Avançar para o conteúdo principal

"Uma manhã à Camões"

Numa manhã primaveril, límpida e cheia de sol, reuniram-se na Pires Marques 5 aventureiros para mais uma jornada de Btt, desta vez lá para os lados da minúscula Aldeia de Camões, não o berço do épico Poeta e Aventureiro, mas sim cá bem no nosso interior e desta vez visitada por outro tipos de aventureiros, os betêtistas cá do burgo AC; Filipe; Micaelo; Marco e Carlos Salles, foram os protagonistas!!!
Saímos da cidade pelo já conhecido, afamado, célebre, celebérrimo portal do frigorífico, para rumarmos à longínqua aldeia de Camões, (de bicla, claro!!!) em busca de aventura e divertimento.
Passámos a Tapada das Figueiras e entrámos em asfalto até à Ponte do Rio Ocreza na EN.551, para seguidamente virarmos à Esquerda em direcção ao Santuário de Nossa Senhora de Valverde, onde fizemos uma breve paragem para uma sessão fotográfica.
Continuámos palmilhando uma diversidade de trilhos entre quintarolas até chegarmos à EN.112, junto às Bombas de Combustível ao Cruzamento do Palvarinho, onde estacionámos as bikes para no café das bombas nos deliciarmos com o viciante cafézinho.
Depois dumas brincadeiras, já usuais neste grupo, sempre virado diversão e camaradagem, lá tivemos que aguardar que o FMike atestasse a sua alvinegra "trekinha", que já se encontrava na reserva, ou seria ele??? eh eh eh!!!
Dalí partimos rumo ao Palvarinho já com a comichão no corpinho a pensar no também afamado single track do Palvarinho, do qual é padrinho o amigo Roberto, que últimamente tem faltado aos treinos domingueiros.
Já com o Salgueiro como horizonte, passámos junto ao Campo de futebol daquela povoação, agora bastante mais limpo do que da última vez que ali passámos e que estava "imundo" de bolas de paintball, a aguardar remoção, aquando dum prova ali efectuada.
Depois de pedalarmos por alguns trilhos espectaculares, avistámos a Aldeia de Chão da Vã, onde nos dirigímos para mais uma pequena paragem e abastecimento, mas a táctica saiu gorada, por engano num das pitorescas ruas da aldeia, levando-nos directamente à saída, de caras a uma arfante subida e optámos por continuar sem efectuar a paragem.
Tinhamos já pedalado uma centena de metros quando ouvímos o "roncar" dum tractor e ao apercebermo-nos que seguia duas centenas de metros à nossa frente, o Mike colocando-se em posição de combate atacou a máquina e não descansou enquanto não a ultrapassou, levando-me na sua roda e também o Filipe, chegando lá ao alto com mais uma vitória sobre uma máquina "roncante", eh eh eh!!!
Um pequeno compasso de espera pelos restantes companheiros e seguimos já com o azimute virado para a Aldeia de Camões que deveria estar por alí algures.
Após umas largas centenas de pedaladas por trilhos ladeados de imensas e coloridas paisagens, lá vislumbrámos a pequena aldeia que atacámos conseguindo mais uma conquista e que era o objectivo de hoje.
Entrámos na aldeia e mirando-a exaustivamente à esquerda e à direita, nem vivalma, "nem uma agulha bolia na quieta melancolia daquelas casinhas de xisto."
Descemos então à ribeira para efectuarmos uma pequena filmagem e tudo correra bem, não fosse a pequena "vendetta" do Filipe que me fez molhar o rabinho umas três vezes, assim como ao Mike, alegando que a máquina não tinha filmado, isto só por ter chamado "chinfrineira" à musiquinha com que ele em tempos nos brindou no acordeão do "Pescaça" nos Lentiscais.
Mas deixa lá. . . tocas mal, mas alegras-me na mesma!!! eh eh eh!!!
Depois de digerido mais este episódio, toca a pedalar já de regresso à cidade, passando ainda pelas imediações da Aldeia de Serrasqueira, para atacar a rápida descida para a sempre bonita Praia do Muro, onde como não podia deixar de ser, fizémos nova paragem para limpar a vista com aquelas lindas paisagens e efectuar mais uns disparos com as nossas inseparáveis digitais.
Mais uma foto de grupo para mais tarde recordar e toca a "trepar" por "d'arriba" até ao planalto já de caras para o Palvarinho, onde apontámos os "cockpits" das biclas ao café junto à igreja, desta vez a abrir. Mesmo na hora H.
"Emborcámos" a desejada "Sagrespan", já quase a "Ex-Libris" do grupo, umas filmagens e umas brincadeiras e toca a pedalar que já se fazia tarde e havia malta com compromissos laborais.
Já não fizemos o single e a técnica descida para a Ponte de Ferro e toca a descer por "d'abaixo" até à ponte e desta vez subimos em direcção ao Monte da Barreira por nova subida, um pouco mais suave e agora menos técnica, para "galgarmos" ao citado cabeço pela zona rudimentarmente asfaltada e rumarmos à Cova do Gato, para entrar na cidade pelas 13h10, com 58 kms percorridos plenos de divertimento e sã camaradagem.
Apareçam no Domingo pelas 08h na Pires Marques, para uma espreitadela à Romaria, após umas pedaladas junto ao Rio.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Slideshow

Filme

Comentários

Angel disse…
Nossa que paisagem LINDA!!!!!!!!
Sem falar na disposição de vcs!
Amei este lugar!!!
LR disse…
Caro AC,

Mais uma excelente reportagem. Castelo Branco parece ser um verdadeiro paraíso para betetistas. Em cada visita, fico impressionado com os "cenários" apresentados. Que pena a "Pires Marques" ficar a mais de 200 kms de Lisboa!

LR
bikestrilhosetralhos.blogspot.com
FMicaelo disse…
Acabei de fazer uma cobertura para o meu selim com a pele do crocodilo que lhe mordeu o rabo! Eheheheheh... Foi mesmo um primeiro de Abril bem passado! Quanto aos tractores ainda havemos de apanhar boleia num... nem que seja a subir a Estrela!
Zololkis disse…
SECURITY CENTER: Look Please Here

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…