Avançar para o conteúdo principal

"Em busca do genuíno bísaro"

Pensamento:
"O pensamento faz o homem, por isso o bom pensamento é a coisa mais importante da vida"
(James Allen

.o0o.
Numa manhã magnífica para a prática do btt, compareceram na Pires Marques 9 aventureiros prontos para dar início à busca do esquívo "bísaro", algures perdido em terras "Escalenses": AC, Fidalgo, Álvaro, Marco, Filipe Salvado, Jorge Palma, Filipe, Pedro Marquês e Agnelo.
Lá partimos pelas 08h15 com rumo a Sta Apolónia, onde o Agnelo aventou a hipótese de pisarmos alguns dos trilhos que anteriormente tinha feito num nocturno.
Toda a gente concordou, abortando a idéia inicial de irmos para os lados da Lardosa e, logo a seguir ao "single" das Piscinas, virámos à direita para o Casal da Curtinha, onde fomos recebidos por um corpulento e mal humorado cão, felizmente preso com uma grossa corrente, mas que, mesmo assim, não deixou de impor respeito.
Continuámos até cruzarmos a N.233 e seguimos até à N.352, que faz a ligação Escalos de Cima - Escalos de Baixo e subimos para o Vale do Cio, continundo pelo Penedo de Ferro até Chegarmos à Mata, onde não chegámos a entrar, seguindo depois por um novo trilho pela zona da Barrussa e tapada do Zé Lopes até atingirmos a N.240, já próximo do local onde íamos degustar o "bacorinho"
Como ainda era um pouco cedo e a "coisa" estava programada para as 11h, que era quando aqueles "ditos cujos" abandonariam a toca (forno), demos ainda uma voltinha em redondo lá para os lados da Balorca, para entrar nos Escalos de Baixo pelo Chafariz, onde alguns companheiros aproveitaram para atestar os camelbacks.
Dirigimo-nos então ao Restaurante "O Chafariz", onde o Sr Mendonça nos permitiu dar uma mirada naqueles belos espécimes suínos, acabadinhos de saír do forno e que pareciam dormir, bem aconchegadinhos na travessa que os transportara.
Na rua e numa mesa estratégicamente colocada, lá nos sentámos debaixo da sombra artificial criada pelos guarda sol.
Começaram então a chegar à mesa umas belas e rechonchudas sandes de leitão, muito bem aviadas e acompanhadas dumas esbeltas garrafas de cerveja sagres, vulgo bjecas, tão fresquinhas, que ao primeiro toque labial provocaram arrepios.
Estávamos nós entretidos naquela azáfama de destruir à dentada aquelas belas sandes de leitão, e eis que chega à mesa uma travessa de leitão, bem ornamentada e oferta da casa, para reforçar este original abastecimento após umas pedalantes horas por cabeços e vales que alí nos conduziram e que bem substituiu as famosas barrinhas energéticas.
Depois do farto abastecimento, outra surpresa ao perguntar. Quanto é??
3 euros a cada um por 1 sandes de leitão, 2 bjecas e uma travessa de leitão. Oba!!!
Nunca mais vou abandonar a minha bicla enquanto ela me transportar para estes locais de encanto. eheheh!!! (gastronómicamente falando, diga-se!!)
Pois é, meus amigos!!!
O porco bísaro é uma raça autóctone que não conseguímos efectivamente encontrar por estes lados, pois é oriunda da zona transmontana e onde é fundamental na gastronomia da região, não só lo leitão assado, como noutros pratos regionais e também muito apreciado no "fumeiro".
Encontrámos sim, outra raça, a mais comum e que degustámos com prazer, fruto da mestria e bem saber preparar o famoso leitão à moda da bairrada pelo e que pode ser encontrado e degustado no Restaurante "O Chafariz" aqui bem perto da cidade, em Escalos de Baixo.
Depois!!!
Bem, depois é que a porca torceu o rabo, pois tinhamos que regressar à terra dos albicastrenses.
Numa pose menos relaxada e numa posição algo mais chegada à frente, com a velocidade de cruzeiro substancialmente reduzida, lá rumámos à Vinha do Marco, Monte Brito e Alagão, para entrarmos na cidade pelas Fontainhas cerca das 13h, com 47 kms percorridos de forma bem alegre e divertida.
Apenas dois pormenores criaram uma pequena mancha nesta bela e divertida manhã de btt.
Logo no início o Filipe partiu a corrente da sua bike, situação por ele prontamente resolvida, pois já aderiu à nova moda do "link de ligação" e, quando circulávamos em direcção à Mata, a aparatosa queda do Fidalgo, felizmente sem consequências graves, apenas algumas escoriações no braço e perna. (As melhoras Fidalgo!!!, Não te esqueças de tomar as injecções bebiveis "Sagrespan", eheheh)
Fiquem bem
Terça Feira há pedalada. Concentração pelas 08h na Pires Marques.
Até lá
AC

Comentários

Varadero disse…
Estou que nem posso, só por ver o que perdi!!! Ainda por cima tinha a bici e mochila prontinha, só que por circunstancias de ultima hora tive de ficar em casa...... Até à próxima volta, cumprimentos a todos...
BTTHAL disse…
Varadero..junta-te ao grupo!

Camelbag, jersey, calçoes, hidrapak no frigorifico a noite toda...tudo prontinho para uma manhã impec! Na hora de acordar, não acordei! Deixei-me dormir! Apanhei cá uma arrelia!
Enfim...
Excelente volta!

Abraço
João Valente
rarn disse…
No Domingo fui para Leça da Palmeira.
Bem que me lembrei deste passeio, mas terá de ficar para a próxima.
Ainda bem que tudo correu bem, ou melhor, quase tudo.

Então o Fidalgo cai antes de beber ...
"Ó Fidalgo ... bebe antes de pedalar" eh eh eh

As melhoras.

rarn
Abilio disse…
Tirando uns arranhões, o corpo dorido e uma dorzita no peito ( não sei se não será alguma costela rachada) eswtá tudo bem. Agora tenho que recuperar até sabado, rota do feijão frade.
Não sei se não tenho que seguir o conselho do Roberto, e beber antes de pedalar.
Boas pedaladas para todos e ´não façam como eu.
Abílio Fidalgo
Jorge disse…
Foi uma bela voltinha sim senhor, com um belo bacorinho para encher o fatinho!!!
As melhoras para o Fidalgo.
Até sábado na Rota do Feijão Frade.

Jorge Palma

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…