Avançar para o conteúdo principal

"Hoje fomos as Gatas"

Hoje foi dia de voltinha com as "magrelas"
No sítio do costume, a rotunda da Racha, responderam à chamada, eu, o Nuno Eusébio, o Luís Lourenço, o Jorge Palma, o António Leandro, o Nuno Maia, o Vasco Soares e o Álvaro Lourenço, a maioria dos useiros e vezeiros destes passeios de fim de semana.
A volta hoje foi direcionada para a visita a umas aldeolas mais recônditas, onde o prazer de pedalar por alguns cantinhos menos conhecidos, aliado à passagem por algumas estradinhas panorâmicas e singelas paisagens, foram o mote da saída de hoje.
Saímos pelas 08h30, abandonando já o horário das 9h, pois com o avançar do tempo a quilometragem sofre também algum acréscimo, mantendo-se o principal objetivo, o do ganho de endurance em detrimento da velocidade.
Para apimentar um pouco mais a coisa, hoje havia uma pequena surpresa, lá para o segundo terço do percurso.
Abandonámos a cidade com intenção de ir tomar o cafezinho matinal à Paiágua.
Passámos pelo Salgueiro do Campo e Lameirinha para um par de kms mais à frente, virarmos à esquerda e descermos à Paiágua, aldeia situada num bonito vale.
Lá parámos na única tasca e também mercearia, a única lá da aldeia.
Bebemos o cafezinho e divertimo-nos um pouco com as chalaças, "conversetas" da praxe e seguimos rumo.
Sair daquele buraco não é assim tão fácil, e hoje, um pouco dificultado por a inclinada rua em paralelo, que dá acesso ao clube, lá mais no alto, se encontrar molhada e escorregadia.
Num constante sobe e desce, pela estreita estradinha que liga a Paiágua à Cardosa, cruzámos as pequenas aldeolas da Silvosa e da Vinha, quase sempre a pisar caruma de pinheiro e cascas de eucalipto, consequência dos fortes ventos que têm assolado a região.
Não é uma ligação assim tão fácil para os pedalantes "de fim de semana", pois tem por lá uns carocitos que já fazem assoprar.
Chegámos à Cardosa, uma bonita aldeia mesmo às portas da Serra do Muradal, e, para chegar lá ao alto, ao cruzamento para o Pé da Serra, tivemos que enfrentar uma daquelas que nos fazem "contorcer" um pouco, e onde aquela sensação do "chiça que a "puta" nunca mais acaba", quase que posso afirmar, que é comum a toda a malta.
Mas com a nossa paciência e espírito sofredor, lá a mandámos para trás das costas.
Descemos ao Pé da Serra e passámos pela Magueija e Azenha de Cima, para entrarmos em mais uma estradinha panorâmica a ladear a Ribeira do Tripeiro que nos levou até à aldeia de Gatas, mas nós, ainda estávamos muito longe de andar de gatas . . . porém ainda íamos fazer mais uma tentativa lá mais à frente, na adega do pai do Luís, já que a subida não foi capaz!!!
Sempre numa boa e em amena cavaqueira, fomos conquistando kms apreciando a bonita panorâmica proporcionada pelos bonitos vales por onde passámos, até chegarmos à aldeia de Mendares, o local do abastecimento sólido, e também, por uma questão de poupança, juntámos o líquido!
A simpatia dos pais do Luís, foi a receção junto a pequena e castiça adega, onde com mesinha posta no relvado, comemos, bebemos e divertimo-nos durante um bom bocado.
Um super branquinho e um excelente tinto, acompanhado por umas lascas de presunto e fatias de chouriço, daquele que a gente gosta, foi motivo para uns bons minutos de tertúlia e convívio, enquanto as bikes "descansavam um pouco" dispersas por ali.
Como sobremesa seguiu-se o caldeiro das "marroquinas", que a malta atacou com gosto e vontade, pois hoje não era dia de acanhados!
Depois de recuperadas e até ultrapassadas as calorias despendidas no percurso já feito, faltava regressar à cidade, com o último carocinho da subida à Taberna Seca, que iria nivelar a coisa.
A chegada à cidade deu-se pelas 12h45, com 78 kms pedalados numa bonita volta cicloturistas, hoje privilegiada com um percurso bem panorâmico e com alguma dureza, para nós "arrastadeiras pedalantes" e ornamentada com um belo reforço na adega do pai do Luís.
Já adquirimos entradas para a próxima passagem pela zona. Aquele branquinho não se pode estragar!!!
Com malta divertida e com um dia excelente para um bom par de pedaladas, foi um enorme prazer esta voltinha asfáltica de fim de semana.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…