Avançar para o conteúdo principal

" Casa Florestal de Alcongosta e cerejeiras em flôr"

Hoje, apesar do dia acinzentado e ventoso, resolvi levar a minha "ézinha" até à Serra da Gardunha a ver as cerejeiras em flôr e subir à casa florestal de Alcongosta e dali desfrutar a espetacular panorâmica sobre a Cova da Beira. Brutal!
Levantei-me cedo e pelas 07h30 já pedalava em direção à N.18 que me levaria até quase ao Fundão, com passagem pelas rotundas de Alcains e Lardosa e por Alpedrinha.
Subi a serra e dois terços depois da descida ao Fundão, fleti à esquerda e segui para Alcongosta, pedalando por uma bonita estrada panorâmica com vistas fantásticas.
A entrada na aldeia foi bonita e um pouco agressiva com o seu empedrado irregular e boa pendente, logo nos primeiros metros de calçada.
Cruzei a aldeia, sempre em sentido ascendente e ruelas empedradas até chegar à estrada florestal que segue para a casa da guarda, no parque de merendas.
Uma bonita estrada rodeada de verdejantes e floridos campos de cerejeiras, castanheiros e pinheiros.
Já no alto, a paisagem torna-se única com uma panorâmica  sobre a Cova da Beira, a perder de vista, criando paisagens fantásticas.
Por ali me entretive algum tempo apreciando aquela beleza ímpar, comungando com a natureza, agora manchada com o que chamo o "mamarracho" das tendas esquisitas "plantadas" no terreiro que ladeia a casa do guarda. "Por onde andam os "aguerridos" defensores da natureza??? Aquilo até os coitados passarinhos assusta!!
Já saciado de tamanha beleza, desci de novo a Alcongosta e tomei o rumo ao Souto da Casa, entre belos pomares de cerejeiras, a maioria já em fim de ciclo de caída da folha e até já com fruto.
Passei o Souto da Casa e segui para o Vale Palaio, onde virei à esquerda para o Vale de Urso, com passagem pelo Vale Mendinho.
Sentei-me na afamada fonte à beira da estrada, que já deu de beber a umas largas dezenas de ciclistas e calmamente bebi uns goles daquela boa e pura água serrana enquanto degustava umas bolachas que transportava no bolso do jersey.
Satisfeito e com o bidon cheio daquela fresquíssima água continuei a suave subida ao alto da Paradanta, seguindo para o Casal da Fraga e mais à frente S. Vicente da Beira, onde parei na pastelaria local para o cafézinho matinal e pastelzinho de nata, hoje com atraso, relativamente ao horário habitual.
Pedalar pela N.352 em direção a Tinalhas é sempre uma jornada prazenteira, e hoje, apesar do vento frontal, não o foi menos.
Em Tinalhas optei por seguir para o Freixial e no Juncal, virei à esquerda, para o estrada panorâmica que segue para a Quinta de Valverde, vindo a entroncar na M.551 junto à ponte sobre o Rio Ocreza.
Até Castelo Branco foi um instante e pelas 12h30 estava em casa, depois de 105 kms pedalados calmamente por algumas das belas estradinhas cá do nosso condado, rasgando locais verdejantes abençoados pela natureza.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Mototurismo por "tierras de nuestros hermanos""

"A imaginação é a primeira fonte da felicidade humana"
(Giacomo Leopardi)
Hoje fui fazer um passeio de mototurismo com a agradável companhia do João e da Marta, que vieram do Fundão aos comandos duma bonita e bem cativante Benelli  TRK502.
O ponto de encontro foi nas bombas da Repsol do Lanço Grande, onde atestamos as máquinas e ingerimos a primeira dose matinal de cafeína.
Cerca das 07h30 fizemo-nos à estrada, por Ladoeiro e Zebreira, entrando em Espanha pela pequena fonteira que cruza o Rio Erges junto a Salvaterra do Extremo.
Depois duma pequena paragem para tirar uma foto ao Castillo de Peñafiel, que se ergue altaneiro no cimo de um monte formado por negra e musgosa penedia de abruptos rochedos inacessíveis.
Entramos em Espanha e, à entrada de Zarza la Mayor, viramos à esquerda ao encontro da Ex-A1, em Moraleja, que seguimos até à cidade de Plasencia.
Pelo panorâmico Vale de Jerte fomos até Valdastillas e subimos ao Piornal, pela Sierra de Tormantos, com uma paragem na C…