Avançar para o conteúdo principal

"2º. Raid AC - Trilhos e Aventuras # Uma Visita à Gardunha#"

Pensamento:
"Se todos nós fizéssemos as coisas de que somos capazes, ficariamos espantados connosco mesmos"
(Thomas Edison)

Altimetria

Percurso no Google

.o0o.

Um pouco antes das 08h, já estava no local de partida para o 2º. Raid AC - Trilhos e Aventuras "Uma visita à Gardunha", acompanhado do Álvaro e do Ricardo que se juntaram a mim à porta da minha garagem.
Apareceram para o Raid, o João Valente, o Micaelo, o Roberto, o Agnelo e o Joaquim Cabarrão.
Campareceram também o Dino, mas apenas para nos acompanhar durante algum tempo, até chegar a hora de regressar à cidade, pois não iria fazer o Raid completo, assim como a Álvaro por estar de serviço de prevenção e o Ricardo.
Lá partimos os 9, uns com destino à Serra da Gardunha e outros até á zona da Barragem de Santa Águeda, onde regressariam por outro trajecto.
Saímos em andamento suave, pois a quilometragem era um pouco "xxl" e um bom aquecimento é essencial nestas "andanças"
Passámos pela Atacanha e virámos à esquerda para cruzarmos a EN.18 e continuar, com rumo à zona de Valverde, seguindo depois pelo Vale Coelheiro até à Ermida da Nossa Sra da Encarnação, onde esperámos pelo Dino e Agnelo, que falharam um cruzamento e seguiram em frente.
Já com a malta toda junta, contornámos a Póvoa de Rio de Moinho, pelas hortas e apanhámos o estradão que nos levou pelo Vale Carrapiço até ao Vale Paviola, onde se deu a separação do grupo.
Eu, o João Valente, o Micaelo, o Roberto e o Agnelo tirámos "azimute" em direcção à Serra da Gardunha e o Álvaro, o Ricardo e o Dino regressaram a Castelo Branco, com um novo elemento, o Joaquim Cabarrão, que se tornou a baldar.
Entretanto apareceram mais 2 betêtistas, que disseram ser da Póvoa Rio de Moinhos e que nos acompanharam durante alguns kms até à zona do Talhadouro.
Entrámos no largo estradão que vêm de Sobral do Campo para o Louriçal e a seguir ao Monte do Cotovio, virámos à esquerda para atacarmos a subida ao Casal da Serra, agora bastante deteriorada, além de longa, sendo a primeira parte melhor ciclável, até à zona das Cruz das Olas, onde virámos à direita para as Gingeiras, agora com pior piso e com maior inclinação, que só nos concedeu algum alívio um pouco antes de chegar ao campo de futebol.
Quando chegámos à estrada que vem de S. Vicente da Beira, esperámos um pouco pelo pessoal mais atrasado, para depois descermos juntos para o Casal da Serra e parar na fonte, onde nos refrescámos na sua bica que jorra água com abundância. Que o diga o Roberto, que só lhe faltou dar um mergulho no pequeno tanque.
Comemos, bebemos, conversámos e antes de continuar a nossa "odisseia" oleámos as correntes das "biclas" para não falharem no restante trajecto.
Atravessámos a aldeia e demos início à subida para o Miradouro, esta um pouco mais acessível, mas com alguns troços com bastante gravilha, que nos dificultava a progressão.
Chegámos à primeira casa florestal, na confluência do estradão que vem do Louriçal e virámos à esquerda para o miradouro, sempre em subida.
No miradouro éramos aguardados pelo Rui do "Amieiro Bikes" acompanhado do sobrinho e que já hà algum tempo nos esperavam para nos acompanhar no percurso de regresso até à Soalheira, local de onde tinham partido.
Subimos os "calhaus" que compôem o miradouro para apreciarmos as belas paisagens que dalí se avistam, quando ainda tinhamos na retina as espectaculares visões paisagisticas que observámos sobre a Barragem de Santa Águeda e zonas circundantes, até onde a nossa vista podia alcançar. Soberbo!!! È isto que me faz palmilhar kms na minha "Trek". E ainda há tanto para ver e descobrir!!!Que não me faltem as pernas, que vontade há de sobra e para partilhar com os meus amigos. Assim os consiga contagiar!!!
Depois do miradouro, foi puro gozo.
Algum terreno plano até à segunda casa florestal, seguindo um pequeno sobe e desce para o Monte da Andorinha e depois sempre a abrir até Castelo Novo numa descida louca, com todos os ingredientes e a terminar numa calçada, onde o "rabinho" convém estar algo recuado, para evitar o sempre temido "salto mortal em frente".
O Agnelo furou logo no início da descida, mas recuperou bem, apenas lhe vimos o "esteiro".
Parámos em Castelo Novo e eu e o João Valente, pirámo-nos logo à entrada, para os lados da igreja, para tirar umas fotos ao Castelo, à Torre de Menagem, ao Pelourinho e à bica principal.
Só depois nos juntámos ao grupo, que nos aguardava na outra bica, um pouco mais abaixo.
Mal chegámos, nem tivémos tempo de tirar os "camelbacks", já havia malta a "clamar" por uma "bjeca". O Micaelo que diga, se não estou a falar verdade.eheheh.
Descemos então em direcção ao Restaurante "O Lagarto", que por azar estava fechado. E logo hoje, que a maioria da malta era "SLB"
Lá tivémos que tornar a subir um pouco, para apanhar o caminho que passa entre os pomares para o Borracheiro, onde o trilho se encontrava cheio de silvas, bem viçosas, que nos impediu a progressão a pedalar.
Tivémos que passar, uns desviando os ramos das silvas para progredir, e outros pela lavrada.
Dalí seguimos para a zona das Baganheiras, onde virámos à esquerda, para a Soalheira, parando no café dos Bombeiros, ávidos por uma "bjeca" e umas "cocas".
Depois da comidinha, o corpinho "desengelhou" um pouco e resolvemos continuar, não sem antes nos divertirmos um pouco com um homem que estava junto às nossas biclas e que nos saíu um "castiço" reinadio.
O Rui e o sobrinho ficaram-se por ali, pois já estavam em casa e nós encetámos o regresso à cidade pelos Lameiros da Ordem, até entroncarmos na EN.18, que seguimos até à Lardosa, isto por ter falhado uma viragem à esquerda, entretido à conversa com o João Valente. Mas ninguém refilou!!
Não chegámos a entrar na Lardosa e apanhámos o trilho para a Folha da Lardosa, Pôr da Vaca e Alcains que atravessámos em direcção a Sta Apolónia e Atacanha, chegando a Castelo Branco pelas 16h, com 91 kms percorridos em bom companheirismo e apesar de algum empeno, valeu pelas belas paisagens e alguns trilhos pela serra.
Foi um óptimo dia de "pedaladas" na companhia de bons amigos.
Vou preparar o 3º. Raid, talvez para o mês de Setembro.


Comentários

Varadero disse…
Bonita volta. Como eu gostava de ter ido arfar com vocês!!!
Espero em Setembro já estar apto a andar outra vez!!!
FMicaelo disse…
Amigo AC só lhe deixo uma palavra - Obrigado! Venham as próximas!
DrFunkenstein disse…
Amigo Cabaço, aqui fica a minha palavra de admiração pelo seu Blog. O BTT também é uma das minhas grandes paixões e é sempre com entusiasmo que leio as suas "reportagens" cada vez mais elaboradas e interessantes. Ao mesmo tempo é uma maneira de matar saudades da melhor terra do mundo - Castelo Branco (a minha), apesar de viver em Mafra. Se não se lembra de mim,(Rui) já tive o prazer de fazer alguns passeios consigo e com a malta aí da zona. Como "Guru do BTT local" ,continue a elevar o espírito e a beleza deste nobre desporto. Se um dia tiver oportunidade de passear por esta zona, não hesite, traga a bike e contacte-me. Será sempre bem recebido. Permita-me que adicione o seu link no meu blog, apesar de n ser exclusivo da modalidade mas sim de assuntos generalistas ligados a um género específico, tb quero dar um cheirinho do BTT. Abraço e até um dia destes.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…