Avançar para o conteúdo principal

"Barrocas do Ponsul"

Tinha inicialmente planeado para hoje uma volta vadia a solo com visita a alguns dos bonitos recantos da Ribeira do Alvito.
Entretanto o Vasco Soares convidou-me para uma volta campestre, mas de forma a regressar a "horas decentes".
Como nunca desperdiço a companhia dum amigo, lá elaborei um percurso para irmos hoje passear a sua recente aquisição, uma bonita Spec/29er à qual ainda está em fase de habituação.
Combinamos o ponto de encontro junto ao Mac Donald's pelas 07h00.
Como cheguei um pouco mais cedo, tomei calmamente o cafezinho matinal e sentei-me na mini esplanada á espera do Vasco, que entretanto fez a sua aparição.
Hoje íamos fugir um pouco à "civilização", em busca de locais inóspitos e profundos.
Rumámos ao Vale dos Gagos e subimos aos Maxiais.
Mandámo-nos por uma longa e adrenalínica descida até à Ribeira da Paiteira, contornando depois a Escudeira, pela cumeada, para mais uma descida, esta com um índice descendente já quase no limite dos tacos dos meus pneus, que me causaram um par de calafrios.
Acompanhámos um pouco a Ribeira da Pipa, que acabámos por transpor já no Monte do Canafixal, para enfrentarmos uma subida impossível, que tivemos que fazer empurrando as bikes.
Seguimos depois pelo estradão que segue pelos vales, entre os montes da Borralheira e Pote, fazendo uma visita depois ao velho e abandonado moinho do Monte do Chaveiro.
Passámos a Barroca da Castanheira e um par de kms mais à frente, cruzámos a N.18-8 e entrámos no Monte da Ponte.
Transposta a Ribeira do Cagavaio pelo pontão seguimos o estradão pelo Montes Jambum, Pinares e Sordo, onde fletimos à direita, ao encontro da Barroca dos Cagados em cuja foz se encontra ainda os vestígios do antigo areal, em cuja zona do rio de onde as areias eram retiradas, se encontra agora um extenso salgueiral, quase impenetrável.
Depois de uma breve passagem junto à margem do Rio Ponsul, com uma bonita panorâmica, subimos à Malhada Velha e passámos a Casa do Estrêlo em direção às Sesmarias.
Chegados ao entroncamento dos velhos estradões que seguem para o Monte do Pombal e Monte de Belgais, tomámos o azimute às Queijeiras da Rebouça.
Passámos o paredão da Barragem e subimos a Olival Basto, para entrarmos no recinto da Sra de Mércules, entrando na cidade pela Sra de Santana.
A paragem no Café Dorali era uma vontade que já nos acompanhava à alguns kms e foi com grande prazer, que nos refrescámos com uma jola bem fresquinha.
Uns momentos de conversa, pois ainda era cedo e despedi-mo-nos, um pouco mais à frente, depois dum bonito e arfante passeio de 44 kms, por alguns belos recantos alí para os lados do Rio Ponsul.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Um espectacular passeio de BTT por locais deslumbrantes da Beira, onde espero matar saudades brevemente!
Abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…