Avançar para o conteúdo principal

"Pirinés Épic Trail - 3º Dia - Plan - Castejon de Sos"

3º. Dia - Plan - Castejon de Sos - 59 Kms - 2018m acumulado + - 2024 m alt.
Saímos de Plan pela hora habitual, depois dum pequeno almoço à descrição e descemos a bonita rua do Hotel até à ponte sobre o rio Cinqueta, que iria ser o nosso companheiro durante muitos kms, onde o som provocado pelas suas águas, batendo na pedra, pelas diversas cascatas e correndo ao longo do seu estreito leito, eram música para os nossos ouvidos, aliado à exuberante beleza da vegetação das suas margens.
Voltámos a cruzar o rio para entrarmos em San Juan de Plan, percorrendo as suas castiças ruas empedradas e de forte inclinação, que nos fizeram disparar as pulsações, num aquecimento rápido e inesperado.
Entrámos na estrada para Gistain ás portas do bonito Vale de Chistau.
Pouco depois, virámos à direita e entrámos num estradão, sempre em subida, em direção a Biadós e Parque Natural Posets - Maladeta
.
O Rio Cinqueta, foi nossa companhia até Forcallo, onde o trilho piorou e aumentou a sua inclinação, talvez para merecermos o que se seguiria!!!
Após 830 metros de forte pendente, chegámos de novo ao paraíso, onde se encontrava o Refúgio de Biadós, onde fizémos novo controle de passagem com o nosso chip.
Ficámos simplesmente boquiabertos com deslumbrante paisagem.
Um lindíssimo vale "semeado" de pequenas casas de montanha ao longo dum bonito trilho de caras ao imponente Maciço de Posets . Que espetáculo!!!
Já dali não queriamos sair. Tinhamos chegado ao céu, apesar de ao longo das nossas vidas termos cometido algumas maldadezitas. teriamos sido perdoados!??!!
Mas tinhamos consciência que havia ainda muita beleza para ver, muita adrenalina para "gastar" e muitos e longos momentos de diversão com as nossas bikes.
Se as nossas digitais aquecessem com o volume de fotos, teríamos que as colocar no frigorífico, no final do dia e todos os dias.
Com alguma dificuldade, não física, mas por não querer privar a nossa visão de tamanha beleza, voltámos a descer para Forcallo, onde virámos à esquerda para um engraçado single track até à ponte de madeira, de novo sobre o Rio Cinqueta.
Do outro lado, esperava-nos um bonito trilho ao longo dum verdejante bosque, onde as vacas competiam com o arvoredo, pois eram às largas dezenas e enormes.
Numa viragem à esquerda, começámos nova subida em trilho pedregoso e com algumas passagens mais técnicas, ziguezagueando de vez em quando entre vacas que pachorrentamente ocupavam o trilho ora mordiscando a erva que o rodeava ou deitadas calmamente sobre o mesmo.
Durante cerca de 3 kms, foi uma constante, até que chegámos ao Collado, na Balsa del Abeto.
Paisagens incriveis, esperavam-nos, com a visão a sul sobre o majestoso Maciço de La Cotiella, a norte El Montó e Bachimala e a Oeste a Punta Suelza. Um espetáculo!!!
Estávamos a cerca de 1900 metros de altitude e ainda tinhamos que atingir o Puerto de Sahún, a 2224 m de altitude, onde faríamos um controle no Refúgio de Marradetas.
Seguiu-se uma rápida descida com bonitas vistas à nossa direita sobre o Vale de Chistau, onde se vislumbravam as povoações de Gistain e S. Juan de Plan, Embalse de la Escun e El Congosto de La Inclusa.
Numa curva arrematada, virámos à esquerda para um single track, onde durante cerca de 100 metros tivemos que carregar as bikes na travessia do rio, práticamente sem caudal nesta altura e subir uma pequena encosta, com escalões de madeira, para entrar no trilho que, aternando com uns "suculentos" single tracks, nos conduziu até ao Puerto de Sahún e Chia, com uma boa visão sobre o Collado de La Cruz e Barbaruens.
Chegámos ao Collado de Cozibirón e seguimos um largo estradão de "serrisca" até ao refúgio no Cerro Marradeta, que se encontrava fechado e onde efetuámos o controle com o nosso chip.
Espetacular panorama sobre o Monte Perdido e o Pico Aneto.
Voltámos então a descer, até entrarmos num bonito e técnico single track (PR-HU51), passando por uma fonte (Fuen Roya), já em direção a Vilanova.
Entrámos em Vilanova, através dum single track, com muitas zonas não cicláveis, cruzando a aldeia até à A-139, virando á esquerda, cerca de 600 metros, para efetuar novo controle no Hotel Casa Arcas.
Voltámos atrás e continuámos pela A-139 até à Ponte sobre o Rio Ésera, onde saímos para um trilho que nos levou até Castejón de Sós, final da nossa etapa e onde ficámos aojados, no bonito Hotel Pirinéos.

Fiquem bem

Vêmo-nos nos trilhos

. . . ou fora deles.
AC
Filme em breve.

Comentários

Pinto Infante disse…
vou vos fazer só uma precura; se perguntassem onde ficava a Póvoa de Rio de Moinhos, essa malta sabia-vos orientar?!eh eh
que bela aventura, esta digna de ficar na V/memória.belas paisagens, belos trilhos...enfim...dignas de um reformado cheio de pujança...bem o Silvério, de reforma penso que ainda não, mas vontade não lhe deve faltar para te acompanhar...
aquele abraço e parabéns pela aventura.
Pinto Infante
Anónimo disse…
É com especial atenção que vejo estas fotos deste par de jovens a passear em plenos Pirinéus. A cambada está no estrangeiro e à conquista da Europa!

P.S. António essa fatiota está um primor!

Tiago
Tiaguss disse…
Excelente passeio. Dá muito gosto e (muita saudade) ao ver estas fotografias.
Continuem assim.
Abraço e boas pedaladas
Tiago Lages

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …