Avançar para o conteúdo principal

"Passeio de Btt ao Martim Branco"

Hoje de manhã, levantei-me à hora habitual e logo me surgiu uma dúvida, vou passear a "santa" ou a "ézinha"!
Resolvi sair com a "santa" e dar umas pedaladas campestres.
Saí de casa e passei pelas Docas, onde resolvo tomar calmamente o cafezinho matinal no Café Sical, enquanto aguardava a chegada de algum companheiro do pedal.
Já estava a definir a minha voltinha campestre, quando apareceram o Álvaro Lourenço e o Pedro Antunes.
Eles tomaram o cafezinho e esperamos ainda algum tempo pelo Sérgio Marujo, que hoje trocava a mota pela bicicleta.
O Álvaro delineou o passeio de hoje e resolveu ir até à sua terra natal, o Martim Branco. Boa escolha!
É sempre agradável uma visita à bonita aldeia de xisto de Martim Branco, que tem vindo a ser requalificada e está cada vez mais "xistosa" e com algumas mais valias, como o restaurante "Xisto Sentido" e alojamento local "Castrum Sentido", onde segundo consta o cabrito, nas suas várias confecções" é cozinhado com mestria e com um sabor requintado. Um dia destes vou lá experimentar mais a minha "Maria!"
Abandonamos a cidade e pela Sé Velha  descemos a Rua da Mina em direção à Milhã, para entrarmos nos trilhos, lá mais à frente, já na estrada de Caféde.
Passamos a tapada das Figueiras e entramos de novo na estrada de Caféde até cruzarmos o Rio Ocreza, saindo um pouco mais à frente para a Quinta de Valverde.
Depois da passagem pela zona de Santa Catarina, subimos ao Freixial do Campo, cruzando a aldeia e descendo à Ribeira do Vale Sando.
Depois de passarmos o vale, enfrentamos uma dura subida ao VG das Ferrarias, onde o Sérgio partiu a corrente da sua bike, logo no início da mesma.
Pedalamos durante alguns kms pela cumeada entre eucaliptal cortado recentemente para descermos depois ao Ribeiro do Seixo.
Continuamos por uma bonita zona, algo inóspita, em direção à Várzea do Porto do Conde, passando pela zona do Cavaleiro.
Cruzamos o Rio Tripeiro para a Várzea seguimos para a aldeia de Martim Branco, entrando pelo velho trilho do núcleo moageiro.
Fomos visitar o restaurante e alojamento rural "Xisto Sentido" e fiquei agradado com o que vi . . . simples e bonito!
Entretanto chegou também ao local o grupo da rapaziada (e menina) que se costuma reunir nas Tílias e por ali estivemos um pouco na conversa enquanto bebericava uma mini bjeca, gentilmente oferecida pelo dono do empreendimento.
Estava na hora de regressar.
Entretanto o outro grupo já tinha saído e voltamos a encontrar-nos à chegada às Carvalheiras, pedalando juntos pelos olivais da Esteveira de Baixo até ao Chão da Vã.
Depois de cruzar de novo o Rio Tripeiro, seguimos para o Salgueiro do Campo pelo Vale Cimeiro, tomando seguidamente o rumo ao Palvarinho pelo Casal da Bica.
Descemos à Ponte de Ferro e subimos ao Rouxinol onde resolvemos seguir por asfalto até à cidade, pois a hora de almoço aproximava-se rapidamente.
Uma bela manhã de btt campestre, que culminou com 60 divertidos kms e excelente companhia.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…