Avançar para o conteúdo principal

"Rota da Estrela"

No passado fim de semana e terça feira seguinte, feriado da cidade, houve romaria, hoje foi um pouco mais complicado, mas ainda assim, uma outra "romaria" pelo espírito e pelo empenho de 14 amigos que se juntaram num raid convívio para "trepar" ao cume mais alto de Portugal na Serra da Estrela.
Foi uma ideia da malta da "Btthal e Assapar", que progamaram e organizaram esta bela e prolongada manhã de pedalada.
A malta juntou-se no parqueamento do Monteverde na Covilhã, pelas 09h30, mas houve três "meninos" (AC, FMike e Álvaro) que acharam que era pouco "empeno" e resolveram partir de Castelo Branco de bike em direcção à Covilhã e ali se juntarem ao grupo para culminar o raid na Torre.
Depois da foto de grupo lá partimos à conquista do ponto mais alto de Portugal, a 2000 metros de altitude (1993 exactos, segundo creio).
Havia malta com bikes de fre ride e pneus cardados de 2.25, FS e HT's também com pneus cardados, algumas apenas com roda fina, uma tunada, a minha, com roda fina, forqueta rígida e pedaleiro 30/39/50 com cassete 12/25 e duas "asfálticas"
E a malta alegremente "gingava" barreira acima para cumprir os cerca de 25 kms que separam o Monteverde do alto da Torre.
O pelotão começou logo a alongar-se derivado não só à diferença de "performances" do pessoal, como também das diferenças nas bikes, que aqui tiveram bastante peso, pois a Serra não é "pera doce" e requer muito bom senso de quem pretende realmente chegar ao alto.
Cada um fez a subida ao seu ritmo e dentro das suas capacidades e quase todos atingiram o objectivo.
O tempo cá por baixo estava bom para a subida com o sol a querer fazer-nos companhia e a temperatura a ajudar, pois o aquecimento corporal estava logo à partida garantido.
A partir do centro de limpeza de neve, o tempo alterou-se completamente transformando-se num vento gélido e com algumas rajadas fortes.
A partir da curva apertada que dá acesso ao túnel, o gelo e neve fizeram-nos companhia até final, aumentado consideravelmente, assim como o nevoeiro, em cada km de subida até ao final.
O frio fazia "mossa", os pneus da minha bike iam congelados, pois começaram a ficar branquinhos, a minha barba e os pêlos que assomavam sob as calças pareciam estalacites de gêlo.
O que inicialmente era suor e que me encharcava as luvas passou a ser gêlo autentico, congelando-me completamente as mãos que já não sentia, de tal forma que até tinha dificuldade em pedalar de pé com receio que as mãos me escorregassem do guiador.
Mas a obstinação e o gosto pela aventura, fazem-nos por vezes ultrapassar obstáculos que se nos dermos ao trabalho de pensar muito em questões de "prós e contras", nunca sequer poríamos a hipótese de começar.
O espírito de sacrifício, fortalece a mente e dá outro valor às nossas pequenas conquistas.!!!"
Admirei o sacrifício de alguns companheiros, que conheço bem e que sendo a primeira vez que se aventuraram a subir à torre, o fizeram de forma obstinada e com muito valor, tanto mais que o tempo do dia de hoje, especialmente a partir das Penhas, era terrível e então nos kms finais era aterrador. " Tiro-lhes o chapéu!!!"
Alguns tinham lá no alto a viatura de apoio à espera para os transportar à Pousada da Juventude nas Penhas, onde poderiam tomar banho e era servido o almoço, outros regressaram de bike, que com o friozinho que estava, devia gelar até aos ossos!!!
Água bastante quentinha era o que nos esperava para um banho retemperador e depois da malta quase toda reagrupada atacámos o almoço, a parte menos boa do dia. Sopa um pouco salgada e a jardineira com demasiado picante, não agradou certamente a toda a gente.
Mas quase sempre e como diz o ditado . . . "não há bela sem senão", porém não teve qualquer influência no belo convívio que envolveu estes 14 companheiros e respectivas famílias que nos acompanharam e deram apoio a esta nossa obstinada aventura.
São momentos como este que fortalecem a amizade e nos faz gostar cada vez mais de desfrutar uns passeios e umas voltinhas de bike!!!
Vamos já pensar no próximo!!! . . . eu alinho.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Slideshow


Comentários

FMicaelo disse…
Como sempre, uma excelente reportagem. Fica aqui o meu obrigado e o do BTTHAL pela presença, pelo convivio, pelos conselhos amigos, pela amizade. Venham outras iguais ou melhores que esta!
Anónimo disse…
Agradeço também o apoio moral e as dicas de última hora (na véspera à tarde), de quem tem já tem muito calo nestas andanças. Quanto às dicas, essas, mantive-as bem presentes durante toda a subida e muito, mas muito, me ajudaram!
Quem sabe... sabe!
Abraço
Jorge Palma

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…