Avançar para o conteúdo principal

"Btt musical"

Mais uma manhã domingueira e de pedalada campestre, com a habitual concentração nas Docas, pelas 08h00.
Eu, Luís Lourenço, Sérgio Marujo, Abílio Fidalgo, Álvaro Lourenço, Dário Falcão, Pedro Antunes e Nuno Eusébio, foram os protagonistas do passeio "musical" de hoje.
A famosa opera rock Jesus Christ Superstar, foi o tema dos 40 kms percorridos durante a manhã.
Com voz afinada ou desafinada, toda a malta espalhou alegria e divertimento durante todo o percurso, sem necessitar da ajuda das 4 garrafas de branco, as 2 de gasosa, mais 2 travessas de fêveras para palitar e meio queijo de cabra, que mandámos abaixo no Ramalhete na Represa.
Depois de abandonar as Docas, hoje com o LL como guia turístico, fomos entrar nos trilhos na zina da Talagueira, o local de passagem em direção à Tapada da Abeceira e Valejo, com a  habitual animação deste grupeto de amigos, que usa e abusa do termo lúdico, não necessita de instruções para o companheirismo e a diversão, essa, flui de forma natural, e hoje, foi um dia especial, pois o LL era "bébé".
Singles "assim" e outros "assado", trilhos para baixo e outros para cima, foi uma farturinha e então a cantar o "Jesus Christ Superstar . . . eu estou aqui . . .
 não é fácil!!! Mas nós demos bem conta do recado!!!
Com mais umas bonitas passagens pela Quinta da Lomba e Ferrarias, rodeamos as Benquerenças passamos pelo Monte Maixo e Azinheira já com o azimute apontado ao Ramalhete, na Represa.
Tinha começado a cair uma chuva miudinha. Se a "tipa" engrossasse, sempre estávamos no apeadeiro e apanhávamos o comboio de regresso à cidade.
O banquete não se fez esperar e animação não faltou em volta das fêveras, dos branquinhos traçados e do belo do queijo de cabra.
Foi quase meio por meio. Metade a dar ao pedal e metade a dar a dente. Não há quem aguente . . . e eu que queria ficar magrinho , para os amigos que seguem na minha roda ficarem nas "selfies!!!"
Depois da fantástica tertúlia no Ramalhete, fomos tentar subir às Olelas pelo single . . . e então não é que conseguimos todos. Somos mesmo bons à brava!
Então a descer é que foi sempre a abrir.
Nunca tinha feito aquela descida tão rápido. Aquilo é que foi adrenalina! Fi-la toda à procura das manetes dos travões . . . graças a Deus, consegui agarrá-las mesmo lá em baixo já a chegar ao alcatrão.

Na Caseta dos Maxiais, entrámos no asfalto pelo velho roço na N.18 paralelo ao IP2 e seguimos para a cidade com uma ultima paragem na Padaria do Montalvão para a sossega e roermos metade da outra metade do queijo que o LL levava no bolso, acompanhada de mais uns branquinhos e umas bjecas.
Feitas as despedidas lá regressámos a casa, ainda debaixo daquela chuvinha chata à brava.
E assim foi mais uma aventura dos gajos das Docas!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …