Avançar para o conteúdo principal

Ponsul profundo"

Estive ontem a dar uma revisão na minha Btt, mudando-lhe os pneus e transmissão e dando-lhe uma lubrificação nalguns componentes.
Mas, como mandam as regras, nunca se devem fazer estreias de material em eventos, muito menos como o que vou fazer na próxima semana, o "Pirinéus Épic Trail."
Assim, fui hoje da uma volta para "partir" pneus, "acamar" corrente e cassete e ter a percepção de que estava tudo bem.
Escolhi um percurso, um pouco duro e, onde já hà uns tempos a esta parte andava a planear criar um circuito, para mais tarde dar " cabo do cabedal" aos meus amigos, numa das nossas habituais manhãs de btt.
Saí por asfalto até á Caseta dos Maxiais, com intenção de fazer alguns ajustes, caso fosse necessário.
Entrei então nos trilhos até ao Monte do Rei e desci para a foz do Ribeiro do Cinzeiro, passando entre os Vales da Dona e Espantalhosas, numa descida "louca" e com uma paisagem bastante agreste.
A subida para a Fonte Santa é que foi do "caneco", com a avózinha a ranger, ainda mais do que eu, mas a corrente não partiu. Sinal de que fora bem cravada.
Passei pela zona da velha fábrica da família "Carmona", nos Cebolais de Cima, em direção ao Cabeção e Várzea das Canas, até chegar ao VG do Curral.
Aí começou a adrenalínica descida até ao Monte do Pereiral, com uma paragem a meio para apreciar aquela imensa paisagem a ser completamente despida, pela pesada maquinaria, no corte e preparação de novas plantações de eucaliptos.
No Monte do Pereiral, onde já não pedalava há bastante tempo, andei algum tempo em busca do bonito single track, cuja entrada está bastante disfarçada com o corte das árvores.
Despois de subir ao alto do Cabeço do Pico, desci para o arraial e entrei no trilho para os Lentiscais, onde parei, no Bar do centro Social e, calmamente beberiquei uma "bjeca" fresquinha e comi algo sólido.
Atestei o camelbag com água fresca e voltei aos trilhos, cruzando o Vale da Baralha e passando pelos Montes da Assentada e do Pardal, descendo depois ao Rio Ponsul.
Virei depois para o Monte do Chaveiro e subi ao Monte Clérigo, onde já algumas vezes passara com a "jipose", mas "embirrei" que haveria de fazer aquela subida de bike. É bastante durinha, mas já está!!! Uma nova paragem para estabilizar as pulsações, comer algo e beber água, enquanto mantinha ainda alguma fresquidão e, estava já em "pulgas" para fazer a descida ao Ribeiro do Sapateiro, no Monte do Vedulho.
A limpeza dos asseiros fez-me suar um pouco, pois com a inclinação da "dita", ainda torci bem o "cortiço" algumas vezes!!!
Depois segui-se a "danada" subida pela Lomba da Velha e Medronhal, onde apanhei o estradão que vem do Monte do Canafixal até ao Monte da Sapateira, cruzando a estrada para o S. Martinho.
Entrei na cidade pelo Quinteiro, com 55 kms em solitário, bastante desafiantes e adrenalínicos.
Gostei de me sentir pequenino no meio de nenhures. No fundo, serve também de preparação para umas "aventurazitas" a solo, que ando a "magicar".

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

É sempre um prazer ler os bonitos rescaldos das suas pedaladas...

Aguardo os da dita grande aventura do ano!

Um Abrço e boas pedaladas
Ass.Ricardo Almeida

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…