Avançar para o conteúdo principal

"Na senda do GR10"

Hoje fui até às docas ao encontro da malta que por ali se costuma agrupar.
Apesar da ameaça de chuva, a manhã manteve-se impecável para a prática deste nosso lúdico desporto.
Contas feitas, éramos 14 companheiros ávidos por umas pedaladas campestres.
Lá partimos para os trilhos, já depois das 08h e hoje, por sugestão do Pedro Antunes, na senda do GR10, na sua passagem pela antiga praia fluvial dos Gaviões, presentemente desativada e ao abandono.
Saímos da cidade pelo Montalvão em direção ao "Ramalhete", junto ao apeadeiro do Retaxo, onde tomámos a matinal dose de cafeína.
Passámos pelos Amarelos e cruzámos a via férrea, para mais à frente passarmos no Vale do Morgado e descermos à Praia Fluvial dos Gaviões.
Um local bonito e ao abandono e por onde passa o GR10, em direção ao Parque das Nações, em Lisboa.
Uma passagem difícil e perigosa e que, verdade seja dita, evito a todo o custo. O paredão do açude tem na parte final uma zona de musgos e algas em zona pedregosa, bastante escorregadia e traiçoeira. Uma queda naquele local é certamente dolorosa.
Passado o paredão com extrema cautela, fizemos um single track não ciclável, até um caminho de asseiro, que nos levou a outra zona, onde tivemos que carregar a bike até ao outro lado da barroca, onde apanhámos então o caminho que nos levou aos Bugios.
O Pedro Antunes nunca por ali tinha passado e tinha interesse em conhecer aquela passagem do GR10.
Pois bem, já conhece!
Seguimos depois por estrada até à ponte sobre o Rio Ocreza e voltámos aos trilhos, logo a seguir á ponte, até ao cruzamento para o Chão das Servas, à entrada da Sarnadinha.
A partir de Alvaiade seguimos pelo estradão paralelo a A23 e IP2, com passagem pelo Santuário da Sra da Paz e Rodeios.
Subimos às Olelas e rumámos à cidade.
A  rapaziada, hoje, contráriamente ao habitual, não conseguia manter-se unida e homogenizar andamentos, andando tudo espalhado pelos trilhos e alguns, a partir de certo momento, a abandonarem o grupo e seguir por alcatrão.
Nas Olelas, eu mesmo acabei por tentar encurtar um pouco o tempo, pois estava um pouco justo no horário.
Acabei por fazer 67 kms e chegar a casa fora do horário que inicialmente tinha previsto. "Mea culpa"
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Fidalgo disse…
Com muita pena minha, mas hoje tive que bater em retirada pois tinha compromissos que não me permitiam chegar tarde. Acabei por chegar por volta do 12h40m, mas quando tirei o camel back das costas, reparei que tinha perdido o casaco. Agarrei no carro e fiz o troço de estrada até aos Bugios, mas casaco nem vê-lo. Para a semana que vem tenho que repetir a volta, para tentar enccontrar o casaco, que ainda por cima tinha no bolso uma coisa importante. Com estas voltas acabei por andar a correr... Peço desculpa por ter debandado mas dias não são dias e este decididamente não era o meu...

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…