quinta-feira, 26 de março de 2015

"Medelim"

Hoje fui passear a minha "ézinha".
Saí da cidade pelas 08h00 e rumei a S. Miguel D'Acha, com passagem pelos Escalos de Cima e S. Gens.
A paragem habitual no Café da Dª. Maria ficou adiado para outra oportunidade, pois hoje queria inovar.
Segui agora rumo à Bemposta, onde parei para a matinal dose de cafeína no Café Lareira. Já há bastante tempo que por ali não fazia uma paragem para o cafézinho e dois dedos de conversa, com a simpatica senhora do café.
Já com os níveis de cafeína repostos, segui para Medelim, a bonita aldeia dos balcões, como é conhecida, em virtude das inúmeras casas de balcão que conserva na sua malha urbana. Terra de bons canteiros, e serralheiros, a eles se deve muita da qualidade dos trabalhos em pedra e ferro que encontramos por toda a aldeia e nos arredores, como as belíssimas varandas da Casa Marrocos em Idanha-a-Velha.
Parei na fonte situada mesmo defronte da Igreja de Nossa Senhora do Calvário para comer umas bolachinhas que levava no bolso traseiro do jersey, enquanto observava a beleza daquele recanto.
Continuei em direção a Proença Velha, uma das mais antigas povoações de Portugal. "Há notícia da sua existência desde os alvores da nacionalidade, quando o rei Afonso Henriques desenvolvia a sua política de recuperação e povoamento indispensáveis à identidade geográfica do seu reino."
Sem parar, tomei o azimute a Idanha Nova e desci à Sra da Graça, onde verifiquei que a sua bonita capela se encontra em obras de restauro.
Já sem qualquer plano de paragem, fui em direção ao Ladoeiro, subi a Monheca e acabei mesmo por parar na fonte dos Escalos de Baixo para beber água.
Até Castelo Branco foi um instante e, pelas 12h15 estava em casa, com 100 kms pedalados e prontinho para o banhinho quente e um almocinho retemperador, em jeito de preparação, para calmamente assistir através da eurosport, à subida a La Molina, a etapa de hoje da Volta à Catalunha e que algumas recordações me traz, pois também eu já a subi, com a minha "viajante" carregada com alforges, em 2012. Uma bela e efêmera recordação!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Sem comentários: