Avançar para o conteúdo principal

"Pirinés Épic Trail, a Aventura"

"PIRINÉS ÉPIC TRAIL" . Um sonho concretizado!!!
Já há uns anos que passeio pelos Pirinéus, com maior incidência no Sul de França.
Com a bike de estrada, já "conquistei" alguns dos mais famosos "col's" dos Pirinéus.
Em 2009, fiz a solo a Transpirenaica, em seis dias, com saída de Argelès-sur-Mer, no Mediterrâneo e final em S. Jean de Luz, no Atlântico.
Fiquei encantado com aquelas maravilhosas paisagens de alta montanha, com as cores e exuberante flora, prometendo na altura, a mim mesmo, que um dia iria pedalar por vales e montanhas para lá do que na altura era a minha visão.
O Monte Perdido, era um dos meus objetivos!!!
Acabei por o encontrar, através do "Pirinés Épic Trail".
Lancei o desafio à malta, em Novembro do ano passado. O pessoal gosta, mas fica "sentado".
Por outro lado, uma ausência de uma semana, sem o controlo das "Marias", é deveras complicado, para a maioria. eh eh eh!!!
Bincadeira!!! Nem toda a rapaziada tem essa disponibilidade. Mas, lá consegui dar a volta ao "Silvério", sem grande problema, diga-se, pois este companheiro adora aventura e, sempre que pode, não desperdiça uma oportunidade de um desafio!!!
Sem grandes planos, nem logisticas complicadas, contatámos a Aramonbikes, empresa que criou a Pirinés Épic Trail e acordámos fazê-la em 4 etapas, encarregando-se esta de toda a logística.
Dia 19, partimos então para Pont de Suert, numa viagem de cerca de 1000 kms, para darmos início a esta fantástica aventura.
Chegámos pouco depois das 17h, (hora espanhola) efetuámos o check in, no Hotel Mestre, onde ficámos alojados e rumámos à sede da Aramonbikes para o briefing e recolha de material. ( road book, mapa, instruções de resgate, substituição de bike, caso necessário, etc...)
A ansiedade, era já a nossa principal dificuldade, até chegar a hora da partida!!!
1º. Dia = Pont de Suert - Seira - 45 kms - 1268m acumulado +
Saímos de Pont de Suert, capital da Alta Ribagorza, já passava das 09h, após um farto pequeno almoço de bufett.
Descemos por umas "callejuelas mui chulas" até á ponte da Nogueira Ribagorzana e entrámos numa estreita estrada asfaltada, que sobe a Sirés.
Antes da povoação, entrámos num trilho em subida com bastante pedra roliça, até ao abandonado povoado de Gavarret.
A partir daqui, o trilho melhorou um pouco e seguiu uma curva de nível durante algum tempo, até que se tornou numa forte pendente até um pequeno "collado", onde chegámos após uma lindíssima passagem por uma frondosa zona de abetos.
Sempre em subida e com o trilho a piorar bastante, continuámos em subida, agora em direção a Bonansa, onde efetuámos o 2º. controle do dia, pois o primeiro tinha sido feito à saída do hotel.
Bonansa é uma bonita aldeia de montanha com o seu casario muito peculiar e bonito. Pena o bar estar fechado, privando-nos de saborear uma "cerveza" fresquinha!!!
Continuámos a nossa "ruta" em subida por asfalto ao Puerto de Bonansa, entrando seguidamente num trilho que nos levou ao lindíssimo Vale do Rio Isábena. Um verdadeiro espetáculo!!!
Lá mais para a frente, cruzámos o Rio Blanco, pela ponte e tomámos a direcção de Espés, em forte subida, entrando depois no trilho do Gr18, que, sempre a subir e cada vez mais pedregoso e técnico, los levou até ao magnífico "Collado de Selbaplana", a 1560m de altitude, uma zona ampla e relvada, com imagens de sonho sobre vários "monumentos" montanhosos, tal a sua beleza.
Inventámos caminho através da zona relvada, até á entrada dum frondoso bosque de abetos, onde se iniciava um estupendo e adrenalínico single track, com muito perigo à espreita, onde a concentração teria que ir no máximo, pois uma queda naquele local e para o lado errado, levava-nos para as profundezas.
No final do single track e numa zona também bastante relvada e pejada de pequenos bosques, deparámos sobre a nossa esquerda com o impressionante Turbón.
O trilho seguia para La Muria, mudando mais á frente para outro trilho, para para San Martin, onde pedalámos completamente absortos com as vistas sobre a "Sierra de la Chia".
Deixámos este trilho, para tomarmos outro à nossa esquerda, agora em baixada vertiginosa, com vista espetacular sobre o "Congosto de Ventamillo".
Numa viragem a 180 graus, iniciámos uma brutal descida com passagens muito técnicas e com muitos drops, que quase nos faziam "chorar" de alegria e emoção, soltando de quando em vez algum grito, como se fosse de guerra.
Mas tudo acabou, quando chegámos a Seira e fizémos o check in no Hotel Ventamillo, onde ficámos alojados.
Bom acolhimento, boas instalações e uma refeição a gosto, não sem antes nos agarrarmos com "dedos" e dentes a um belíssimo e saboroso "bocadillo", no meu caso de "bacon y queso", excelentemente acompanhado por uma "Cerveza Estrella", que nos ajudou a repor líquidos e sólidos, num instantinho.
No dia seguinte seria a etapa que nos daria entrada, própriamente dito, no coração dos Pirinéus.
A ansiedade, apoderava-se um pouquinho de nós, o que fazia que as horas demorassem um nadinha mais a passar.
Foi um dia espetacular, numa região onde as palavras não conseguem fazer juz à realidade!!!
Próximo Post - 2º. Dia - Seira . Plan.

Fiquem bem.

Vêmo-nos nos trilhos

. . . ou fora deles.
AC
Filme

Comentários

SALES disse…
Parabéns por mais uma conquista já no seu longo palmarés de conquistas em duas rodas. Depois, um muito obrigado pela partilha dessas paisagens magníficas, onde fica na mente de cada um a vontade enorme de tbm poder conquistá-las, mas haja pernas para isso. Também gostava de dar uma palavrinha a esse excelente companheiro e amigo de pedaladas que alinhou nessa belíssima aventura.
Um grande Abraço aos dois.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …