quarta-feira, 15 de maio de 2013

"Pelas Serranias Pampilhosenses"

Ontem, resolvi ir fazer mais uma das minhas voltas vadias.
Convidei o amigo José Luís, com disponibilidade durante a semana e aí vamos nós em direção à Pampilhosa da Serra, dar umas pedaladas pelas suas recortadas e fantásticas serranias.
Saímos da cidade pelas 07h e rumámos à bonita Vila de Pampilhosa da Serra, atravessada pelo Rio Unhais, o qual seria a nossa referência, numa das partes mais bonitas do percurso que hoje iríamos percorrer.
Estacionámos junto ao Jardim e tomámos o cafézinho matinal no café mesmo defronte do local onde deixámos a viatura.
Preparámos as bikes e restante material e partimos à aventura.
Os primeiros kms foram por asfalto para amenizar um pouco os cerca de 12 kms de subida ao parque eólico.
O meu gps marcava 395m e iríamos subir aos 1025m. Calma António, que temos tempo!!!
Subimos então por asfalto até á primeira aldeia . . . Sobral de Cima.
A partir daqui, entrámos nos trilhos e sempre em subida constante, fomos conquistando o Cimo da Eira, o Cabeço do Muro, a Portela e o Cabeço do Vinagre, já em pleno parque eólico.
A panorâmica vista lá do alto era simplesmente fantástica. As paragens eram constantes para apreciar aquela brutal envolvente paisagística.
A descida pela Relva das Aiguinhas às Alagoas foi rápida e adrenalínica.
Virámos então o azimute à Catraia do Rolão e descemos para a Barroca da Risca, continuando à meia encosta com vista para os bonitos Vales do Abronheiro e dos Mosqueiros.
Subimos um pouco ao Cabecinho do Seixo e por um estradão serpenteando numa magnífica curva de nível fomos regalando a vista pela excelente paisagem dos Vales dos Azevinhos e de Gois, até entrarmos na castiça Aldeia do Pessegueiro, situada num profundo vale, numa das encostas da Serra da Lousã.
Ali parámos, junto à sua bonita praia fluvial e onde o Zé Luís brincou, nas cristalinas águas da Ribeira da Serra, numa atarefada manobra para tirar uma foto ao seu "tanganho" " (Scott 29er).
Comemos algo mais sólido no café defronte da praia e saímos da aldeia para pedalarmos durante cerca de 4 kms, num dos trilhos mais bonitos do percurso, o single track do Pessegueiro.
Adrenalílico e algo perigoso, mas fantástico!!!
Seguiu-se uma boa subida ao Pisão e descemos rápidamente à Azenha da Torrasteira, um bonito local, que nos mereceu uma paragem para apreciar o local, outrora de grande cultivo e agora abandonado.
Saímos dali por uma curva de nível ao longo da encosta, sem vestígios de qualquer passagem há já muito tempo, pois o mato já tapava parte do caminho, proporcionando-nos bons momentos de btt.
Chegámos então à Aldeia de Carvoeiro, também ela castiça, mas que apenas cruzámos em direção à Aldeia do Covões, com passagem pela Azenha do Meio e onde chegámos através de um bonito single track.
Da Aldeia de Covões à Pampilhosa da Serra, foi um pedalar quase constante sobre bonitos e entusiasmantes single tracks, alguns de cortar a respiração, que sepenteavam pelas inóspitas encostas do Rio Unhais. Simplesmente soberbo!
A chegada à Pampilhosa foi bonita, com a passagem do rio e onde o Zé mais uma vez se viu à nora para manter a bike quieta, para a fotografia aquática. Um companheiro onde a tristeza não tem lugar. Animação do primeiro ao último km!
Chegámos à viatura, carregámos as bikes e arrumámos o material e fomos ao merecido almoço, no Restaurante Casa Velha, ali bem perto.
Uns jaquinzinhos com arroz de feijão e uma salada, carregaram-me a energia gasta nesta bonita manhã de Btt, mas não afastaram o gozo e o prazer de pedalar e conhecer mais uma bonita parte das serranias pampilhosenses.
O Zé Luís, mais carnívoro, lá se "entendeu" com uma boa pratada de entrecosto grelhado.
Umas boas "bjecas", ajudaram-nos a acamar aquela boa comida, que o "tintol" não era de confiança e a manter-nos hidratados para a próxima aventura.
O regresso a casa foi calmo e descontraído, embalados pelo magnífico som dos "Dire Straits"!

 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC 

1 comentário:

Silvério disse...

Maravilhosas pedaladas por locais brilhantes para a prática do não menos maravilhoso hobby/desporto!
Abraço
Silvério