Avançar para o conteúdo principal

"Rota do Volfrâmio <> Antevisão"

A convite do meu amigo Nuno Diaz, desloquei-me no passado sábado à bonita Praia Fluvial de Janeiro de Baixo para marcar um percurso em gps a que chamou "A Rota do Volfrâmio".
É um percurso circular inserido em paisagens de extrema beleza e percorrido em trilhos diversificados maioritáriamente ladeando a Ribeira de Bogas e o Rio Zêzere em single tracks de cortar a respiração. Soberbo!!!
Como combinado, pelas 07h passei pela Carapalha, onde mora o Nuno, para partirmos na minha "jipose" em direcção à Aldeia de Janeiro de Baixo.
Parámos ainda no Orvalho para bebermos o cafézinho matinal e pouco depois lá estávamos nós a estacionar a "jipose" no parque da bonita Praia Fluvial de Janeiro de Baixo.
Depois de descarregar as bikes e prepararmos o material, lá abalámos calmamente em amena cavaqueira, guiados pelo mapa topográfico rudimentarmente colocado no "cockpit" da bike do Nuno, pois parte do percurso também era desconhecido para ele, pelo menos a pedalar.
Iniciámos o percurso em alcatrão, atravessando a ponte sobre a Ribeira de Bogas virando seguidamente à direita, sempre em alcatrão.
Já próximo da Urgeiriça entrámos então nos trilhos onde logo ali se poderia ver uma antevisão do que nos esperava, pela beleza do trilho sempre sobranceiro à ribeira com as suas hortas bem "amanhadas" e viçosas.
Saímos do trilho para entrar em Bogas de Baixo subindo ao alto da povoação, onde numa viragem à direita procurámos de novo a companhia da Ribeira de Bogas ladeando-a por longos kms em belos estradões pelo Vale de Galegos, Carvalhal, Antas e Lodeiro até chegarmos à pacata Aldeia de Bogas do Meio que cruzámos pelas suas ruas peculiares, agora em direcção a Bogas de Cima sempre com a Ribeira de Bogas no nosso campo visual. Lindo!!!
À chegada a Bogas de Cima fomos logo presenteados com a bela visão da "Casa Redonda" uma bela construção em xisto de forma arredondada e muito bela e que nos distraiu um pouco para a subida paralela ao santuário até virarmos à direita, agora em direcção ao Cabeço Alto e Alto de S. Domingos numa longa subida até atingirmos o Parque Éólico, com um calor de abrazar e nem as longas élices em lento movimento giratório nos amenizavam a temperatura corporal, cujo suor corria em bica por todo o corpo.
Mas a paisagem que dali se podia avistar era simplesmente "brutal" fazendo-nos esquecer a dificuldade da subida e valer a pena aquele pequeno empeno para poder depois desfrutar de toda aquela plenitude.
Sobre a direita um bonito vale, onde se vê acantonada lá no fundo a Aldeia de Boxinos e o Vale do Abutre rodeados de parques eólicos e sobre a direita os Vales do Godinho, Cavadinha, Passarinhas, Valeiras, Torgalho, D. Bento e da Ucha, salpicados aqui e ali por pequenas aldeias, sobressindo as maiores, S. Martinho e Barroca do Zêzere.
Depois de conquistada a subida ao Alto de S. Domingos, lançámo-nos numa descida alucinante em direcção a Silvares onde na parte final da descida ladeámos alguns pomares de cerejeiras "anãs", assim lhes chamo por serem bastante pequenas, pouco maiores que arbustos e completamente carregadas de fruto. Nunca tinha visto tal!!!
Chegados à estrada alcatroada, logo alí existe uma bela fonte natural de água proveniente da serra e bem fresquinha que nos saciou a sede e encheu os camelbacks.
Já reabastecidos continuámos em direcção ao Cabeço do Pião, onde é feita a lavagem do minério estraído das Minas de Volfrâmio da Panasqueira, agora em estado algo degradado, entrando num dos trilhos (single tracks) para mim mais bonitos de todo o percurso, o Percurso Rupestre das Escombreiras e que segundo me disse o Nuno era o habitualmente percorrido pelos mineiros nas suas deslocações para as Minas e regresso a casa.
Alguns kms mais à frente entrámos em Barroca do Zêzere, uma bonita aldeia ladeada pelo Rio Zêzere, que continuou a ser a nossa companhia até final.
Ali parámos num café local para beber um par de bjecas e mascar um punhado de amendoins, gentilmente oferecido pelo proprietário e antes de sair da aldeia fui efectuar uma pequena visita à Escola Primária, uma das primeiras onde a minha esposa esteve colocada à quase trinta anos, fazendo-me recordar os tempos em que a ía levar aos domingos à noite e buscá-la nas sextas feiras à tardinha. Velhos tempos de alguma dureza!!!
Após passar a rudimentar ponte que cruza o Rio Zêzere, entrámos num espectacular e técnico single track que nos deliciou, sempre junto à margem do rio passando pelo Milheiral, Vale de Mariboa e Alagoas até chegarmos a Dornelas do Zêzere.
Alí cruzámos o rio para a outra margem através numa estreita passagem no paredão da pequena barragem para do outro lado efectuarmos uma pequena subida até, felizmente, ao bar da Associação Recreativa e Cultural de Alqueidão (ARCA), onde abocanhámos mais uma bjeca, bem fresquinha para arrefecer a "mioleira" que certamente já viria a ferver. De novo reabastecidos, continuámos, sempre ladeando o Rio Zêzere que nos surpreendia constantemente com as suas multiplas paisagens, sempre belas, passando pelos Vales do Pereiro, Milheiral e Carregal até chegarmos à Aldeia de Janeiro de Cima, onde o Nuno fez questão de me mostrar o bonito museu da Casa das Tecedeiras, continuando seguidamente a nossa aventura em direcção a Janeiro de Baixo, nosso destino final, que culminou no ponto de partida, a bonita Praia Fluvial.
Após um banho retemperador, seguiu-se o ataque a uma bela bifana no pão e uma bjeca final, pois ainda tinha que conduzir a minha "jipose" até Castelo Branco.
O Nuno Diaz ficou em Janeiro de Baixo com a família e eu regressei à base.
Foi um dia bastante agradável com um passeio por trilhos e locais de sonho e que recomendo vivamente a toda a gente que gosta de Btt e de estar em contacto com a natureza.
Quem fizer este percurso, certamente nunca mais o vai esquecer. É de uma beleza indescritível!!!
Vão ter a oportunidade de o fazer no mês de Setembro, em data ainda por definir.
O Nuno Diaz em tempo útil dará a conhecer à malta a data para podermos usufruir duma bela manhã de btt e onde as famílias nos poderão acompanhar, podendo também elas desfrutar das pontencialidades da bonita Praia Fluvial de Janeiro de Baixo, na margem direita do Rio Zêzere.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
Até lá
AC
Mais Fotos
Rota do Volframio

Comentários

rarn disse…
Depois desta reportagem só a participação poderá ser melhor.

O Nuno Dias que defina já uma data para o pessoal planear a vida ;-)

1 Abraço
luantes disse…
Simplesmente genial

Um percurso lindissimo que aualquer mortal gostaria de conhecer
Pena é que este blog não tenha tido um seguimento regular
Venham daí continuem a mostrar nos as vossas aventuras aqui ou noutras paragens
Parabéns

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…