Avançar para o conteúdo principal

"Mourelo e Tripeiro"

Hoje foi mais um dia de passeata a solo, com a minha "ézinha".
Saí da cidade pelas 08h30 e rumei aos Escalos de Cima, com passagem pelos Escalos de Baixo.
O friozinho parece que voltou e a chuva também parece andar à espreita. A primavera tarda em assentar e proporcionar-nos, pelo menos a nós cicloturistas, alguma continuidade nas temperaturas amenas e dias solarengos.
No alto da Lousa, tomei a N.18-7 em direção à Lardosa, hoje em ritmo mais calmo e descontraído apreciando parte da bonita cordilheira onde se encontra inserida a Serra da Gardunha.
Com uma rápida passagem pela N.18, entre a Rotunda da Lardosa e o cruzamento para o Louriçal, rumei a esta aldeia cruzando um pequeno braço da albufeira da Marateca, hoje com as suas águas um pouco "braviscas" derivado ao vento, que até a mim me incomodava um pouco, mas não impedia de desfrutar de toda a panorâmica que me envolvia, agora favorecida pelas bonitas cores primaveris.
Atravessei o Louriçal do Campo e segui pela estrada panorâmica que segue para S. Vicente da Beira, pelas faldas da encosta sul da Serra da Gardunha.
Em S. Vicente da beira parei na Pastelaria Amoroso para tomar o cafezinho da manhã, mas desta vez abdiquei do bolinho, pois não havia nenhum que me agradasse, optando pelas bolachinhas "low cost" que levava no bolso traseiro do jersey.
Já saciado e morto o vício da cafeína matinal, continuei o meu passeio passando pelo Casal da Fraga em direção aos Pereiros, onde logo a seguir, virei o azimute à castiça e quase abandonada Aldeia de Mourelo.
De estradinha ondulante e curvilínea continuei pedalando até chegar á vista da bonita Aldeia do Tripeiro, parando cá no alto para apreciar aquela bonita paisagem da aldeia cravada naquele pequeno promontório e ladeada pela ribeira a que deu o nome. 
Quando por ali passo, tenho sempre de fazer esta paragem e apreciar aquele belo recanto.
Subi depois ao Sobral do Campo e continuei por Tinalhas, Freixal e Juncal, até ao alto do Salgueiro, onde tomei o azimute à cidade.
Pelas 12h20 tinha já arrumado a minha "ézinha", que comigo partilhou estes gratificantes 91 kms e, pensava já no retemperador banhinho e no almocinho, para repor calorias.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles
AC 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…