Avançar para o conteúdo principal

"Transpirenaica # Argelés-Sur-Mer > Mont Louis"

DIA 03 Set.
1ª. Etapa
Argelés-Sur-Mer - Mont Louis.
Após 1400 de carro, cheguei finalmente a Argelés-Sur-Mer.
Tinha previsto fazer a viagem em dois dias, 1 e 2, mas com a preciosa ajuda da minha filha Ana Rita que me foi revezando ao volante, decidimos concretizar a viagem num só dia, chegando ao destino, o pacato Hotel Astória.
depois do check in arrumámos a tralha no quarto e fomos em busca de alimento, e sorte a minha, a menos de cem metros do hotel descubro a Pizzeria Kemia, onde atestei durante dois dia os depósitos energéticos com spaghetti e tagliatteli à bolognaise.
No dia 3, finalmente a primeira etapa com destino a Mont Louis, que iniciei pelas 09h20, após um belíssimo pequeno almoço de buffet ainda no hotel.
O tempo estava inicialmente agradável, vindo a piorar ao longo do dia com um aumento brusco da temperatura que me dificultou bastante a segunda parte do percurso e a mais complicada.
Foi uma etapa em que os primeiros 90 kms não apresentaram grande dificuldade, apesar de algumas passagens de montanha, mas curtas e com inclinação suave, havendo apenas a destacar o Col de Xatard e o Col de Fourtou.
A nível paisagístico, a beleza é constante, ou não estivesse nos Pirinéus, mas ainda um pouco afastado das altas montanhas, porém gostei bastante de pedalar por algumas estradinhas panorâmicas e bastante curvilíneas, quase sempre acompanhadas por rios que ladeavam a estrada, ou vice versa.
Na Subida ao Col du Xatard e após ter passado alguns companheiros do pedal, encontrei um outro companheiro que ía de btt, na pequena aldeia de Taulis e com quem meti conversa.
Chamava-se Alex e acompanhou-me durante cerca de meia dúzia de kms, até que nos despedimos lá no alto, com um au revoir e bonne journèe.
Após a descida em estrada estreitinha e com mau piso, onde até tinha dificuldade em me cruzar com as autocaravanas, cheguei a Bouleternére, onde entrei na N116, que me levou a Mont Louis.
Já com melhor piso e em estrada mais larga, lá fui galgando kms sempre em constante sobe e desce, apesar de não ser muito pronunciado, até que à passagem pela bonita Cidadela de Villefranche de Conflent, dei início a longa e penosa subida de cerca de 30 kms até à também Cidadela de Mont Louis, ambas muralhadas e bem preservadas no seu estilo medieval e ambas consideradas património Mundial pela UNESCO.
Foi uma dolorosa subida que nunca mais acabava e num quase constante serpentear, com pendentes entre os 4% e os 7% e com os últimos 300 metros a 10%.
Foi um alívio quando avistei a porta de entrada para o interior da cidadela e depressa cheguei ao Hotel Clos Cerdain, bastante cansado e um pouco desidratado derivado à alta temperatura que se fez sentir e que me fez mossa durante a interminável subida, com 134 kms pedalados por bonitas estradas e explendorosas paisagens.
Mas a primeira etapa foi concluída com êxito e após um bom banho e um merecido descanso, estarei certamente preparado para a segunda etapa, que me levará a Tarascon-Sur-Ariége, já à entrada da verdadeira montanha.
Aproveitei o facto de haver Net no Hotel em Montory, onde estou alojado, no final da 5ª. Etapa para avançar um pouco com o relato desta aventura.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos,
ou quem sabe, no asfalto.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…