Avançar para o conteúdo principal

"Hoje fomos as Gatas"

Hoje foi dia de voltinha com as "magrelas"
No sítio do costume, a rotunda da Racha, responderam à chamada, eu, o Nuno Eusébio, o Luís Lourenço, o Jorge Palma, o António Leandro, o Nuno Maia, o Vasco Soares e o Álvaro Lourenço, a maioria dos useiros e vezeiros destes passeios de fim de semana.
A volta hoje foi direcionada para a visita a umas aldeolas mais recônditas, onde o prazer de pedalar por alguns cantinhos menos conhecidos, aliado à passagem por algumas estradinhas panorâmicas e singelas paisagens, foram o mote da saída de hoje.
Saímos pelas 08h30, abandonando já o horário das 9h, pois com o avançar do tempo a quilometragem sofre também algum acréscimo, mantendo-se o principal objetivo, o do ganho de endurance em detrimento da velocidade.
Para apimentar um pouco mais a coisa, hoje havia uma pequena surpresa, lá para o segundo terço do percurso.
Abandonámos a cidade com intenção de ir tomar o cafezinho matinal à Paiágua.
Passámos pelo Salgueiro do Campo e Lameirinha para um par de kms mais à frente, virarmos à esquerda e descermos à Paiágua, aldeia situada num bonito vale.
Lá parámos na única tasca e também mercearia, a única lá da aldeia.
Bebemos o cafezinho e divertimo-nos um pouco com as chalaças, "conversetas" da praxe e seguimos rumo.
Sair daquele buraco não é assim tão fácil, e hoje, um pouco dificultado por a inclinada rua em paralelo, que dá acesso ao clube, lá mais no alto, se encontrar molhada e escorregadia.
Num constante sobe e desce, pela estreita estradinha que liga a Paiágua à Cardosa, cruzámos as pequenas aldeolas da Silvosa e da Vinha, quase sempre a pisar caruma de pinheiro e cascas de eucalipto, consequência dos fortes ventos que têm assolado a região.
Não é uma ligação assim tão fácil para os pedalantes "de fim de semana", pois tem por lá uns carocitos que já fazem assoprar.
Chegámos à Cardosa, uma bonita aldeia mesmo às portas da Serra do Muradal, e, para chegar lá ao alto, ao cruzamento para o Pé da Serra, tivemos que enfrentar uma daquelas que nos fazem "contorcer" um pouco, e onde aquela sensação do "chiça que a "puta" nunca mais acaba", quase que posso afirmar, que é comum a toda a malta.
Mas com a nossa paciência e espírito sofredor, lá a mandámos para trás das costas.
Descemos ao Pé da Serra e passámos pela Magueija e Azenha de Cima, para entrarmos em mais uma estradinha panorâmica a ladear a Ribeira do Tripeiro que nos levou até à aldeia de Gatas, mas nós, ainda estávamos muito longe de andar de gatas . . . porém ainda íamos fazer mais uma tentativa lá mais à frente, na adega do pai do Luís, já que a subida não foi capaz!!!
Sempre numa boa e em amena cavaqueira, fomos conquistando kms apreciando a bonita panorâmica proporcionada pelos bonitos vales por onde passámos, até chegarmos à aldeia de Mendares, o local do abastecimento sólido, e também, por uma questão de poupança, juntámos o líquido!
A simpatia dos pais do Luís, foi a receção junto a pequena e castiça adega, onde com mesinha posta no relvado, comemos, bebemos e divertimo-nos durante um bom bocado.
Um super branquinho e um excelente tinto, acompanhado por umas lascas de presunto e fatias de chouriço, daquele que a gente gosta, foi motivo para uns bons minutos de tertúlia e convívio, enquanto as bikes "descansavam um pouco" dispersas por ali.
Como sobremesa seguiu-se o caldeiro das "marroquinas", que a malta atacou com gosto e vontade, pois hoje não era dia de acanhados!
Depois de recuperadas e até ultrapassadas as calorias despendidas no percurso já feito, faltava regressar à cidade, com o último carocinho da subida à Taberna Seca, que iria nivelar a coisa.
A chegada à cidade deu-se pelas 12h45, com 78 kms pedalados numa bonita volta cicloturistas, hoje privilegiada com um percurso bem panorâmico e com alguma dureza, para nós "arrastadeiras pedalantes" e ornamentada com um belo reforço na adega do pai do Luís.
Já adquirimos entradas para a próxima passagem pela zona. Aquele branquinho não se pode estragar!!!
Com malta divertida e com um dia excelente para um bom par de pedaladas, foi um enorme prazer esta voltinha asfáltica de fim de semana.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…