Avançar para o conteúdo principal

"A Maravilhosa Serra da Gardunha"

Adoro a Serra da Gardunha, sobretudo, sem aqueles mamarrachos das antenas . . . a bonita, a colorida e agora vestida de lindíssimas cores outonais.
Também por lá passo, pelas antenas, mas de passagens para outras bandas e para apreciar as lindas paisagens do outro lado, não para somar mais uma conquista e ganhar uma mais estrela por ter "trepado" a um dos pontos mais altos da serra.
Eu também trepo . . . e já trepei muitas serras, algumas que nem sei dizer o nome, mas à minha maneira, para desfrutar e mais tarde recordar com alguma emoção esses bons momentos.
E assim vai continuar a ser até que os ossos dobrem e o coração aguente!
E hoje, foi mais um dia de visita à nossa Serra, a da Gardunha, a primeira que vemos quando de manhã chegamos à janela.
Raramente desperdiço a oportunidade de dar um bom par de pedaladas, sobretudo quando tenho boa companhia, como foi o caso de hoje.
Com o Nuno Maia com uns dias de férias, combinámos trocar a asfáltica por umas poucas dezenas de kms, apenas três, de btt, elegendo a Serra da Gardunha para uma bela e lúdica manhã desportiva.
Saímos da cidade pelas 09h30 e rumámos ao Fundão, onde estacionei a minha "ramona" junto à Pastelaria Arte e Tradição, para tomarmos o cafezinho matinal e o pastelito de nata.
Preparámos as bikes e restante material com a chuva a tentar complicar um pouco o dia, mas foi de pouca dura. Acabou mesmo por amenizar a temperatura, criando uma bela manha para desfrutar os trilhos.
Saímos em direção à Quinta do Convento, que contornámos por um belo par de singles e nas proximidades da Srª.  do Miradouro, seguimos por um estradão que vai subindo à meia encosta com passagem junto à Quinta da Pedra Hera, Azenha Nova, Alcambar, Quinta do Gonçalo e Casal do Fundão.
Contornámos depois a Quinta da Serrana e virámos à esquerda por um fantástico trilho entre encostas de castanheiros, proporcionando bons momentos de pedalada e uma paisagem deslumbrante.
Deixámos esse trilho, seguindo para o Arrebentão e Fornias e, passando pelo Covão e Cabeço do Meio, chegámos ao alto de Alcongosta enfrentado uma dura subida para a Portela e Casa do Guarda.
Ali paramos para descansar um pouco, desfrutar daquela maravilhosa panorâmica sobre a Cova da Beira e comer algo mais sólido, antes de continuarmos a nossa aventura de hoje.
Descemos da Casa do Guarda em direção ao trilho que dá acesso a calçada romana de Alpedrinha, mas seguimos pelo estradão que segue para o VG da Coutada, onde não chegámos, seguindo para a Catraia do Falcão em direção à N18.
Cruzámos a estrada e entrámos num espetacular trilho, maioritariamente em single track, que nos levou até ao Souto do Pombo, entrando depois na bonita Aldeia do Alcaide, onde parámos na Tasca Esteves, um castiço cantinho, já registado na minha sebenta.
Abandonámos a povoação e seguimos para a Ermida da Sra do Souto. Era para subir a S. Macário, mas lembrei-me do single que fizera da última vez, em subida, quase tapado com silvas e mato.
Resolvi assim "arrepiar" caminho e empeno.
Passámos pelo Barro e S. Roque, nos subúrbios das Donas, e depois da passagem sob o IP2 demos início à subida a Alcongosta, com os últimos metros a puxar bem pelo "caparro!"
Já tínhamos ultrapassado as partes mais complicadas do percurso e já com o Fundão à vista, virámos o azimute à Azenha Nova, entrando no Fundão junto à Estalagem da Neve.
Arrumámos a "tralha" e as bikes e fomos até à Casa das Bifanas junto à estação.
Uma bifana com ovo, uma sopa de feijão, couve e alho francês, uma bjeca e o cafezinho final, ditaram o fim desta enriquecedora manhã de btt.
Excelente companhia, belos trilhos, maioritáriamente entre carvalhos e castanheiros, numa bela simbiose de cores outonais e fantásticas paisagens, preencheram esta bela manhã de btt, de poucos kms, apenas 30, mas muita aventura e muita diversão.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…