Avançar para o conteúdo principal

"Sierra de Gata . . . Côres de Outono"

Partilhar as fabulosas côres de Outono pelo magnífico "Castañar del Ojesto" na sempre linda "Sierra de Gata" é já um clássico, que partilho com os amigos, transformando este dia numa festa, onde a animação e os já clássicos trilhos por "senderos milenares" são o mote para este singelo dia de Btt.
Este ano, contei com a participação do meu irmão Luís, Sandro Gama, Pedro Ferrão, Nuno Gomes, Leonel Cordeiro, Paula Pita e o Bruno Anselmo.
O percurso deste ano teve como ponto de partida e de chegada, "a mui hermosa Valverde del Fresno" uma povoação raiana bem conhecida dos portugueses.
Abandonei a cidade pelas 07h00, acompanhado pelo Sandro Gama, em direção ao ponto de encontro, nas bombas de combustível de S. Gens, onde já se encontrava o Bruno Anselmo
.Pouco depois chegou a restante rapaziada e depois dos cumprimentos e larachas da praxe, fomos tomar o cafézinho.
Rumamos depois a Espanha, deixamos as viaturas aparcadas junto ao restaurante "A Laura" e preparamos as bikes e restante material.
Demos então início ao nosso passeio, saindo de Valverde em direção ao Vale del Xálima com a intenção de desfrutarmos de alguns dos seus maravilhosos "senderos".
Por coincidência, estava também a decorrer um passeio organizado pelos "nuestros hermanos", mas não havia qualquer interferência da nossa parte, pois eles iam em direção à Serra da Malcata e nós para San Martin de Trevejo.
Pedalamos ainda por alguns dos single tracks que coincidiam com a parte final do trajeto, mas lá mais à frente cruzamos a EX-205 rumo a San Martin de Trevejo, onde chegamos depois de cruzar parte da Sierra de Cachaza.
Chegamos a San Matin de Trevejo, uma belíssima povoação sierragatina com um expressivo e fabuloso casco histórico situada num dos confins "del Xalima", bem aos pés do imponente Pico Jalama.
Abancamos na "Pizzeria" para uma alimentação mais consistente, pois a hora já o aconselhava e degustamos uns belos "bocadillos acompanhados de umas robustas cañas".
Dali seguimos para a grande dificuldade do dia, no sentido ascendente . . . a subida do Puerto de Santa Clara pelo Castañar de Ojesto".
Magnífico, brutal, idílico, épico! Coloquem-lhe o adjetivo que quiserem, ou chamem-lhe apenas bonito ou belo, mas para mim, aquela subida pela sua famosa calçada romana, o caminho milenar que cruza o impressionante "castañar", um dos mais densos da extremadura, nunca me deixa indiferente!
Subi-lo de btt, é uma verdadeira aventura, que um bom amante desta irrequieta nodalidade desfuta em pleno.
E assim foi. Com início no Pilón de las Huertas e ladeando o Rio de la Vega, este animado grupo lá foi conquistando aquela calçada bem pedregosa, com as diversas peripécias sempre presentes nestas manifestações lúdicas, com inúmeras paragens para fotos, para filmar, ou simplesmente porque a bike teimou em não subir esta ou aquela pedra.
Ainda antes de atingir o topo, o "Teso de la Nave", fizemos uma pequena paragem junto à bonita cascata que ladeia o caminho.
Já no topo, fletimos à esquerda e demos início à descida a Eljas. Adrenalínica, brutal. Ali a pedra era rainha!
Começamos por pedalar sempre com os olhos postos naquelas bonitas formações montanhosas denominadas "As Torres" e fomo-nos embrenhando num espetacular "sendero" de dificil progressão, muito pedregoso, onde tinhamos que ir buscar todo o potencial do nosso kit de unhas.
Aqui o btt tem outra expressão! àAs máquinas (bicicletas) têm que o ser e o material é posto a prova de forma brutal. Se chegares lá abaixo com a bike inteira, podes crer que tens uma boa máquina!
O gajo que a monta, se lá conseguir chegar em cima dela, também já se pode vangloriar de dar "uns toques!
Toda a malta adorou  o "magano" daquele "sendero".
Já em Eljas fomos "molhar o bico" ao bar da Plaza Mayor e malhar mais um par de "cañas e uns pinchos" antes de "galgar4" os últimos 6 kms que nos levariam até ao final, Valverde del Fresno".
Para abandonar aquele belo "poblado", tinha reservado para a rapaziada mais uma maldadezita, (não é que eu seja mau cachopo) e descemos ao vale por mais uma bela calçadita romana, bem curvilínea, em modo de teste à capacidade de viragem das respetivas bikes. 
Chegamos a Valverde e antes de chegarmos junto das viaturas, demos ainda uma pequena volta por algumas das belas "calles" antes de darmos por terminado o nosso passeio.
Já com as bikes arrumadas e com outro visual, despedimo-nos do Leonel, da Paula e do Nuno que tinham que regressar mais cedo a Coimbra e eu, o meu irmão Luís, o Ferrão, o Sandro e o Bruno, abancamos no restaurante "A Laura" para um final feliz em volta de "unas tapas e unas cañas", que fomos degustando calmamente, em conversa amena entre bons amigos.
Fiquei bastante agradado com a presença destes bons amigos e enquanto puder, estas pequenas "ramboias" serão sempre um motivo para a malta se encontrar e "pintar a manta" num qualquer recanto, daquela maneira que a malta sabe e gosta!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Bruno Anselmo disse…
Um dia em pleno...bom convívio, repleto de trilhos e paisagens soberbas.
Obrigado. Um abraço,

Bruno Anselmo

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…