Avançar para o conteúdo principal

"Paiágua"

Depois de uns dias a "cirandar" pelo norte e com passagem por bonitos locais montanhosos, apeteceu-me hoje, ir pedalar num percurso um pouco mais sinuoso.
Saí de casa pelas 09h e resolvi ir tomar o cafézinho matinal à Paiágua, uma pequena aldeia sitiada num dos vales guardados pela Serra da Pedragueira.
Passei pelo Salgueiro do Campo, Padrão e Lameirinha, para mais à frente virar à esquerda para a Paiágua.
Ali parei, no único café da aldeia, onde me entretive um pouco à conversa com o dono do estabelecimento, curioso por me ver por ali, enquanto bebericava o café.
Subi depois uma terrivel e estreita rua empedrada e escorredia, derivado à relva e musgo acumulados, até à estreita e panorâmica estrada, pela qual segui, passando pela Silvosa e Vinha, duas pequenas aldeolas de gente simpática, que sempre me cumprimentam quando por ali passo, na única ruela da aldeia, estreitinha e empedrada.
Depois de um esforçado sobe e desce com rampas na casa dos dois dígitos, seguiu-se a rainha de todas elas, a subida ao alto da Cardosa, com passagem pelo interior da aldeia. Cheguei lá acima todo dorido.
As últimas calorias acrescentadas em tempo record, não me auxiliaram mesmo nada! Ando mesmo a tentar desfazer-me delas . . . mas a coisa não está fácil! Andam por aqui, pelo menos uns três quilitos a estragar-me a performance!!!
A partir da Cardosa a coisa acalmou substancialmente, acabando mesmo por fazer uma série de kms em boa descida até ao Pé da Serra, com uma bonita panorâmica sobre as serranias circundantes.
Chegado ao Pé da Serra, passei pela Magueija e Azenha de Cima em direção às Sarzedas, onde parei no fontanário à saida, para encher o bidon de água e comer uma bolachinha.
O azimute já estava virado à cidade, com passagem pela Silveira dos Figos, Cabeço do Infante e Vilares de Cima, com a cidade já a mostrar-se lá ao longe.
A descida ao Rio Ocreza foi nas calmas, admirando o rio entre os eucaliptos que ladeiam a estrada e gozando esta bela manhã solarenga. O passeio de hoje já se aproximava do fim, assim com a hora para degustar o almoçinho que já deveria estar na fase inicial de preparação.
Faltava ainda um último "osso para roer", a subida à Taberna Seca.
A musculatura já acusava o esforço anterior, mas aguentou relativamente bem a subida. Depois foi tudo mais fácil até à cidade, onde cheguei pelas 12h45, com 77 kms pedalados em solitário, por bonitos locais cá do nosso bonito interior.
 
Fiqauem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

luis antunes disse…
As imagens são espetaculares
Por essas serras da Cardosa Paiagua Silvosa, Vinha etc locais por onde passei
No entanto ia pedir ao amigo para escrever por baixo de cada foto o local a que se refere
Obrigado e muitas e boas pedaladas

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…