Avançar para o conteúdo principal

"Um passeio colorido e bem disposto"

Pensamento:
"A vitória chega por meio das lutas que travamos dentro de nós mesmos"
(autor desconhecido)



.o0o.
Pelas 08h, já na companhia do Álvaro, desloquei-me para o Parque Infantil da Pires Marques, onde já se encontravam o Filipe e o João Valente.
Posteriormente chegaram o Dino, o Martim e por último o Fidalgo.
No passado domingo, eu e o João Valente, participámos no I Passeio BTT de Tinalhas e gostámos imenso, especialmente da parte final do percurso, pelo que comentámos ter de por alí pedalar novamente.
E foi isso que aconteceu!!!
Programei o percurso de hoje de forma a incluir aquele traçado.
Saímos da cidade pelas 08h15 pelo portal do frigorífico, (já mais famoso que a Flôr dos Morangos) em direcção a Sta Apolónia.
Alí virámos à esquerda e após percorrermos alguns caminhos entre muros, entrámos em Alcains pela zona das escolas, virando de novo à esquerda para entrar nos trilhos que nos levaram às Passadouras da Rabaça.
Mas desta vez não passámos nas passadouras, mas sim ao lado, pelo leito do rio, agora seco naquele local e rumámos a Caféde, onde parámos no café habitual e onde somos sempre simpáticamente recebidos e quase sempre mimados com uns bolinhos.
Com o cafézinho regenerador e um bolinho, ou terão sido quatro, no "papinho" entrámos no asfalto, que seguimos durante cerca de duas centenas de metros para virar à esquerda e tomar o trilho para as "3 toneladas", nome pelo qual são conhecidas da malta betêtista (mais antiga) as três rampas já quase a chegar a Tinalhas
.
Lá no alto virámos à direita para o recinto da Capela de Nª. Sra da Conceição e subimos à Póvoa de Rio de Moinhos.
Cruzámos a povoação e entrámos no trilho que segue para a Marateca, mas umas centenas de metros à frente, virámos à esquerda para o tal trilho que dá acesso a Tinalhas e que termina junto à Escola Primária.
Mas não chegámos a entrar na aldeia e pedalámos num caminho entre muros até à estrada para S. Vicente, junto ao sucateiro, onde na curva seguinte tornámos a virar à esquerda e pedalámos por belos trilhos no vale entre entre o Barbaído e o Freixial, seguindo em direcção ao Salgueiro, serpenteando entre as aldeias do Juncal, Barbaído e Chão da Vã.
No Salgueiro, passámos junto ao campo de futebol e seguimos para o Palvarinho, onde mais uma vez batemos com o nariz na porta no restaurante junto à igreja.
Como estávamos sequiosos, voltámos atrás e fomos entrar no café "OTaxista", bem rústico por sinal e onde a senhora era uma simpatia.
Depois de derramar um par de "bjecas adultas" cada um, com excepção do Martim, que se meteu na "coca", mas cola, pois ainda não tem altura para beber cerveja, (eheheh!!!) uns pires de tremoços , à borliu, por isso foram vários e um pacote de amendoins (pago) abandonámos a "baiúca" e descemos em direcção à fonte para abastecer, desta vez, os "camelbacks".
O Dino, como já vem sendo hábito nas terças, pirou-se, pois tem compromissos e a hora já se tornava um pouco tardia, não nos acompanhando na "merenda".
Com o "corpito" mais aconchegado e mais "pachorrentos" lá nos fomos arrastando em direcção à cidade, descendo para a Ponte de Ferro e depois Ui, Ui!!!, aquela maldita subida, agora um pouco mais complicada na parte inicial, pela passagem das camionetas da madeira, mas lá chegámos ao topo.
Com passagem pelo Cabeço da Barreira, entrámos na cidade pela Cova do Gato e ao Martim, que também já tinha desandado, juntou-se o Filipe e o Álvaro, também eles limitados pela hora.
O João Valente foi pelas Isabeldeiras, pois mora lá para as bandas do Elefante Azul, restando eu e o Fidalgo, que hoje libertos de horários, ainda demos uma "rabanada" pela Tasca do Futebol, para mais duas "bjequinhas fresquinhas",(acho que me ando a portar mal. eheheh!!) que hoje o calor apertou a partir do meio da manhã.
Deu ainda para nos divertirmos com as apostas duns "bebericadores" que se encontravam na tasca, sobre o valor das nosas bikes.
Como eu e o Fidalgo moramos quase na mesma zona, despedimo-nos na Pires Marques, depois de mais um "dedo" de conversa.
Hoje foi um passeio bem colorido e bem disposto e onde a rapaziada riu e falou pelos cotovelos durante os 62 kms que preencheram a nossa pedalante manhã.

No Domingo vou alinhar noutras pedalíces até ao alto da Torre (Serra da Estrela), mas outros comparecerão no local habitual.

Fiquem bem!!!
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…