Avançar para o conteúdo principal

"18ª. Edição Serra Acima - 2º. dia > Castelo Branco - Torre (Serra da Estrela)"

Dando continuidade à 18ª. Edição do Serra Acima, este ano tranformada em Desafio Audace, lá fui cumprir o 2º. dia, com a ligação de Castelo Branco à Torre, num total de 103 kms.
Desta vez tive logo à partida a companhia do Silvério, amigo e companheiro de "cavalgadas", curtas e longas, que apenas fazia esta ligação.
Apresentámo-nos à partida e a horas, como manda a regra.
Pude constatar que a maioria da malta presente, não tinha feito o dia anterior, pelo que previ logo que hoje o andamento do pelotão não me interessava. Ontem tinha sido o meu dia, onde tinha dado "o litro", hoje essa tarefa seria de outros. Eu iria numa boa e fazia questão de acompanhar o meu amigo Silvério até ao alto da Torre.
à partida ainda encontrei o Leandro o António e o Marco, que ainda nos acompanharam durante algum tempo.
Sempre em andamento calmo e descontraído, fomos pedalando e conversando, aproveitando para por em ordem a logística para a nossa aventura da próxima semana, o "Pirinéus Épic Trail", não descurando o cafézinho matinal, parando no Café da Dona Maria em S. Miguel D'Acha, onde estivémos um pouco à conversa.
Durante o percurso, fomos encontrando vários companheiros, em solitário, com quem conversámos e acompanhámos durante vários periodos.
Tornámos a parar, já perto do cruzamento para as Termas da Touca, para prestar ajuda a um companheiro que se via a braços com uma avaria mecânica.
Conseguimos resolver o problema e soube bem aquele "obrigado", dito de forma sentida e o ver aquele compaheiro de novo a pedalar. Quantos já teriam passado por ele sem lhe passarem "cartucho"!!!
Nova paragem, desta vez em Alpedrinha, para a carimbadela de contolo e lá atacámos a subida da Serra da Gardunha.
Cruzámos o Fundão e rolámos até á Covilhã, onde começou a grande subida do dia e o grande motivo deste evento, o Serra Acima/2011.
Sempre juntos, eu e o Silvério, lá fomos galgando aqueles penosos kms, passando por companheiros um pouco mais vagarosos e sendo ultrapassados pelos grandes trepadores, agarrados às suas viaturas de apoio, a subir a 40/50 kms hora e que no final, até davam uma voltinha à rotunda para descongestionarem um pouco os músculos. Talvez os musculos dos braços, porque as pernas trabalharam pouco!!!
Nesta etapa, tive o apoio e companhia da minha filha Ana Rita e da sua amiga Eunice, que nos proporcionaram momentos divertidos, tirando-nos agumas fotos na subida.
O final, é sempre um final e este, é um final diferente e que para mim, por quem os 20 anos já passaram à quase 40, é um final diferente, mostrando-me que a pele envelhece, mas o espírito ainda mantém alguma juventude e grande vontade de viver e de ultrapassar alguns bons desafios.
No final, eu e o Silvério, guardámos as bikes na minha viatura e regressámos à cidade, depois de mais um belo dia de pedaladas, cansados sim, mas sem stress, onde mais uma vez nos apercebemos que a bike é um veículo que nos une e não um veículo que nos separa, que cria "fricções", aqui ou ali. Mas uma grande virtude tem!!! Fortalece as verdadeiras amizades e desmascara aquelas que apenas têm interesses subjetivos, ou de ocasião.
Depois de mais um fim de semana arfante, tenho agora que preparar-me para outra pequena aventura, em que sou protagonista com o Silvério. O Pirinéus Epic Trail!!!
Um percurso de alta montanha, bem no coração dos Altos Pirineus, em que nos perderemos na magia e nas fabulosas paisagens do Monte Perdido, pelo Parque Natural de Sobrarbe, Alta e Baixa Ribagorza, que percorreremos em Btt, durante 4 adrenalínicos dias.
Depois dou por aqui um lamiré do que se passou.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Vasco Mota Pereira disse…
Queria apenas deixar os meus mais sinceros parabéns pelo seu espírito jovem e de aventura, que faz inveja a muita gente supostamente nova. Um abraço do Porto e felicidades para as próximas aventuras.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…