Avançar para o conteúdo principal

"Pelas planuras da Lardosa, sopé da Gardunha e Barragem da Marateca"

Na passada quarta feira, tinha ficado planeado com o Zé Luís e Pedro Barroca irmos hoje dar umas pedaladas até à Barragem da Marateca.
O Pedro veio ter comigo pelas 08h e fomos ao encontro do Zé Luís à Lardosa, com encontro marcada para as 09h no "Tá-se Bem"
Saímos da cidade pela Atacanha e com passagem por Santa Apolónia, cruzámos Alcains, saindo em direção ao Casal da Fonte Chã.
Continuámos pela Folha da Lardosa e Casa da Fonte Caiada para pouco depois entrarmos na Lardosa.
Parámos no "Tá-se Bem", como combinado e dentro do horário previsto.
Tomámos o cafezinho matinal e o Zé sem aparecer. Como não costuma falhar já estava a telefonar, quando apareceu, com uma carinha ainda engelhada e com os olhos remelados.
Abandonámos a Lardosa pouco depois em direção à Tapada da Mouca, Devesa e Monte das Areias, encostando depois à via férrea junto ao Apeadeiro da Soalheira.
Passámos pelo Marco Alto, cruzámos a linha e pela Ponte da Godinha chegámos à Soalheira, onde fizemos nova paragem para comer algo e beber uma bebida fresca.
Deixámos a Soalheira e pela estradinha panorâmica que segue na direção da Marateca, rumámos ao Curral das Figueiras, após abandonar o asfalto.
Por estradão chegámos à Quinta da Rosmaninheira, voltando ao asfalto até à entrada do caminho que nos levou à Quinta da Granja.
Pouco depois cruzámos o Rio Ocreza, que abastece a barragem e com passagem pelo Vale Cabreiro e Vale Paviola, encostamos à barragem onde nos demorámos um pouco apreciando aquela bonita bacia hidrográfica e disparando umas fotos com as nossas digitais.
Seguimos depois para o Vale das Corgas e Malhadas, onde pretendíamos cruzar de novo o Rio Ocreza, para a Queimada.
A antiga passagem, agora aramada e com o arvoredo mais denso, dificultou-nos um pouco a passagem, mas cruzámos o rio sem grande stress, apenas vacilámos se seria um pouco mais acima, ou mais abaixo.
Mas valeu a pena. Os trilhos naquela zona continuam bonitos e trialeiros "esculpidos" entre mimosas, o que lhes dá uma beleza acrescida.
Sempre em pedalada descontraída e em amena cavaqueira e de vez em quando com umas "cenas" mais divertidas, passámos o Pontão e contornando a Grulha, entrámos no Vale das Escusas.
Passado o vale, cruzámos a N.18 para o Vale Capitão e seguimos o estradão até Alcains.
De quelha em quelha passámos Alcains e chegámos de novo a Santa Apolónia, onde tínhamos passado umas horas antes.
Pelo caminho agora em sentido inverso, regressámos à cidade, onde chegámos com o relógio a passar as 13h e com 73 kms pedalados numa manhã algo cinzenta, mas ainda assim bastante animada e descontraída.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…