Avançar para o conteúdo principal

"Gardunha - P5"

Na passada quarta feira, foi dia de btt, na agradável companhia de dois amigos nortenhos, o Zé Castro e o Silva Pedro, que vieram até à bonita Cova da Beira para três diazinhos de férias.
Trouxeram as bikes e a vontade de comigo dar umas pedaladas pela sempre bela Serra da Gardunha.
Fui ter com eles ao Fundão e encontramo-nos na Pastelaria Arte & Doce, para o cafézinho matinal.
Depois dos cumprimentos e de um par de laraxas, lá seguimos para os trilhos, em direção à Quinta do Convento.
Sempre divertidos e na brincadeira, lá fomos subindo a serra, com passagem pela Azenha Nova, alto de Alcambar, Souto do Mouro, Quinta da Serrana e Arrebentão, onde paramos para meter água na fresca pitoresca fonte.
Continuamos pelo Covão e Cabeço do Meio até à Casa do Guarda, onde a mãe do Zé, que o acompanhou nesta viagem, nos aguardava.
Mas ainda não tínhamos chegado ao ponto mais alto do nosso percurso, pelo que lá fomos pedalando em direção ao Cavalinho indo até ao local de lançamento da malta do parapente, para ver uns franceses que por ali estavam a praticar aquela radical modalidade.
Seguimos depois para a segunda casa florestal, com passagem na zona da Penha e paramos no miradouro para um par de fotos.
Era agora altura de descer e fizemo-lo em direção ao Louriçal do Campo, pelo estradão da casa florestal e Alto da Cruz.
Chegados ao Louriçal, fomos até a café para nos refrescarmos com uma bjeca fresquinha e seguimos para S. Fiel, onde tomámos o rumo a Castelo Novo, com passagem pelo Chão da Bica e Borracheiro.
Parámos no Restaurante "O Lagarto" e comemos um bela sandocha de carne assada, acompanhada dum par de bjecas, enquanto íamos pondo a conversa em dia, a que se juntou um antigo companheiro de profissão, que ali encontrei casualmente.
Descemos ao Vale Ramil e pelo Vale das Canas e Pucarinhos, chegámos a Alpedrinha.
Enfrentamos a dura subida da calçada romana, ora pedalando, ora empurrando a burra, até chegarmos ao alto, onde fletimos à direita para o VG da Coutada.
Descemos à N.18 pela Catraia do Falcão e depois de cruzar a estrada, descemos ao Alcaide pelo Souto do Pombo.
No Alcaide, a visita à Tasca do Esteves, é já obrigatória e desta vez, elegemos a "rastemenga" como bebida oficial da nossa pequena aventura.
"malhámos" três belos jarros daquela bela mistura de néctares e fomos até à próxima povoação, Alcongosta, passando pela Sra do Souto e S. Roque.
O Zé, quando entramos na N.18 seguiu logo para o Fundão, onde a mãe o esperava e eu e o Silva Pedro subimos à aldeia e descemos ao Fundão pela Azenha da Amoreira.
Depois de arrumar a bike, seguimos para a tasca da estação e ali nos entretivemos com uma bifana, sopinha de feijão frade e umas pataniscas para fechar o programa, bem regadas com umas bjecas fresquinhas.
Um excelente dia de btt, na companhia de bons amigos, onde a brincadeira, a diversão e as constantes peripécias, de que são exímios, tornaram o dia inesquecível.
Obrigado malta por este belo dia de btt.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…