Avançar para o conteúdo principal

"Uma volta domingueira"

Pensamento:
"Segredo para uma vida longa: pouca cama, pouco prato, muita sola de sapato."
(autor desconhecido)

percurso no google

altimetria


.o0o.

Hoje não era minha intenção ir pedalar.
Saí na sexta feira para Espanha e só pensava regressar domingo, mas acabei por regressar ainda no sábado à noite.
Como o vício alimenta a alma, não resisti e hoje pelas 08h lá estava eu a chegar ao local habitual de encontro, já acompanhado pelo Àlvaro.
No parque estava o Arlindo, o Dino, o Nuno Diaz, o Filipe e pela 2ª. vez no grupo e 1ª. comigo, o Ricardo.
Hoje era o Àlvaro que nos conduzia até ao Martim Branco, sua terra Natal.
Mas acabámos por não chegar à aldeia, por escassez de tempo.
Saímos pelo portal do frigorífico e seguímos por Sta Apolónia, Casal da Contenda, Folha da Lardosa e parámos na povoação (Lardosa) para tomar café.
O dia apresentava-se nublado e eram esperadas umas pingas para acalmar o pó dos caminhos.
Saímos pela zona do Tanque em direcção à Barragem de Santa Águeda, passámos pelo Monte do Satão, pelo espectaculat trilho entre mimosas e voltámos à esquerda no Monte do Mota.
Parámos no pontão onde o Rio Ocreza se adentra nas águas da barragem criando belas paisagens.
Após uma foto de grupo, continuámos para o Freixial do Campo, passando pela Barroca do Lobo, Vale Carvalho, Ferrarias e Vale Sando.
Depois da espectacular descida para o vale, o Ricardo deu a 1ª. queda do dia, ficando com algumas escoriações.
Subímos para o Freixial e fomos ao café habitual, onde a "Ti Guilhermina" nos presenteou com uns deliciosos bolos caseiros para acompanhar as cocas, que nos saciaram a "gula".
O Ricardo já vinha bastante desgastado e esta paragem fez-lhe bem, porém, o andamento a partir daí foi reduzido substancialmente para que nos pudesse acompanhar.
Passámos a Barroca da Senhora e a Quinta de Valverde e na descida para o pontão da Ribeirinha, o Ricardo voltou a cair, ao deixar a bike "ir ao rego", sem consequências graves.
Como já vinha bastante cansado, fez o regresso à cidade por asfalto, acompanhado pelo Arlindo e eu e o Nuno Diaz fomos andando devagar esperando pelo resto da malta que ficou a acompanhar o Dino que tivera um furo à saída do Freixial.
O grupo, com excepção do Ricardo e do Arlindo, voltou a unir-se junto ao Parque de Campismo e chegámos a Castelo Branco cerca das 13h, com 67 kms percorridos.
Resumo:
3 furos: Ricardo e Dino 2x
2 quedas: Ricardo 2x


Terça Feira, dia 17 há pedalada. Comparece pelas 08h na Pires Marques.

Até lá

AC

Comentários

JD disse…
Olá.

Preciso de ajuda, e o autor deste blog poderá ser a minha salvação. Tenho um Garmin Edge 205, e sei passar as rotas que faço para o computador, google maps, etc. Mas não sei o mais importante: construir uma rota no google maps e passá-la para o aparelho de GPS, para que depois possa seguir os pontos previamente definidos. Poderá ajudar-me?

Obrigado joao.pedro.delgado@netvisao.pt

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…