Avançar para o conteúdo principal

"Transpirenaica # Argelés-Sur-Mer > Mont Louis"

DIA 03 Set.
1ª. Etapa
Argelés-Sur-Mer - Mont Louis.
Após 1400 de carro, cheguei finalmente a Argelés-Sur-Mer.
Tinha previsto fazer a viagem em dois dias, 1 e 2, mas com a preciosa ajuda da minha filha Ana Rita que me foi revezando ao volante, decidimos concretizar a viagem num só dia, chegando ao destino, o pacato Hotel Astória.
depois do check in arrumámos a tralha no quarto e fomos em busca de alimento, e sorte a minha, a menos de cem metros do hotel descubro a Pizzeria Kemia, onde atestei durante dois dia os depósitos energéticos com spaghetti e tagliatteli à bolognaise.
No dia 3, finalmente a primeira etapa com destino a Mont Louis, que iniciei pelas 09h20, após um belíssimo pequeno almoço de buffet ainda no hotel.
O tempo estava inicialmente agradável, vindo a piorar ao longo do dia com um aumento brusco da temperatura que me dificultou bastante a segunda parte do percurso e a mais complicada.
Foi uma etapa em que os primeiros 90 kms não apresentaram grande dificuldade, apesar de algumas passagens de montanha, mas curtas e com inclinação suave, havendo apenas a destacar o Col de Xatard e o Col de Fourtou.
A nível paisagístico, a beleza é constante, ou não estivesse nos Pirinéus, mas ainda um pouco afastado das altas montanhas, porém gostei bastante de pedalar por algumas estradinhas panorâmicas e bastante curvilíneas, quase sempre acompanhadas por rios que ladeavam a estrada, ou vice versa.
Na Subida ao Col du Xatard e após ter passado alguns companheiros do pedal, encontrei um outro companheiro que ía de btt, na pequena aldeia de Taulis e com quem meti conversa.
Chamava-se Alex e acompanhou-me durante cerca de meia dúzia de kms, até que nos despedimos lá no alto, com um au revoir e bonne journèe.
Após a descida em estrada estreitinha e com mau piso, onde até tinha dificuldade em me cruzar com as autocaravanas, cheguei a Bouleternére, onde entrei na N116, que me levou a Mont Louis.
Já com melhor piso e em estrada mais larga, lá fui galgando kms sempre em constante sobe e desce, apesar de não ser muito pronunciado, até que à passagem pela bonita Cidadela de Villefranche de Conflent, dei início a longa e penosa subida de cerca de 30 kms até à também Cidadela de Mont Louis, ambas muralhadas e bem preservadas no seu estilo medieval e ambas consideradas património Mundial pela UNESCO.
Foi uma dolorosa subida que nunca mais acabava e num quase constante serpentear, com pendentes entre os 4% e os 7% e com os últimos 300 metros a 10%.
Foi um alívio quando avistei a porta de entrada para o interior da cidadela e depressa cheguei ao Hotel Clos Cerdain, bastante cansado e um pouco desidratado derivado à alta temperatura que se fez sentir e que me fez mossa durante a interminável subida, com 134 kms pedalados por bonitas estradas e explendorosas paisagens.
Mas a primeira etapa foi concluída com êxito e após um bom banho e um merecido descanso, estarei certamente preparado para a segunda etapa, que me levará a Tarascon-Sur-Ariége, já à entrada da verdadeira montanha.
Aproveitei o facto de haver Net no Hotel em Montory, onde estou alojado, no final da 5ª. Etapa para avançar um pouco com o relato desta aventura.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos,
ou quem sabe, no asfalto.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…