Avançar para o conteúdo principal

"18ª. Edição Serra Acima - 2º. dia > Castelo Branco - Torre (Serra da Estrela)"

Dando continuidade à 18ª. Edição do Serra Acima, este ano tranformada em Desafio Audace, lá fui cumprir o 2º. dia, com a ligação de Castelo Branco à Torre, num total de 103 kms.
Desta vez tive logo à partida a companhia do Silvério, amigo e companheiro de "cavalgadas", curtas e longas, que apenas fazia esta ligação.
Apresentámo-nos à partida e a horas, como manda a regra.
Pude constatar que a maioria da malta presente, não tinha feito o dia anterior, pelo que previ logo que hoje o andamento do pelotão não me interessava. Ontem tinha sido o meu dia, onde tinha dado "o litro", hoje essa tarefa seria de outros. Eu iria numa boa e fazia questão de acompanhar o meu amigo Silvério até ao alto da Torre.
à partida ainda encontrei o Leandro o António e o Marco, que ainda nos acompanharam durante algum tempo.
Sempre em andamento calmo e descontraído, fomos pedalando e conversando, aproveitando para por em ordem a logística para a nossa aventura da próxima semana, o "Pirinéus Épic Trail", não descurando o cafézinho matinal, parando no Café da Dona Maria em S. Miguel D'Acha, onde estivémos um pouco à conversa.
Durante o percurso, fomos encontrando vários companheiros, em solitário, com quem conversámos e acompanhámos durante vários periodos.
Tornámos a parar, já perto do cruzamento para as Termas da Touca, para prestar ajuda a um companheiro que se via a braços com uma avaria mecânica.
Conseguimos resolver o problema e soube bem aquele "obrigado", dito de forma sentida e o ver aquele compaheiro de novo a pedalar. Quantos já teriam passado por ele sem lhe passarem "cartucho"!!!
Nova paragem, desta vez em Alpedrinha, para a carimbadela de contolo e lá atacámos a subida da Serra da Gardunha.
Cruzámos o Fundão e rolámos até á Covilhã, onde começou a grande subida do dia e o grande motivo deste evento, o Serra Acima/2011.
Sempre juntos, eu e o Silvério, lá fomos galgando aqueles penosos kms, passando por companheiros um pouco mais vagarosos e sendo ultrapassados pelos grandes trepadores, agarrados às suas viaturas de apoio, a subir a 40/50 kms hora e que no final, até davam uma voltinha à rotunda para descongestionarem um pouco os músculos. Talvez os musculos dos braços, porque as pernas trabalharam pouco!!!
Nesta etapa, tive o apoio e companhia da minha filha Ana Rita e da sua amiga Eunice, que nos proporcionaram momentos divertidos, tirando-nos agumas fotos na subida.
O final, é sempre um final e este, é um final diferente e que para mim, por quem os 20 anos já passaram à quase 40, é um final diferente, mostrando-me que a pele envelhece, mas o espírito ainda mantém alguma juventude e grande vontade de viver e de ultrapassar alguns bons desafios.
No final, eu e o Silvério, guardámos as bikes na minha viatura e regressámos à cidade, depois de mais um belo dia de pedaladas, cansados sim, mas sem stress, onde mais uma vez nos apercebemos que a bike é um veículo que nos une e não um veículo que nos separa, que cria "fricções", aqui ou ali. Mas uma grande virtude tem!!! Fortalece as verdadeiras amizades e desmascara aquelas que apenas têm interesses subjetivos, ou de ocasião.
Depois de mais um fim de semana arfante, tenho agora que preparar-me para outra pequena aventura, em que sou protagonista com o Silvério. O Pirinéus Epic Trail!!!
Um percurso de alta montanha, bem no coração dos Altos Pirineus, em que nos perderemos na magia e nas fabulosas paisagens do Monte Perdido, pelo Parque Natural de Sobrarbe, Alta e Baixa Ribagorza, que percorreremos em Btt, durante 4 adrenalínicos dias.
Depois dou por aqui um lamiré do que se passou.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Vasco Mota Pereira disse…
Queria apenas deixar os meus mais sinceros parabéns pelo seu espírito jovem e de aventura, que faz inveja a muita gente supostamente nova. Um abraço do Porto e felicidades para as próximas aventuras.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…