Avançar para o conteúdo principal

Uma visita a Castelo Novo"

Ontem, apesar de ainda um pouco combalido da empenadela na Sertã, fui dar umas pedaladas descontraídas com a minha "ézinha" na companhia do Jorge Palma.
Abandonamos a cidade já depois das 08h00 e rumámos à Povoa de Rio de Moinhos via Caféde.
Paramos no Café Flor do Outeiro para a matinal dose de cafeína, pastelzinho de nata e dois dedos de conversa, bem amena e sem stress.
Tomamos depois o rumo à barragem de Santa Águeda, sempre bela e luzidia até que chegammos á rotunda de entrada na Lardosa.
Depois de umas centenas de metros na N.18, fletimos à esquerda e como nova passagem junto à barragem, agora na estrada que segue para S. Fiel, viramos agora à direita para uma estradinha entre quintarolas que nos levou até à Soalheira.
Desta vez não cruzamos a povoação no sentido habitual, mas sim em direção à rotunda sul, onde cruzamos a A23 pela passagem superior seguindo para o apeadeiro.
Aqui cruzamos a linha férrea e envoltos numa explendorosa paisagem com a Serra da gardunha como pano de fundo, fomos até à Atalaia do Campo.
Aqui encontramos o Pinto Infante numa das suas calmas pedaladas e a quem acompanhámos até à Póvoa da Atalaia, despedindo-nos daquele companheiro já na N.18.
Nós continuamos pela bonita e estreita estradinha panorâmica que sobe a Castelo Novo pelo Escaldado e Borracheiro.
Seguimos a estrada até ao seu término, na Fábrica de Águas do Alardo, depois de uma boa subida, que termina num bonito miradouro, onde se pode admirar a bonita aldeia histórica, parte da Gardunha e uma vasta planície, a perder de vista.
Cruzamos depois toda a aldeia pelas suas ruas que revelam antigos solares, paredes meias com casas populares em pedra, pequenas varandas de madeira e restos de calçada romana. 
Paramos no adro da igreja matriz, com vista privilegiada para a Torre de menagem do antigo castelo, transformada em torre sineira e à passagem pelo pelourinho manuelino, paramos no belo fontanário para abastecer de água. Uma bonita aldeia histórica situada na encosta oriental da serra da Gardunha, a cerca de 650 metros de altitude, que se destaca-se pelo seu harmonioso traçado concêntrico e pelo bom estado da estrutura urbana. Vale bem a pena uma visita, aproveitando um dos seus bem orientados Pr's que dão a conhecer a aldeia e área circundante, com informação priveligiada. A família seguramente que agradece!
Deixamos a aldeia em boa velocidade, aproveitando o sentido descendente até entrarmos de novo na N.18, que seguimos até à rotunda da Lardosa, que contornamos para entrar na aldeia, parando no Café Maurício para tomar uma bebida fresca, pois a primavera está aí, com as suas temperaturas amenas.
A hora do almoço ia-se aproximando e rumamos à cidade com passagem pelos Escalos de Cima.
Uma bela manhã primaveril na companhia do Jorge, com umas pedaladas descontraídas cá pelas bonitas estradinhas do nosso condado e traduzidas em 83 agradáveis kms, bem soleados e já a solicitar calçãozinho e manga curta.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…