Avançar para o conteúdo principal

"Um passeio à antiga capital da Egitânia"

Hoje fui passear a minha "ézinha" até Idanha a Velha, antiga capital da Egitânia  e testemunha de uma história muito antiga, súmula de prestígio e reveses.
Saí como habitual pelas 08h00 e rumei a S. Miguel D'Acha, com passagem por Escalos de Cima e S. Gens.
A chuva e o alerta amarelo da meteorologia, pareciam não fazer qualquer sentido, pois o céu apesar de algo nublado, na primeira metade da manhã, não me pareciam dar indícios de chuva, e como tal, nem me precavi para tal fato.
O vento, esse sim, soprava com alguma intensidade e foi sempre um forte adversário, em práticamente todo o percurso.
Apenas a partir de Ladoeiro se rendeu e me beneficiou na ascensão aos Escalos de Baixo e chegada à cidade.
Não fiz a minha habitual paragem para cumprimentar a D. maria e beber o cafézinho matinal e segui para Proença a Velha, outra aldeia rica em história.
"Com uma vida que ronda seguramente os mil anos, Proença-a-Velha é uma das mais antigas povoações de Portugal. Temos notícia da sua existência desde os alvores da nacionalidade, quando o rei Afonso Henriques desenvolvia a sua política de recuperação e povoamento indispensáveis à identidade geográfica do seu reino. (...)( Profª Doutora Manuela Mendonça - Edições Colibri )
 Depois de cruzar as irregulares ruas da aldeia, segui para Medelim, outra histórica aldeia beirã, que guarda no seu interior segredos que são fruto de uma história antiga que remonta ao tempo dos romanos. 
 É conhecida como "aldeia dos balcões", em virtude das inúmeras casas de balcão que conserva na sua malha urbana. Terra de bons canteiros, e serralheiros, a eles se deve muita da qualidade dos trabalhos em pedra e ferro que encontramos por toda a aldeia e nos arredores.
Aqui parei no Café da Beira, a seguir às bombas, para a matinal dose de cafeína.
Virei seguidamente à direita e fui até Idanha a Velha, o meu objetivo de hoje.
Visitar a aldeia histórica de Idanha-a-Velha (antiga Egitânia) é conhecer um passado histórico testemunhado pelos seus monumentos que a tornaram num museu ao vivo. Do muito que há para ver e do imenso património existente destaca-se a Sé Catedral e o amplo conjunto epigráfico dos mais importantes relativo ao período de permanência dos romanos em terras lusitanas, povo que deixou o seu legado bem presente, com influência direta na então capital Egitânea.
Depois de uma visita mais demorada, abandonei esta bonita aldeia histórica e segui em direção a Alcafozes, não entrando na povoação, ficará para outra altura e rumei a S Gens, onde virei à esquerda em direção ao Ladoeiro, povoação detentora de alguns vestígios Romanos e que, segundo José Hormigo, até 1505 se chamava Esporão. Foi rebatizada por Ladoeiro devido aos inúmeros charcos e lodeiros que abundavam na região. 
Depois de passar a aldeia, consegui finalmente um pouco do favorecimento do vento que toda a manhã se fez sentir e a subida da Monheca, hoje até pareceu mais fácil.
Depois de cruzar os Escalos de Baixo, a última aldeia do meu passeio asfáltico de hoje, foi um instantinho enquanto cheguei à cidade.
Eram 12h10, o meu aparelhómetro marcava 101 kms e eu estava satisfeito por não ter ficado na cama e ter ido mais uma vez passear a "ézinha", a minha fiel companheira de pedalada asfáltica.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…