Avançar para o conteúdo principal

"Rota das Barragens"

Conforme combinado, tive hoje a excelente companhia do Vasco Soares e fomos dar uma das minhas voltas vadias, para outro quintal e "esticar" as rodas das nossas bikes até à Ribeira de Alpreade e espetacular Quinta da Várzea, ziguezagueando por montes e cabeços, ladeando charcas e barragens, inseridas numa bonita envolvente panorâmica.
Saímos da cidade (Rotunda da Racha) pouco depois das 08h e rumámos à Quelha dos Desembargadores, cruzando seguidamente o Alagão para o Curral do Prego, com passagem pela pista de aviação já quase concluída.
Seguiu-se o Monte Brito e Vinha do Marco, para entrarmos nos Escalos de Baixo, onde tomámos a matinal dose de cafeína, no café "O Fontanário".
Mais recompostos e ávidos de um bom par de pedaladas, contornámos a aldeia pela zona das hortas, para alguns kms mais à frente entramos nos Escalos de Cima.
Passámos junto ao cemitério e tomámos o rumo à Lousa, onde voltámos a parar, num café local, para tomar a minha medicação.
Íriamos agora abandonar as zonas habitacionais e embrenharmo-nos no campo em busca de aventura e divertimento.
Passámos pelas Terras da Navancha e descemos aos Muros onde pretendia mostrar ao Vasco a bonita barragem do Vale de Ronções.
Depois da usual fotografia, lá convencemos umas quantas vacas a cerder-nos a passagem, pois queríamos ir para a Quinta das Mandanhas.
Bonito local, com btt feito pelos trilhos do gado vacum, onde deambulámos, passando pelas Bicas em direção às casas do Berrão.
Daqui, descemos à Ribeira de Alpreade e depois de passarmos por uma das barragens da Quinta da Várzea, chegámos ao monumental arraial, outrora cheio de vida e agora dormitório do gado.
Cruzámos a N.233 e seguimos para a Nave Carvalho e subimos à Nesvelha, para descermos seguidamente a S. Simão.
Por ali pedalámos nuns trilhos bem catitas e pelos Lagares, subimos à Tapada dos Gralhais e Penedos de Ferro.
Com a Aldeia da Mata à vista, virámos-lhe as costas e rumámos de novo aos Escalos de Baixo, com passagem pelo Vale da Silveira.
Aqui, entrámos no Café o Lanche, onde saciámos a sede com uma bebida, ou melhor, duas bebidas frescas e eu aproveitei para comer algo mais sólido, pois o calor já apertava e eu não gosto lá muito do homem da marreta e muito menos que me apanhe distraído, por falta de hidratação, ou alimentação.
Saímos da aldeia para a zona da Balorca e pela Fonte Santa, Capa Rota e Garalheira, chegámos à cidade, após 76 kms de bons momentos de Btt, umas quantas horas de divertimento e aventura, numa bela manhã para pedalar e desfrutar deste nosso bonito desporto.
Ao Vasco Soares, um sentido agradecimento pela excelente companhia e fica prometido novas aventuras.
 Quer sejam com a "anorética", quer com a mais "volumosa", mas, como te deves ter apercebido, sem "espinhas" nem "especiarias". Simplesmente pedalar e desfrutar a aventura . . . seja ela pequena, grande, ou assim assim!!!

Fiquem bem.
Vemo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…