Avançar para o conteúdo principal

"Almourol, Bonito e Barroca"

Ontem foi dia de passeio vadio com a minha "santa", na companhia do Sandro Gama e do seu filho André.
Em conversa com o Sandro, este perguntou-se se tinha visto a reportagem na Bikes World sobre os trilhos do Bonito - Barroca.
Pois eu também tinha lido essa reportagem e conheço um pouco da zona, pois já por ali dei umas pedaladas, sendo a última vez na minha ultima peregrinação a Fátima em Btt, com passagem pelos trilhos de Almourol, do Bonito e Barroca, em direção ao PNSAC e Fátima.
Ficou logo agendado uma voltinha por aquelas bandas e eu encarregue de "cozinhar" um track gps baseado nos meus conhecimentos e do que existe partilhado em vários sites genéricos, com início e final em Constância.
Como somos ambos madrugadores e não tememos a "dama de branco", saímos logo cedo, pelas 06h00, em direção à "vila - poema" , assim é conhecida a bonita Vila de Constância.
Estacionamos a viatura no bonito parque rural, junto à foz do rio Zêzere, preparamos as bikes e restante material e fizemo-nos aos trilhos.
Antes, tínhamos tomado o cafezinho matinal na pastelaria do centro comercial e comido um belo pastel de nata em formato XL, ficando assim bem mais compostinhos.
Subimos à velha ponte e umas centenas de metros depois, estávamos a entrar na primeira de muitas (dezenas) de veredas que preencheram esta bonita manhã de btt, o trilho Luis de Camões.
A manhã acordou bem nublada e muito ventosa, mas acabou por não nos afetar, pois andamos sempre recatados entre a vegetação dos trilhos.
Sempre à beira Tejo, chegamos a Almourol depois da passagem pela Praia do Ribatejo.
A imponência daquele altaneiro castelo, com características de fortificação templária, não deixa ninguém indiferente, quer pela sua beleza, quer pela sua localização, numa pequena ilha do rio Tejo.
Esperançados de que o snack bar ali existente estivesse aberto, ficamos um pouco desiludidos pois perdemos a oportunidade de "hidratar" um pouco com uma bebida, enquanto apreciaríamos calmamente a beleza do local sentados na sua estratégica esplanada.
Sempre à beira rio seguimos depois o curvilínio carreirinho denominado trilho de Almourol em direção a Tancos e Vila Nova da Barquinha, onde entramos pelo seu belo e bem arranjadinho parque ribeirinho.
Saímos daquela vila em direção ao parque do Bonito, pela Encosta da Lameira e divertimo-nos à brava pelo vasto labirinto de carreirinhos, veredas, sendas e sendeiros. Emoção e adrenalina a rodos, por vezes a puxar para o "kit de unhas" de cada um de nós.
E assim andamos entretidos, nesta primeira parte, pelo Vale das Éguas, ladeando e cruzando a Ribeira de Tancos, Vale Boeiro, casal do Vale Seixo, com algumas passagens catitas pela Ribeira da Ponte da Pedra, Mouchões, Vascalhouro, Vale da Prata, Chão dos Piscos, Alto da Maçaroca, Lagar Novo e Vale do Junco, antes de entramos no Parque Verde do Bonito, onde ladeamos a sua albufeira artificial.
Seguimos depois para os trilhos da Barroca, também eles não menos fantásticos e inseridos numa zona bastante verdejante com trilhos de cortar a respiração, entre vegetação alta, onde predominava o medronheiro, pinheiras e carvalhos.

Em toda a zona do Bonito - Barroca, a espetacularidade dos seus trilhos foi uma constante. Quase todos eles com nome próprio, tais como Raposa, Abrigo dos Javalis, Epal, Pisco, Tótós (este é conveniente não ser mesmo tótó), , Suvadouro, Bagas & Bugalhos, 4 Estradas, Pimenta, Machadinha, etc.
Todos estes fenomenais trilhos tiveram a nossa visita e viram-nos passar "babados e de cara alegre", tal a emoção e adrenalina que transpirávamos km a km.
Do Bonito, fomos serpentear pela Ferrolhoa e Vale da Rosa, tomando depois o rumo ao Casal dos Pintainhos, já em direção a Constância.
Descemos a Lagar do Rio e subimos à entrada da ponte de Constância, que cruzamos, descendo de novo ao parque rural, onde tinhamos a viatura.
Depois das bikes arrumadas e já despojados da "licra" fomos até ao restaurante "Trinca - Fortes", já meu conhecido de há muitos anos e comemos umas belas bifanas acompanhadas dum belo par de bjecas.
Estava finalizado mais um fantástico dia de pedaladas vadias por uma das mais belas e adrenalínicas zonas para a prática do Btt, um autêntico jardim de veredas e carreirinhos, num labirintico entrançado, recheado de belas pontes, que cruzam as diversas ribeiras e regatos da região. Algumas, são autênticas obras de arte, que nos transportam para outros tempos e outras eras. Simplesmente fabuloso.
Este passeio vadio já passou à história e fico agora ansioso pelo dia 3 de Abril, para uma outra volta vadia, esta bem mais musculada e com a minha ´"ezinha", que ficou com uma lágrima no canto do olho, quando ontem se viu preterida pela "santa". Mas elas sabem que as "adoro" de igual forma e que as vou satisfazendo, da forma que elas gostam . . . lúdica e algo aventureira!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…