Avançar para o conteúdo principal

"II Passeio BTT # Rota do Feijão Frade"

Pensamento:
"A verdadeira amizade deixa marcas positivas que o tempo jamais poderá apagar."
(autor desconhecido)


.o0o.
Inserido na II Feira do Feijão Frade, na Lardosa, decorreu hoje naquela localidade, o também II Passeio de BTT com a mesma denominação e ao qual eu não poderia faltar, não fosse ele idealizado e organizado pelo meu amigo Pinto, o que à partida era o garante de boa organização, belos trilhos e poucas subidas como é seu apanágio, além do empenho que coloca neste tipo de organizações.
Hoje, era esperado um dia algo chuvoso e com rajadas de vento fortes, segundo a meteorologia, mas apesar de durante todo o dia prevalecer a ameaça de chuva, esta conteve-se, pelo menos nas zonas onde decorreu o evento e durante a Feira.
Saí de casa pelas 08h na minha mini jipose e com a bicla pronta a devorar trilhos e aí vou eu direito ao campo de futebol da Lardosa, local da concentração.
Quando cheguei já por ali havia grande azáfama e algumas caras conhecidas. Um pouco de conversa aqui e ali, e dirigí-me ao secretariado para efectuar o pagamento da inscrição e receber o saco com os brindes, onde não faltou o saquinho do feijão frade.
A malta entretanto foi chegando e pouco depois das 09h foi dada a partida em direcção ao recinto da feira, onde seria dada a partida oficial.
160 betêtistas de todas as classes e idades puseram-se em marcha alargando aquele colorido a que já estamos habituados.
Juntei-me à malta do BTTHAL e como já vem sendo hábito, seguimos na cauda do pelotão, pois lá para a frente há muito pó na confusão com as "sprintadelas" e a luta quase titânica dos ganhadores de passeios para ver quem chega primeiro à meta, mesmo sabendo que o prémio é uma valente "seca" à espera dos restantes para irem almoçar.
Mas avancemos. . .
No recinto da feira foi dada a partida real e o pelotão, por pouco tempo, depressa se desmembrou, seguindo em direcção ao Vale da Torre, passando na zona das hortas dos Escalos de Cima, cruzando a Ribeira do Vale do Freixo para encostar à Ribeira de Alpreade e dar início à grande subida do dia, segundo a organização.
Entre bonitos trilhos e estradões, lá chegámos à zona do primeiro abastecimento, no Vale da Torre, onde só não se alimentou quem não quiz, pois havia sandes, fruta e bebida em abundância e à descrição.
Continuámos depois em direcção à Póvoa da Atalaia por trilhos que eu ainda não conhecia e que gostei bastante de percorrer, com algumas passagens bem interessantes, além da espectacularidade do moinho, naquela bonita zona verde e frondosa, complementada pela ponte romana, ou medieval, não sei, que me fez por ali permanecer bastante tempo alheado do restante.
Éramos uns quantos que por alí ficámos na brincadeira e a "metralhar" nas digitais.
Entrámos seguidamente em trilhos já meus conhecidos até S. Fiel, onde se encontrava o segundo abastecimento, também ele farto em fruta, bebidas e barras energéticas e por alí nos mantivemos na galhofa, com novas bricadeiras e diabruras, até que tivémos mesmo que arrancar, pois a hora já era tardia e a malta da organização que nos seguia já devia estar farta de empurrar estes "gaijos".
Depois foi só rolar quase sempre em largos e arenosos estradões sempre contornando a Barragem da Marateca, numa dança constante até chegar à Lardosa, com excepção da bonita passagem da ribeira naquele estreito pontão e porreiros singles "made in ovelha".
A chegada à zona da meta, de fazer inveja a muitas organizações "pros", fez a malta entrar de peito inchado e até deu para ser entrevistado.
E esta heim!!!
Cheguei ao final na companhia do Micaelo e enquanto esperámos pelo resto do grupo ainda tivemos que beber uma bjeca para arrefecer o radiador e depois outra para comemorar a chegada do grupo "são e salvo".
Foram 66 kms plenos de divertimento e boa disposição, num percurso delineado por belos trilhos e com um acumulado de 675m, acessível a qualquer praticante regular.
Quanto à organização. . .
Não é fácil por em marcha um evento destes, como alguns possam pensar, porém, fiquei satisfeito com o percurso e com a forma simpática e colaborante como fui recebido e vi receber.
A sinalização do percurso estava, no meu entender, bastante correcta e bem visível, não dando origem a grandes enganos.
De louvar e um exemplo para, infelizmente na nossa zona, outras organizações, uma carrinha logo atrás do ultimo participante ia recolhendo as fitas e limpando o lixo deixado por alguns meninos imitadores de prós, a quem há que explicar que as jerseys todas janotas que usam, têm dois, ou três bolsinhos atrás, onde cabem perfeitamente os envólucros das barrinhas energéticas e as garrafinhas de plástico vazias, que poderiam descarregar em vários caixotes do lixo que eu ví durante o trajecto, ou em último caso à chegada.
O almoço era farto e cada um servia-se como queria e bem lhe apetecia. Um luxo!!!
Para o ano contem comigo e não deixem extinguir estes belos passeios, que só é pena não ser guiado para acalmar algum "frenesim" e ajudar e integrar alguns companheiros "bicicletantes" no espírito destes "PASSEIOS", que são fundamentalmente o convívio, fomentar a camaradagem e somar novos amigos.
Fiquem bem
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…