Avançar para o conteúdo principal

"Puro BTT"

Pensamento:
"Se encontrares um caminho sem obstáculos, pensa que talvez não te leve a nenhum lugar"
(autor desconhecido)



altimetria

percurso no google

.o0o.
08h05.
Lá estava eu a chegar ao ponto de encontro. Apenas o FMike ás voltinhas aguardando algum companheiro para dar umas pedaladas.
A manhã estava convidativa para uma volta de BTT. E porque não uma volta à antiga?? Sem objectivos definidos!! À aventura!!! Sem tempo para chegar; média horária para manter o ego;classificação para me iludir; algo para ganhar!!!
Desafiei o FMike para descermos às profundezas, lá para os lados do Cabeço do Pico e não esperava outra resposta. "Bora lá"!!!
Calmamente e sem stresses pedalámos em direcção ao Valongo para apanharmos os trilhos para os Maxiais, onde pretendíamos tomar o cafézinho. Ideia gorada. O único café que conheço na aldeia, ainda estava fechado.
Saímos dos Maxiais pela zona da Fonte do Laranjinha e começámos a descer para o Ribeiro do Muro pelo trilho usado na Maratona da ACCB, onde já próximo do ribeiro virámos à esquerda por um trilho espectacular até ao pontão, onde parámos para tirar umas fotos.
O FMike teve então a ideia de puxar uma corda presa a um dos tubos da ponte. Desastre total!!! O tubo servia de ninho a um enxame de abelhas, daquelas que são bravas... mas mesmo, mesmo bravas e lá vai disto. Umas quantas desalmadas, saíram em formação cerrada e toca a ferrar na malta, pondo-nos a gesticular, que mais parecia a dança da chuva dos peles vermelhas no tempo do velho oeste.
A vontade de sair dalí era tanta que só quando ia montar a bike è que reparei que não era a minha. Azar meu!!! ainda tive que lá voltar para ir buscar a minha. E o FMike com um sorrisinho matreiro. está registado.eheheh!!!
Depois deste caricato episódio, continuámos pelo trilho sempre a ladear o Ribeiro do Muro, envolvidos em belas e espectaculares paisagens, até chegarmos a um entrocamento de caminhos, onde ouvimos um barulho à nossa direita e quando olhámos, uma agradável surpresa!!!


Um imponente veado tinha saído do matagal junto ao ribeiro e subia encosta acima sem grandes pressas dando tempo a que pudéssemos tirar uma foto.
Ficámos um pouco parados a olhar para o local onde aquele tinha desaparecido, talvez esperando que voltasse. Mas queriamos mais.
Demos então a volta ao cabeço na esperança de o voltarmos a ver, agora na outra encosta, mas o veado evaporou-se.
Continuámos a nossa aventura por outro trilho, que de repente se transformou num belo e técnico single track, que acabámos por não explorar na totalidade por ir em direcção à fundura, para os lados do Ribeiro do Barco. Ficará para outra oportunidade.
Seguiu-se uma subida inclinada e um pouco técnica, para umas centenas de metros mais à frente entrarmos na sucessão de descidas para as Casas Velhas, onde parámos para mais umas fotos.
Continuámos a descer, desta vez para o Ribeiro da Pipa, perto do local onde desagua, no Ribeiro do Barco e subimos para a extrema do Monte do Canafixal, continuando para o Monte do Fagundes, outrora um arraial com muita vida e agora em escombros e um pequeno ponto, algures no meio de extensos eucaliptais.
Em pedalada calma e em conversa amena, chegámos ao Valongo. Eram 11h. Hora ideal para recarregar baterias. Apontámos a "proa" das "binas" em direcção ao bar da Associação do Valongo, onde nos deliciámos com um belo par de "bjecas" bem fresquinhas, que até fizeram tremer a espinha e foram seguramente, o melhor antibiótico para as "ferroadas" das abelhinhas.
Já com o corpinho bem acondicionado e desengelhado, rumámos ás nossas "maisons" na Pires Marques, onde chegámos pelas 12h com 36 agradáveis e bem explorados kms, onde parámos, conversámos, demos trabalho à digital, avistámos um belo "Cervo", bebemos um par de "bjecas", modelo nacional e chegámos a casa em muito bom estado geral.
Uma voltinha ao alcance de qualquer um. Da próxima vez não se acanhem. Ok!!!
Os cracks são da bola, ou para "martelar" software. Nós andamos de bike e o nosso lema è pedalar e conviver!!!

Comentários

Varadero disse…
Belo exemplar!!!!

Desta vez a máquina foi mais rápida que o bicho!

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…