Avançar para o conteúdo principal

"Castelo do Rei Wamba"

LENDA DO REI WAMBA
«Wamba, rei visigodo, fundou o Castelo de Ródão, onde vivia com a sua mulher e filhos. A rainha fugiu, certo dia, para os braços de um rei mouro, o que levou Wamba a procurá-la, disfarçado de mendigo.
Ela reconheceu-o, fingiu ser prisioneira do mouro e escondeu o marido no próprio quarto, entregando-o em seguida ao amante.
Pediu Wamba à generosidade do inimigo que lhe concedesse tocar pela última vez a sua corna. Os seus companheiros de armas ouvindo-o, acudiram-lhe. Mataram o rei mouro, e trouxeram a rainha para o Castelo de Ródão.
Por sugestão do filho mais novo, o castigo dela consistiu em ser precipitada pela íngreme encosta para o Tejo. Ao saber do castigo, a rainha proferiu a sua tripla maldição:

Adeus Ródão, adeus Ródão
Cercada de muita murta
E terra de muita . . . . .
Não terás mulheres honradas
Nem cavalos regalados
Nem padres Coroados!»
Diz-se que por onde o corpo rolou nunca mais cresceu mato.»

 
Contada a lenda do Rei Wamba, cabe-me dizer que o nosso passeio de hoje foi até àquela bonita torre - atalaia erguida numa das escarpas sobranceiras ao Rio Tejo, sobre as fantásticas Portas de Rodão.
Do alto dos seus muros, miradouro de visita obrigatória, descortina-se uma excecional panorâmica sobre o vale do tejo.
Pelas 08h00, juntei-me à malta que habitualmente se agrupa junto ao Continente, hoje composta pelo Fernando ( Caraíbas), João Salavessa e Ti João dos Escalos.
Saímos em direção ao IP2 que seguimos até ao Perdigão, com passagem por Sarnadas e Alvaiade.
Aqui entrámos na bonita estradinha panorâmica que segue para Vilas Ruivas e Vila Velha de Rodão.
No alto de Vilas Ruivas, seguimos o acesso à bonita atalaia, onde pudemos constatar a real beleza do local e por ali nos entretivemos um pouco na charla.
Descemos a Vila Velha de Rodão e para manter uma neo - tradição, fomos até à bolaria rodense, tomar a matinal dose de cafeína, que acompanhei com um delicioso pastel de nata.
A manhã estava a ser deliciosa, o companheirismo excelente e uma manhã bastante agradável.
Regressámos então à cidade pela antiga N.18, que veio de novo entroncar na IP2, onde eu e o Fernando parámos nas bombas locais a aguardar um pouco pelo Ti João e pelo Salavessa.
Antes, passou por nós o Agnelo Quelhas, provavelmente num dos seus treinos intensivos para atacar os Lagos de Covadonga. (mal sabe ele o que o espera . . . então aquele mirador de los canónigos, a huesera e o mirador de la reina . . . ui, ui!!! Já verteram muito suor cá ao velhote! Mas todo e qualquer sofrimento, valem bem aquela ascensão)
Chegámos à cidade ainda cedo, com umas dezenas de kms bem "curtidos" e em excelente companhia.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Já hoje tive o prazer e a felicidade de constatar que o Amigo António está de volta e pronto para muitas e boas pedaladas com os Amigos!
Embora lhe tenha transmitido isso mesmo pessoalmente, não podia deixar de o registar neste espaço.
Para mim, é sempre uma grande satisfação ver os amigos ultrapassarem dificuldades pelas que passam, sejam de que natureza forem!
As maiores felicidades e muitas e boas pedaladas!
Abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…