Avançar para o conteúdo principal

"Penhascoso > Barragem do Castelo do Bode (Paredão)"

Hoje, na companhia do amigo Pedro Barroca, fui efectuar o reconhecimento de parte do percurso, que este ano percorrerei para ligar Castelo Branco a Fátima em Btt.
Foi a 3ª. Secção deste bonito pecurso, que retomei em Penhascoso e terminei no paredão da Barragem do Castelo do Bode.
Um dia bastante trabalhoso, pois eu e o Pedro tivemos que rectificar por diversas vezes o trajecto inicial, derivado a caminhos já pouco cicláveis e outros que simplesmente desapareceram.
Fui buscar o Pedro pelas 07h30. Carregadas as bikes, rumámos ao Penhascoso, onde deixámos a carrinha e iniciámos as pedaladas.
Logo para começar, o pneu da frente da minha bike, não queria vedar. Montei-lhe uma câmara de ar e problema resolvido.
Após rolar umas dezenas de metros, uma grande barulheira no disco da roda traseira. Estava a começar bem!!!
Tirei a roda e verifiquei que a mola que segura as pastilhas, tinha sido torcida pelo disco, por estas já se encontrarem com dois terços de desgaste.
Mas como sou um "rapazinho" precavido, lá rebusquei no camelbag e encontrei num par de pastilhas e respectiva mola. Uns minutos e uma ligeira dose de paciência e resolveram o "embróglio"
Iniciámos então o reconhecimento dos trilhos.
Após cerca de três kms, o trilho, que seria uma vereda, simplesmente desapareceu após um aterro junto a umas hortas.
Arranjámos alternativa para ultrapassar a zona das hortas, mas, quando chegámos ao outro lado, o trilho que nos levaria até às proximidades da aldeia da Queixoperra, tinha sido lavrado na sua quase totalidade, pelo que optei por abandoná-lo e fazer aquela secção por alcatrão.
Depois da Queixoperra, entrámos então nos trilhos, bastante bonitos, até ao Porto de Macão, onde a Barragem da Lapa nos surpreendeu pela sua beleza.
Passámos Entrevinhas e chegámos ao Sardoal, onde pretendo terminar a primeira etapa.
Continuámos até ao Carvalhal, agora em alcatrão, pois por trilhos, são paredes atrás de paredes e, até com a dita às costas, é dificil transpô-las.
Seguiram-se então uma série de trilhos de imensa beleza na zona da Brunheta, sendo o ponto alto do dia, o majestoso single track a ladear a Ribeira da Brunheta, entre exuberante vegetação, que nos fez disparar a adrenalina, pois requer a máxima atenção, apesar de não ser muito técnico. Uma caída à ribeira, não seria lá muito agradável!!!
Subimos à Carreira do Mato, onde parámos no Snack Bar do Zé, para atacarmos à dentada um par de sandes mistas e um trio de imperiais negrinhas, que nos fizeram sentir um torpor pela espinha dorsal. Tivemos que abandonar o local com alguma dificuldade, pois já só apetecia ficar ali todo o dia a "mamar naquela pipeta".
Seguiu-se uma inclinada descida, por sorte alcatroada recentemente, onde a velocidade aumentou substancialmente, seguindo-se uma também inclinada subida à Aldeia do Mato, onde pela primeira vez tivemos contacto visual com um dos recantos da albufeira do Castelo do Bode.
Passámos a Praia Fluvial, lindíssima e, sempre em subida, passámos os lugarejos de Vale dos Chãos e Outeiro, para finalmente chegarmos a Martinchel, já com a panorâmica sobre a albufeira da Barragem a ocupar quase todo o nosso campo visual.
Descemos pelo Parque de Campismo e terminámos sobre o paredão da Barragem a nossa aventura de hoje, no tocante a trilhos.
Faltava ainda o regresso ao Penhascoso, onde tinhamos deixado a viatura estacionada.
Sempre por asfalto e num constante sobe e desce, lá chegámos junto à carrinha.
Rápidamente carregámos as bikes, que já nos tinham dado uma "bela esfrega" e fomos até ao Café/Restaurante onde no início tinhamos tomado a dose de cafeína e tragámos uma dilatada sandes de carne assada, acompanhada de novo trio de negras bjecas, que rápidamente nos repuseram as calorias gastas nesta bonita aventura.
Rumámos à A23 e cerca de uma hora depois já estávamos na Carapalha no café defronte da residência do Pedro, de novo a repor os níveis de hidratação com um par de imperiais, desta vez branquinhas para variar.
Foi um dia em cheio, com a sempre agradável companhia do Pedro Barroca, que culminou com 78 kms a pedalar por trilhos e paisagens excelentes, que certamente irão enriquecer a peregrinação a Fátima deste ano, uma das minhas obstinações anuais.
Aos amigos que me queiram acompanhar, devem entrar em contacto comigo nos próximos dias, pois o alojamento no Sardoal baseia-se numa única residencial, que, apesar de já ter reservado todos os seus quartos, estes são apenas quatro, suportando no máximo doze pessoas.
A partir daqui, ficará à responsabilidade de cada um!!!
Informo ainda que este ano o percurso é, no meu entender, muito superior ao do ano transacto, quer em termos de trilhos, quer em termos paisagísticos, mas agravado por um acumulado também ele bastante superior, pelo que, uma boa condição física é aconselhável.
A leitura mensal da Bike Magazine e umas boas classificações nos passeios cá da zona, podem ser insuficientes para levar a "bom porto" esta peregrinação. eh eh eh!!! (avisei . . . missão cumprida!!!)
.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…