Avançar para o conteúdo principal

"Pelo Coração da Serra do Caramulo e Mata do Buçaco"

Ontem foi dia de volta vadia, na companhia do meu irmão Luís e dos amigos Jorge Palma, Álvaro Lourenço e Rui Salgueiro.
Como gosto de vadiar sempre em busca de  uma boa aventura, escolhi desta vez a Mata do Buçaco e Serra do Caramulo.
Saímos da cidade pelas 05h30 ruo à Sertã, onde nos encontraríamos com o meu irmão na Pastelaria Estrela Doce, que nos abriu a porta pelas 06h30 para tomar o pequeno almoço.
Depois de tomada a primeira refeição do dia, já a segunda para alguns, fomos até à Vila Termal do Luso, o o local de partida e chegada do nosso passeio domingueiro.
Depois de preparadas as bikes e restante material fizemo-nos à estrada, subindo em direção à Mata do Buçaco, onde entramos pela Porta do Serpa.
Com a sua estradinha empedrada e curvilínea desenhada num fascinante recanto onde as árvores têm porte gigantesco e são ricas em essências, perfumes e fulgor. 
Há uma transparência de luz e frescura de sabor místico quase divino e o sumptuoso Palace Hotel do Buçaco, outrora residência de reis e que nos nossos dias recebe Homens de Estado e quem, na busca da tranquilidade, tem o gosto de se acolher num dos mais belos hotéis românticos da velha Europa.
Foi uma pequena travessia que gostei bastante. Um hino à tranquilidade.
Abandonámos aquele local idílico pelas Portas da Rainha, mesmo defronte do Museu Militar e seguimos por uma estrada ondulante, que nos levou até à entrada de Mortágua, pela Moura e Barracão.
Ladeámos Mortágua e viramos à esquerda na rotunda e viramos o azimute a Campo de Besteiros, a rampa de lançamento para o Caramulo, passando por Cruz da venda Nova, Vila Meã, Vila de Moinhos, Tourigo, Barreiro de Besteiros e Cortiçada.
Chegados àquela vila, logo nos chamou a atenção a esplanada situada no bonito jardim central, onde abancámos para comer algo mais sólido e beber uma bebida fresca.
Se até aqui o percurso não tinha tido qualquer dificuldade de maior, era a partir daqui que se esperavam as maiores dificuldades.
Deixamos aquela bonita vila e passámos pela Ladeira, o nome ideal para a ascensão de vários quilómetros até ao Caramulo.
Uma bonita ascensão por uma bonita e verdejante estrada estrada, com passagem pelas Fontainhas, Litrela e Guardão de Baixo.
Entramos no Caramulo pelo seu irregular empedrado e fomos até ao famoso hotel onde defronte do mesmo se encontra o conhecido Museu do Caramulo e a sua riquíssima coleção de automóveis antigos.
Depois de tirada a foto da praxe, para mais tarde recordar, continuamos a subir até Monte Teso, onde fletimos à esquerda seguindo para a Varziela.
Num constante sobe e desce, passamos por Bezerreira e Cadraço, antes de chegar ao Caramulinho, o ponto mais alto daquela bonita serra.
Deixamos as bicicletas à guarda dum grupo de caravanistas que ali se encontravam a almoçar e subimos ao promontório, subindo os seus irregulares escalões.
Lá do alto a panorâmica é fantástica, avistando-se por um lado as Serras da Estrêla e Açor e do outro o Oceano, lá bem longe.
Descemos até junto dos caravanistas a quem agradecemos e voltamos à estrada, embrenhando-nos pelo coração da serra, cruzando algumas das suas peculiares aldeias, nomeadamente Almofala, teixo, Corte, Freimoninho, Caselho, Povinha, Foz e Agadão, antes de chegarmos a Belazaima do Chão, onde paramos para uma refrescante imperial.
Num constante sobe e desce seguimos por Póvoa do vale Trigo, Boialvo, Mata de Baixo, Canelas e Póvoa do Gago, antes de chegarmos ao Vale da Mó, onde encetamos a derradeira e longuíssima subida até ao Salgueiral, com passagem por Junqueira e Algeriz.
Depois foi sempre em descida até ao Luso, onde chegamos,  satisfeitos por mais uma aventura em modo vadio, desta vez pelo Buçado e Caramulo.
Como esta rapaziada não se contenta só com o pedalar, depois das bikes arrumadinhas e a malta já com outro visual, fomos assentar arraial no "Virgílio dos Leitões", na mealhada, "chincando" bem  os dentes no belo do "reco" ainda criança, acompanhado da batatinha frita às rodelas e acompanhado pelo fresquinho frisante.
Um dos momentos altos do dia a finalizar mais esta bela tertúlia de amigos, onde a bicicleta é o mote para estas manifestações lúdico/gastronómicas, ao mesmo tempo que vamos conhecendo, ou simplesmente recordando, outros belos recantos deste nosso belo Portugal.
bem satisfeitos e saciados, regressamos cá ao nosso condado, com paragem na esplanada da Carvalha, na Sertã, para uma última "loirinha" e deixarmos o meu irmão.
Contas feitas, passemo-nos por 121 kms nas belas estradinhas no coração da Serra do Caramulo, cruzamos a Mata do Buçaco, num agradável percurso circular, divertimo-nos, quanto baste e confraternizamos, sempre alegres e bem dispostos neste belo domingo de verão.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…