Avançar para o conteúdo principal

"Peixeirada no Juncal do Campo."

Pois é! Já em modo de preparação para a época festiva que se estende desde o Natal aos Reis, fomos efetuar mais um treino de endurance ao Juncal do Campo, à volta de uma suculenta e espetacular MIGA de PEIXE, feita por quem sabe.
Ah, e já agora, levámos as "gajas", as bikes, claro!
Este treino estava programado em duas fases . . . a fase "descalórica", composta por cerca de 40 kms de bike e a calórica, à volta dum antigo alguidar de barro com pão migado finamente, o molho da cozedura do peixe, com mais uns ingredientes omitidos pelo autor, travessas de peixe frito, belos queijos e pinga do melhor, azeitonas retalhadas da última apanha, enfim, treino só ao alcance de  "esforçados profissionais". Não é fácil manter esta performance durante toda a época . . . mas esta equipa é esforçada e com bastante empenho, vai conseguindo manter a "linha"!
Então vamos lá contar como foi!
A rapaziada "aderente" juntou-se no estacionamento do continente, distribuída em três viaturas e seguiu para o café das bombas do Palvarinho para a matinal dose de cafeína.
Já com a primeira fase concluída, seguiram para o campo de futebol do Juncal do Campo, onde estacionaram as viaturas e, para evitar perder a temperatura corporal, seguiu-se mais uma prova de jeropiga, por acaso, a 2ª. classificada num recente concurso de jeropiga efetuado naquela aldeia.
A malta da terra foi chegando e o grupo foi-se compondo para seguirmos depois para o campo "malhar" uns kms de bike, enquanto o nosso "chef de cozinha" preparava o pitéu para a hora combinada.
Orientados pelo Tomás, abandonámos a aldeia pela Mansama, tomando o rumo à Várzea do Porto do Conde, com passagem pelas Ferrarias e Cavaleiro.
Daqui era para irmos inicialmente até Almaceda, mas, acabámos por ficar pelas Rochas de Baixo, com uma visita ao Café Central para "malhar" uns branquinhos traçados e não perder a dinâmica para a tarde que se avizinhava.
Já de regresso, seguimos ladeando a Ribeira de Almaceda, agora em sentido inverso e fomos até ao Martim Branco, uma bonita aldeia de xisto, ainda a ser recuperada.
Subimos às Carvalheiras e seguimos para o Chão da Vã pela Esteveira de Baixo.
Depois de cruzar a Ribeira do Tripeiro, junto às passadouras, virámos logo o azimute ao Juncal do Campo, onde entramos, pela Zebreira Grande.
Arrumámos as bikes e fomos ao banhinho de água quentinha nos balneários do campo de futebol, seguindo depois para o cantinho reservado no clube local, onde nos aguardava o belo petisco. 
Antes, ainda martelámos mais uns "branquinhos" para manter a máquina oleada e fomos para a mesa onde ficámos perfeitamente "entregradres" (de cerveja, pois então!)
Mesa posta, pessoal do melhor, ambiente acolhedor, vinho que não precisa de DOC's nem outras siglas para nada, servido em garrafões de plástico, à moda do século XXI, ou com o velho "palhinhas" à moda do século XIX, azeitona retalhada da última apanha e queijo de "mau aspeto" e gosto soberbo, animaram a rapaziada e soltaram línguas nas horas seguintes.
Um belo dia entre amigos e com uma tertúlia daquelas que a "gente gosta", começando com umas pedaladas descontraídas em alegre cavaqueira e terminando à mesa degustando um belo manjar, onde a alegria e o divertimento, nos faz esquecer momentaneamente as agruras da vida.
Depois do almoço fomos para o bar, onde a "coisa" continuou animada até que chegou a hora de regressar a casa.
Um grande Bem Haja aos amigos do Juncal do Campo que nos proporcionaram esta bela "tertúlia", criando todas as condições para que pudéssemos desfrutar destes momentos, onde a amizade e o companheirismo saem reforçados . . . Não pelo petisco, ou pelos "copos", em si, mas pela amizade, pela forma singela e desinteressada como sabem receber e partilhar com os amigos.
Não escrevo nomes, porque não sou capaz de me lembrar de todos e todos foram EXCELENTES!
BEM HAJAM.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Anónimo disse…
pois...
e eu de molho todo o fim de semana!!!
convocado para a coisa, mas de vez em quando acontecem para aí umas viroses manhosas a deitarem um gajo abaixo...
já vi que perdi uma bela confraternização, e petisco...
essa malta não falha.
boas festas
Pinto Infante
AC disse…
Amigo Pinto Infante.
Não desanimes, nem fiques triste!
Se tivesses ido, também irias "ficar de molho" durante o resto da semana.
Grande abraço
AC
Fidalgo disse…
Estas coisas e tal... eu que gosto é mesmo de andar de bicicleta, mas e tal...arranjam-me destas coisas e um gajo não pode deixar de cumprir com a sua obrigação. Uma chatice, tive que comer um pão mal amassado com água e um sabor a umas ervas estranhas. Um gajo tem que fazer cada sacrifício para poder dar umas pedaladas por aí. Um aborrecimento, sim porque o que eu gosto é mesmo andar de bicicleta!!! Um abraço e parabéns a todos os que participaram neste belo convívio. Abílio Fidalgo.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …