Avançar para o conteúdo principal

"Pelo Coração da Serra do Caramulo e Mata do Buçaco"

Ontem foi dia de volta vadia, na companhia do meu irmão Luís e dos amigos Jorge Palma, Álvaro Lourenço e Rui Salgueiro.
Como gosto de vadiar sempre em busca de  uma boa aventura, escolhi desta vez a Mata do Buçaco e Serra do Caramulo.
Saímos da cidade pelas 05h30 ruo à Sertã, onde nos encontraríamos com o meu irmão na Pastelaria Estrela Doce, que nos abriu a porta pelas 06h30 para tomar o pequeno almoço.
Depois de tomada a primeira refeição do dia, já a segunda para alguns, fomos até à Vila Termal do Luso, o o local de partida e chegada do nosso passeio domingueiro.
Depois de preparadas as bikes e restante material fizemo-nos à estrada, subindo em direção à Mata do Buçaco, onde entramos pela Porta do Serpa.
Com a sua estradinha empedrada e curvilínea desenhada num fascinante recanto onde as árvores têm porte gigantesco e são ricas em essências, perfumes e fulgor. 
Há uma transparência de luz e frescura de sabor místico quase divino e o sumptuoso Palace Hotel do Buçaco, outrora residência de reis e que nos nossos dias recebe Homens de Estado e quem, na busca da tranquilidade, tem o gosto de se acolher num dos mais belos hotéis românticos da velha Europa.
Foi uma pequena travessia que gostei bastante. Um hino à tranquilidade.
Abandonámos aquele local idílico pelas Portas da Rainha, mesmo defronte do Museu Militar e seguimos por uma estrada ondulante, que nos levou até à entrada de Mortágua, pela Moura e Barracão.
Ladeámos Mortágua e viramos à esquerda na rotunda e viramos o azimute a Campo de Besteiros, a rampa de lançamento para o Caramulo, passando por Cruz da venda Nova, Vila Meã, Vila de Moinhos, Tourigo, Barreiro de Besteiros e Cortiçada.
Chegados àquela vila, logo nos chamou a atenção a esplanada situada no bonito jardim central, onde abancámos para comer algo mais sólido e beber uma bebida fresca.
Se até aqui o percurso não tinha tido qualquer dificuldade de maior, era a partir daqui que se esperavam as maiores dificuldades.
Deixamos aquela bonita vila e passámos pela Ladeira, o nome ideal para a ascensão de vários quilómetros até ao Caramulo.
Uma bonita ascensão por uma bonita e verdejante estrada estrada, com passagem pelas Fontainhas, Litrela e Guardão de Baixo.
Entramos no Caramulo pelo seu irregular empedrado e fomos até ao famoso hotel onde defronte do mesmo se encontra o conhecido Museu do Caramulo e a sua riquíssima coleção de automóveis antigos.
Depois de tirada a foto da praxe, para mais tarde recordar, continuamos a subir até Monte Teso, onde fletimos à esquerda seguindo para a Varziela.
Num constante sobe e desce, passamos por Bezerreira e Cadraço, antes de chegar ao Caramulinho, o ponto mais alto daquela bonita serra.
Deixamos as bicicletas à guarda dum grupo de caravanistas que ali se encontravam a almoçar e subimos ao promontório, subindo os seus irregulares escalões.
Lá do alto a panorâmica é fantástica, avistando-se por um lado as Serras da Estrêla e Açor e do outro o Oceano, lá bem longe.
Descemos até junto dos caravanistas a quem agradecemos e voltamos à estrada, embrenhando-nos pelo coração da serra, cruzando algumas das suas peculiares aldeias, nomeadamente Almofala, teixo, Corte, Freimoninho, Caselho, Povinha, Foz e Agadão, antes de chegarmos a Belazaima do Chão, onde paramos para uma refrescante imperial.
Num constante sobe e desce seguimos por Póvoa do vale Trigo, Boialvo, Mata de Baixo, Canelas e Póvoa do Gago, antes de chegarmos ao Vale da Mó, onde encetamos a derradeira e longuíssima subida até ao Salgueiral, com passagem por Junqueira e Algeriz.
Depois foi sempre em descida até ao Luso, onde chegamos,  satisfeitos por mais uma aventura em modo vadio, desta vez pelo Buçado e Caramulo.
Como esta rapaziada não se contenta só com o pedalar, depois das bikes arrumadinhas e a malta já com outro visual, fomos assentar arraial no "Virgílio dos Leitões", na mealhada, "chincando" bem  os dentes no belo do "reco" ainda criança, acompanhado da batatinha frita às rodelas e acompanhado pelo fresquinho frisante.
Um dos momentos altos do dia a finalizar mais esta bela tertúlia de amigos, onde a bicicleta é o mote para estas manifestações lúdico/gastronómicas, ao mesmo tempo que vamos conhecendo, ou simplesmente recordando, outros belos recantos deste nosso belo Portugal.
bem satisfeitos e saciados, regressamos cá ao nosso condado, com paragem na esplanada da Carvalha, na Sertã, para uma última "loirinha" e deixarmos o meu irmão.
Contas feitas, passemo-nos por 121 kms nas belas estradinhas no coração da Serra do Caramulo, cruzamos a Mata do Buçaco, num agradável percurso circular, divertimo-nos, quanto baste e confraternizamos, sempre alegres e bem dispostos neste belo domingo de verão.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …