . mas até ao limite da nossa querida Beira Baixa.
Uns metros mais à frente e estaríamos no Alto Alentejo.
Ao limite também . . . mas do pecado da gula, pois não conseguimos resistir aos bolinhos da Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. E foi esta vila, à beira tejo plantada, que fomos hoje visitar, nas nossas habituais pedaladas de asfáltica.
Sei também que ando a tentar desfazer-me duns três quilitos, no mínimo, que me andam a aponquentar e a prejudicar a performance.
Também sei, que disse que me ía dedicar mais um pouco e cortar na "ração", blá, blá, blá, mas . . . se for daqui a um par de dias, também não fará grande diferença. eh eh eh!!!
Posto isto, vamos lá narrar a história do passeio de hoje.
Pelas 09h, juntei-me ao Jorge Palma na Rotunda da Racha e rumámos a Vila Velha de Rodão, pela Ip2 e N.18, com passagem por Sarnadas de Rodão e Coxerro.`
A manhã apresentou-se solarenga, mas algo fria.
À passagem pela Serrasqueira, verificámos que uma densa neblina cobria toda a zona para onde nos dirigíamos e a temperatura desceu substancialmente, alertando-nos que o inverno ainda anda por aí e que a roupinha, por vezes ainda é escassa, apesar das primeiras impressões ao sair de casa.
Levar um corta vento dobrável num dos bolsos da jersey, não pesa muito e de vez em quando até faz jeito.
O frio enregelou-nos de tal maneira, que "o paleio" acabou ali e os óculos passaram a ser um estorvo.
O calorzinho dentro da Bolaria Rodense e os olhares de soslaio sobre todos aqueles bolinhos nos expositores, deram-nos outro ânimo e afastaram de vez aquela sensação de mal estar, dando lugar a uns bons momentos de tertúlia e "o paleio" regressou, enquanto bebericávamos o cafézinho matinal e saboreávamos aquele "naco" de doçaria.
Logo no início do passeio de hoje, as minhas perninhas chamaram-me à atenção para a imprudência de ontem, mas até Vila Velha de Rodão, a coisa até correu bem, fora o frio e o nevoeiro.
A segunda parte, com subida à Távila é que foi mais complicado. As pernitas doíam-me enquanto tentava aguentar a roda do Jorge. Mas a "coisa" aqueceu e normalizou.
A partir de Alvaiade, foi práticamente sempre a rolar pelo IP2 até Castelo Branco, com a derradeira paragem no bar das bombas em Sarnadas, para colmatar a secura.
Chegámos à cidade pelas 12h30, após 65 kms a dar ao pedal e em amena cavaqueira.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC 

Comentários

luis antunes disse…
Como é sabido gosto imenso do seu blog não só pelas narrativas escritas mas tambem muito especialmente pelas lindas paisagens da nossa Beira Baixa. Posso fazer lhe uma sujestão?
escreva por baixo de cada foto a que zona pertence a paisagem. conheço toda a região mas os nomes népia
obrigado

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…