Avançar para o conteúdo principal

"Na senda dos veados"

Pensamento:
"Certas derrotas preparam-nos grandes vitórias"
(autor desconhecido)

.o0o.

.o0o.

Hoje, quando saí de casa pelas 07h55 para me juntar à malta na Pires Marques, dei com uma manhã ventosa e algo desagradável, acabando por se recompôr ao longo do dia.
Fui o primeiro a chegar, seguindo-se o Micaelo, o Arlindo e por último o Dino.
Já tinha falado com o Micaelo e com o Arlindo para irmos tomar o café ao "Joaquim Padeiro" a Monforte, mas decidimos alterar o trajecto, por o Dino ter que estar em Castelo Branco por volta das 12h.
Assim, resolvemos ir tomar o café ao "Pescaça" nos Lentiscais, saindo da cidade pelas 08h15, pelo single das Palmeiras, S. Martinho, ladeando as lixeiras velha e nova, descendo seguidamente para o Monte do Chaveiro que contornámos para a ponte nova do Ponsul.
Virámos à direita para o Monte do Picado e subimos aos Lentiscais, onde mais uma vez batemos com o nariz na porta do café "Pescaça", tendo que recorrer ao alternativo.
Depois do cafézinho e já com as forças algo recuperadas, dei um "lamiré" ao pessoal se queriam fazer uma incursãozinha aos montes da Baliza, para vermos algum veado. A resposta foi unânime. Bora lá!!!
Saímos dos Lentiscais por alcatrão, mas por pouco tempo, pois algumas centenas de metros mais à frente, saímos para a Herdade da Princesa e descemos por um trilho repleto de ramos e pequenos toros de eucaliptos por ali deixados aquando do corte destes, culminando numa parte um pouco mais inclinada e pedregosa e com pouca visibilidade derivado à falta de presença humana.
Logo que chegámos ao final do trilho, tivemos o primeiro avistamento. 4 belos veados saíram da barroca em direcção aos eucaliptos. Pouco depois 3 fêmeas também na mesma direcção e logo de seguida um outro imponente veado, também saído da barroca foi ao encontro dos restantes. Foram 2 ou 3 minutos que ficámos extasiados a olhar tal grandiosidade, em plemo "habitat" natural e sem ter que pagar por isso. Que beleza!!!
Cruzámos a barroca, denominada Barroca do Lobo e subimos pelos esteiros dos animais, a pé, que de outra forma não era possível, até chegar aos eucaliptos, onde já foi possível montar nas bikes.
Pouco tempo depois, mais 3 veados cruzaram o caminho em corrida, mesmo à nossa frente, sendo possível observar toda a sua imponência e altivez. Lindo de se ver!!!
Por ali pedalámos tirando uma foto aqui e ali e quando saímos do eucaliptal, mais uns quantos veados, tendo apenas observado 3, mas eram mais, corriam em direcção a um matagal próximo. Foi extasiante!!!
Avistei no total 14 veados em pouco mais de 30 minutos, além de outras espécies, na maioria perdizes, ao longo de todo o percurso.
È uma zona com muito potencial e onde pedalar è um enorme prazer. Sentimo-nos deveras fundidos com a natureza em toda aquela imensidão quase sem vestígios humanos, apenas aqui e ali sinais de abandono de alguns montes rurais, completamente em escombros e um ou outro "palanque" de caçador de esperas nocturnas.
Mas para se ter direito a estes pequenos previlégios è necessário sair debaixo do manto urbano, esquecer o relógio e algumas pequenas mordomias.
Pedalar nestas circunstâncias è certamente um prazer em fase de extinção. Cada vez vão aparecer mais parques ditos naturais e defensores da natureza (que natureza defenderão eles, na verdade??) e particulares a fecharem e chamarem seus grande parte dos caminhos públicos ainda existentes e não asfixiados por "aramadas" de utilidade duvidosa a clamar por um qualquer subsídio estatal!!!
Chegados ao talefe da Baliza, foi descer rápidamente para o Monte do Néo e subir a técnica subida para o arraial, onde viemos a cruzar a E.N para entrar novamente no Monte do Picado, retomando o troço que nos levara aos Lentiscais, agora em sentido inverso, até ao Ponsul.
Passámos a ponte e virámos à direita para o Monte da Ponte para mais à frente nos estafarmos na subida para o Forninho do Bispo, entrando na cidade pela Sra de Mércules, cerca das 12h15.
À entrada do Bairro da Boa Esperança eu e o Micaelo despedimo-nos do Dino e do Arlindo e ainda parámos num café para bebermos duas "bjécazinhas" bem frequinhas, que arrefeceram o radiador quase em ebulição e limparam um pouco o pó alojado nas gargantas. Até a voz ficou mais fina!! eheheh!!!
Foi sem dúvida uma volta bastante agradável e fascinante, apesar de algo dura, quer pelos animais avistados, quer pelos trilhos percorridos, onde não faltaram os singles, as descidas e subidas técnicas e outras bastante rápidas, os estradões e trilhos pisados apenas por alguns bêtetistas priveligiados para quem o BTT é também sinónimo de aventura.
Domingo, 29 há pedalada. Concentração no P.Infantil da P. Marques pelas 08h
Até lá
AC
.o0o.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…