Avançar para o conteúdo principal

"Rota da Estrela"

No passado fim de semana e terça feira seguinte, feriado da cidade, houve romaria, hoje foi um pouco mais complicado, mas ainda assim, uma outra "romaria" pelo espírito e pelo empenho de 14 amigos que se juntaram num raid convívio para "trepar" ao cume mais alto de Portugal na Serra da Estrela.
Foi uma ideia da malta da "Btthal e Assapar", que progamaram e organizaram esta bela e prolongada manhã de pedalada.
A malta juntou-se no parqueamento do Monteverde na Covilhã, pelas 09h30, mas houve três "meninos" (AC, FMike e Álvaro) que acharam que era pouco "empeno" e resolveram partir de Castelo Branco de bike em direcção à Covilhã e ali se juntarem ao grupo para culminar o raid na Torre.
Depois da foto de grupo lá partimos à conquista do ponto mais alto de Portugal, a 2000 metros de altitude (1993 exactos, segundo creio).
Havia malta com bikes de fre ride e pneus cardados de 2.25, FS e HT's também com pneus cardados, algumas apenas com roda fina, uma tunada, a minha, com roda fina, forqueta rígida e pedaleiro 30/39/50 com cassete 12/25 e duas "asfálticas"
E a malta alegremente "gingava" barreira acima para cumprir os cerca de 25 kms que separam o Monteverde do alto da Torre.
O pelotão começou logo a alongar-se derivado não só à diferença de "performances" do pessoal, como também das diferenças nas bikes, que aqui tiveram bastante peso, pois a Serra não é "pera doce" e requer muito bom senso de quem pretende realmente chegar ao alto.
Cada um fez a subida ao seu ritmo e dentro das suas capacidades e quase todos atingiram o objectivo.
O tempo cá por baixo estava bom para a subida com o sol a querer fazer-nos companhia e a temperatura a ajudar, pois o aquecimento corporal estava logo à partida garantido.
A partir do centro de limpeza de neve, o tempo alterou-se completamente transformando-se num vento gélido e com algumas rajadas fortes.
A partir da curva apertada que dá acesso ao túnel, o gelo e neve fizeram-nos companhia até final, aumentado consideravelmente, assim como o nevoeiro, em cada km de subida até ao final.
O frio fazia "mossa", os pneus da minha bike iam congelados, pois começaram a ficar branquinhos, a minha barba e os pêlos que assomavam sob as calças pareciam estalacites de gêlo.
O que inicialmente era suor e que me encharcava as luvas passou a ser gêlo autentico, congelando-me completamente as mãos que já não sentia, de tal forma que até tinha dificuldade em pedalar de pé com receio que as mãos me escorregassem do guiador.
Mas a obstinação e o gosto pela aventura, fazem-nos por vezes ultrapassar obstáculos que se nos dermos ao trabalho de pensar muito em questões de "prós e contras", nunca sequer poríamos a hipótese de começar.
O espírito de sacrifício, fortalece a mente e dá outro valor às nossas pequenas conquistas.!!!"
Admirei o sacrifício de alguns companheiros, que conheço bem e que sendo a primeira vez que se aventuraram a subir à torre, o fizeram de forma obstinada e com muito valor, tanto mais que o tempo do dia de hoje, especialmente a partir das Penhas, era terrível e então nos kms finais era aterrador. " Tiro-lhes o chapéu!!!"
Alguns tinham lá no alto a viatura de apoio à espera para os transportar à Pousada da Juventude nas Penhas, onde poderiam tomar banho e era servido o almoço, outros regressaram de bike, que com o friozinho que estava, devia gelar até aos ossos!!!
Água bastante quentinha era o que nos esperava para um banho retemperador e depois da malta quase toda reagrupada atacámos o almoço, a parte menos boa do dia. Sopa um pouco salgada e a jardineira com demasiado picante, não agradou certamente a toda a gente.
Mas quase sempre e como diz o ditado . . . "não há bela sem senão", porém não teve qualquer influência no belo convívio que envolveu estes 14 companheiros e respectivas famílias que nos acompanharam e deram apoio a esta nossa obstinada aventura.
São momentos como este que fortalecem a amizade e nos faz gostar cada vez mais de desfrutar uns passeios e umas voltinhas de bike!!!
Vamos já pensar no próximo!!! . . . eu alinho.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Slideshow


Comentários

FMicaelo disse…
Como sempre, uma excelente reportagem. Fica aqui o meu obrigado e o do BTTHAL pela presença, pelo convivio, pelos conselhos amigos, pela amizade. Venham outras iguais ou melhores que esta!
Anónimo disse…
Agradeço também o apoio moral e as dicas de última hora (na véspera à tarde), de quem tem já tem muito calo nestas andanças. Quanto às dicas, essas, mantive-as bem presentes durante toda a subida e muito, mas muito, me ajudaram!
Quem sabe... sabe!
Abraço
Jorge Palma

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …