Avançar para o conteúdo principal

"Paiágua"

Depois de uns dias a "cirandar" pelo norte e com passagem por bonitos locais montanhosos, apeteceu-me hoje, ir pedalar num percurso um pouco mais sinuoso.
Saí de casa pelas 09h e resolvi ir tomar o cafézinho matinal à Paiágua, uma pequena aldeia sitiada num dos vales guardados pela Serra da Pedragueira.
Passei pelo Salgueiro do Campo, Padrão e Lameirinha, para mais à frente virar à esquerda para a Paiágua.
Ali parei, no único café da aldeia, onde me entretive um pouco à conversa com o dono do estabelecimento, curioso por me ver por ali, enquanto bebericava o café.
Subi depois uma terrivel e estreita rua empedrada e escorredia, derivado à relva e musgo acumulados, até à estreita e panorâmica estrada, pela qual segui, passando pela Silvosa e Vinha, duas pequenas aldeolas de gente simpática, que sempre me cumprimentam quando por ali passo, na única ruela da aldeia, estreitinha e empedrada.
Depois de um esforçado sobe e desce com rampas na casa dos dois dígitos, seguiu-se a rainha de todas elas, a subida ao alto da Cardosa, com passagem pelo interior da aldeia. Cheguei lá acima todo dorido.
As últimas calorias acrescentadas em tempo record, não me auxiliaram mesmo nada! Ando mesmo a tentar desfazer-me delas . . . mas a coisa não está fácil! Andam por aqui, pelo menos uns três quilitos a estragar-me a performance!!!
A partir da Cardosa a coisa acalmou substancialmente, acabando mesmo por fazer uma série de kms em boa descida até ao Pé da Serra, com uma bonita panorâmica sobre as serranias circundantes.
Chegado ao Pé da Serra, passei pela Magueija e Azenha de Cima em direção às Sarzedas, onde parei no fontanário à saida, para encher o bidon de água e comer uma bolachinha.
O azimute já estava virado à cidade, com passagem pela Silveira dos Figos, Cabeço do Infante e Vilares de Cima, com a cidade já a mostrar-se lá ao longe.
A descida ao Rio Ocreza foi nas calmas, admirando o rio entre os eucaliptos que ladeiam a estrada e gozando esta bela manhã solarenga. O passeio de hoje já se aproximava do fim, assim com a hora para degustar o almoçinho que já deveria estar na fase inicial de preparação.
Faltava ainda um último "osso para roer", a subida à Taberna Seca.
A musculatura já acusava o esforço anterior, mas aguentou relativamente bem a subida. Depois foi tudo mais fácil até à cidade, onde cheguei pelas 12h45, com 77 kms pedalados em solitário, por bonitos locais cá do nosso bonito interior.
 
Fiqauem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

luis antunes disse…
As imagens são espetaculares
Por essas serras da Cardosa Paiagua Silvosa, Vinha etc locais por onde passei
No entanto ia pedir ao amigo para escrever por baixo de cada foto o local a que se refere
Obrigado e muitas e boas pedaladas

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…