Avançar para o conteúdo principal

"Uma volta domingueira"

Pensamento:
"Segredo para uma vida longa: pouca cama, pouco prato, muita sola de sapato."
(autor desconhecido)

percurso no google

altimetria


.o0o.

Hoje não era minha intenção ir pedalar.
Saí na sexta feira para Espanha e só pensava regressar domingo, mas acabei por regressar ainda no sábado à noite.
Como o vício alimenta a alma, não resisti e hoje pelas 08h lá estava eu a chegar ao local habitual de encontro, já acompanhado pelo Àlvaro.
No parque estava o Arlindo, o Dino, o Nuno Diaz, o Filipe e pela 2ª. vez no grupo e 1ª. comigo, o Ricardo.
Hoje era o Àlvaro que nos conduzia até ao Martim Branco, sua terra Natal.
Mas acabámos por não chegar à aldeia, por escassez de tempo.
Saímos pelo portal do frigorífico e seguímos por Sta Apolónia, Casal da Contenda, Folha da Lardosa e parámos na povoação (Lardosa) para tomar café.
O dia apresentava-se nublado e eram esperadas umas pingas para acalmar o pó dos caminhos.
Saímos pela zona do Tanque em direcção à Barragem de Santa Águeda, passámos pelo Monte do Satão, pelo espectaculat trilho entre mimosas e voltámos à esquerda no Monte do Mota.
Parámos no pontão onde o Rio Ocreza se adentra nas águas da barragem criando belas paisagens.
Após uma foto de grupo, continuámos para o Freixial do Campo, passando pela Barroca do Lobo, Vale Carvalho, Ferrarias e Vale Sando.
Depois da espectacular descida para o vale, o Ricardo deu a 1ª. queda do dia, ficando com algumas escoriações.
Subímos para o Freixial e fomos ao café habitual, onde a "Ti Guilhermina" nos presenteou com uns deliciosos bolos caseiros para acompanhar as cocas, que nos saciaram a "gula".
O Ricardo já vinha bastante desgastado e esta paragem fez-lhe bem, porém, o andamento a partir daí foi reduzido substancialmente para que nos pudesse acompanhar.
Passámos a Barroca da Senhora e a Quinta de Valverde e na descida para o pontão da Ribeirinha, o Ricardo voltou a cair, ao deixar a bike "ir ao rego", sem consequências graves.
Como já vinha bastante cansado, fez o regresso à cidade por asfalto, acompanhado pelo Arlindo e eu e o Nuno Diaz fomos andando devagar esperando pelo resto da malta que ficou a acompanhar o Dino que tivera um furo à saída do Freixial.
O grupo, com excepção do Ricardo e do Arlindo, voltou a unir-se junto ao Parque de Campismo e chegámos a Castelo Branco cerca das 13h, com 67 kms percorridos.
Resumo:
3 furos: Ricardo e Dino 2x
2 quedas: Ricardo 2x


Terça Feira, dia 17 há pedalada. Comparece pelas 08h na Pires Marques.

Até lá

AC

Comentários

JD disse…
Olá.

Preciso de ajuda, e o autor deste blog poderá ser a minha salvação. Tenho um Garmin Edge 205, e sei passar as rotas que faço para o computador, google maps, etc. Mas não sei o mais importante: construir uma rota no google maps e passá-la para o aparelho de GPS, para que depois possa seguir os pontos previamente definidos. Poderá ajudar-me?

Obrigado joao.pedro.delgado@netvisao.pt

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …