Avançar para o conteúdo principal

Transpirenaica # Luz St Sauveur - Montory"

Dia 07Set
5. ETAPA
LUZ ST SAUVEUR - MONTORY

Após a duríssima etapa de ontem, com 5 passagens de montanha, sendo duas de 1ª. categoria e uma de categoria especial, em termos ciclísticos, mas em termos cicloturísticos, são autênticos colossos.
Após o términus da 4. Etapa, tive que adoptar tratamento de choque, para conseguir recuperar os músculos para a também bastante dura etapa de hoje, com a terapia do gelo sobre os músculos e uma auto massagem com gel recuperante.
O jantar foi à base de esparguete, pois as minhas filhas, logo que cheguei saíram em trabalho de pesquisa pela vila, em busca de uma pizzeria.
Pela manhã e após o pequeno almoço, tomado no hotel, preparei a bike, como habitual, carreguei os bolsos do Jersey com comida, telemóvel, máquina fotográfica, elementos de identificação e seguro e fiz-me à estrada.
Desta vez tive 15 kms para rodar e fazer o aquecimento até Argelés-Gazost, cidade onde começa a subida ao Col D’Aubisque, com passagem pelo Col du Soulor.
Esta zona já é para mim sobejamente conhecida, pois ultimamente tenho por aqui passado umas fériazitas.
Já conhecia a subida do ano passado, e como tal, já sabia onde doía mais.
Mas as coisas são tão diferentes . . . o ano passado subi ao Col D’Aubisque com partida de Argelés-Gazost, completamente descansadinho, mas este ano, já trazia quatro etapas de montanha nas pernas, cerca de 500 kms e o corpinho todo dorido.


E dei início à subida, como sempre faço, com moderação e andamento certinho.
E lá fui subindo, km a km, com as pernas a doerem-me um pouco, mas cumprindo a minha vontade, ultrapassar mais esta dura montanha e a última desta classe.

O suor corria em bica causando desconforto, mas não ía desistir e pelo contrário, começava a sentir-me bem, apesar de sentir as pernas cansadas, mas correspondiam ao meu desejo.

Para me compensar do esforço, as brutais paisagens que podia observar lentamente em toda a subida, nesta zona, que para mim é uma das nais bonitas de toda esta aventura.

A passagem pelo incrível Vale de Azun, as espectaculares paisagens, com os incríveis vales a perder de vista do Alto do Soulor e o incrível Cirque du Litor no Aubisque, não podem deixar ninguém indiferente.

Quem não está habituado a ver este tipo de paisagem, fica simplesmente deslumbrado, e eu fui uma dessas pessoas quando por ali passei pela primeira vez e desde então, quase que faço peregrinação todos os anos.

É indiscritível e eu não tenho capacidade para transmitir toda aquela beleza e imensa grandeza por palavras!!!

Quando cheguei ao Col do Soulor, com 18 kms de subida, parei para comer algo mais sólido e hidratar-me com bebida fresca.
Logo ali arranjei um amigo, um jumento que insistiu em ajudar-me a comer a merenda e beber uma bebidinha reidratante.
Foi num momento hilariante e que me fez esquecer o que sofri para ali chegar.
Pouco tempo depois e após uma breve descida, mais 8 kms até ao Col D’Aubisque, que fiz descansadamente apreciando a paisagem, pois quem por ali passa com pressa e sem olhar em seu redor, não merece por ali passar.
Já no alto do Aubisque, mais uma pequena paragem para a foto e para vestir o corta vento para a longa descida até Laruns, eis que logo ali arranjo outro amigo, desta vez um valente garrano que queria lamber o salitre que me assomava na roupa. . . e esta, heim!!!
Lá fiz umas festinhas ao animal que não me largava e tive que me ir embora antes que me começasse a lamber.

A descida foi adrenalínica e vertiginosa, para mim claro, pois descer a 60/70 kms/h é agora o meu limite e já me dou por satisfeito e mesmo assim, de vez em quando apanho um calafrio.

Sei que a maioria do pessoal daria certamente mais velocidade, mas cada um rege a orquesta com a sua batuta.

Em Laruns tive uma prenda envenenada, pois a estrada era bastante plana e com muito bom piso, mas levantou-se vento algo forte, e sempre de frente, dificultando-me a chegada a Arudy, onde mudei de direcção e alguns kms depois entrei numa estradinha panorâmica que sulcava uma floresta profunda, com árvores de enorme porte e vegetação cerrada, onde o sol era apenas uma miragem com um ou outro raio que atingia a estrada. Fenomenal!!!

À passagem por Lurbe St Christhau, a paisagem começou a mudar e a montanha começou a ter um nível inferior em termos de altitude, mas não em beleza.

A estrada melhorou bastante e apesar de ser sempre em constante sobe e desce pedalava com à vontade e depressa cheguei ao Auberge de L’Etable em Montory, onde fiquei alojado, após 121 kms de indescritíveis pedaladas por zonas de rara beleza.

Amanhã terminarei a minha aventura no que toca a dar ao pedal, com a chegada a S. Jean de Luz, regressando no dia seguinte a Castelo Branco.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou quem sabe,
no asfalto.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …