Avançar para o conteúdo principal

"Memórias da Maratona Perdida"

Folheando a Revista B, deparei com este texto do Nuno Neves e com o qual me identifico plenamente!!!
Talvez seja já um daqueles "caras" que não percebem nada destas novas formas de andar de bike, ou talvez, a outra geração a que ainda pertenço, esteja a afetar a minha visão da "coisa"!!!
Mas o fato, é que gosto mesmo de andar de bicicleta, ou melhor, adoro andar de bicicleta, e por isso, não resisto a transcrever para este meu cantinho na blogosfera, este "profundo" texto do Nuno Neves!!!
. . . JÁ LÁ VAI O TEMPO em que a palavra maratona de BTT significava uma prova de superação pessoal em que o objetivo era conseguir chegar ao fim, demorasse o tempo que demorasse, tendo como elementos de motivação a diversão, a companhia dos amigos e a beleza dos locais percorridos.
A partir do momento em que o relógio entrou nas maratonas, estas perderam o encanto, a inocência e o romantismo de outro tempo. As maratonas transformaram-se em aglomerados de pessoas, obcecadas em terminar o mais rápidamente possível, sempre com os olhos fixos no guiador. Deixou de ser importante o desafio, a cumplicidade com os amigos e com os locais por onde se passa. Passaram a ser mais importantes as marcações do percurso, os abastecimentos, os banhos e os jerseys. Passou a ser obrigatório ir a algumas maratonas, pelo simples fato de serem muito populares e levarem muita gente. Não ir remete ao silêncio as conversas de Segunda Feira, ao final do dia na loja das bicicletas, sobre assuntos do género; O Zé que empenou, o Luís que ficou em 142º lugar, mas que ainda ficou 23 lugares à frente do João, que se fartou de treinar. . .
As maratonas tornaram-se desprovidas de caráter, amorfas e perfeitos martírios. Passaram a ser um prolongamento da semana de trabalho, contribuindo ainda mais para os níveis de stress. O relógio apoderou-se das maratonas como uma doença: há que acabar, o mais rápidamente possível! São os colegas à espera, o almoço, as fitas a tirar e o lixo a limpar. . .
Muitas maratonas passam por locais lindíssimos, alguns deles propriedade privada, que só através destes eventos se tornam acessíveis para a prática do BTT. É de reconhecer o esforço de muitos organizadores em mostrar e dar a conhecer o melhor das suas terras. Pena é que, face à evolução que as maratonas tiveram, já poucos usufruam dessas belezas.
Estou convito que o importante não é chegar, é o caminho que se percorre para lá chegar.
Conversar com os amigos enquanto se pedala, apreciar a Natureza, sentir o cheiro da terra, sentir o corpo em piloto automático quando as forças já se foram, são sensações únicas e que fazem sentir que andar de bicicleta é evasão e diversão. Estas memórias, sim, perduram no tempo.
Não sei se me perdi ou se a maratona me perdeu mas, por tudo isto, estas maratonas já não são para mim.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

João Afonso disse…
Concordo plenamente e assino por baixo.
BOAS FESTAS.
1 abraÇo.
Inteiramente de acordo companheiro do pedal.
Sou, isto é era, um participante assíduo de maratonas. Comecei a repara de facto que o espírito de companheiro estava ausente e deixei de participar em muitas delas pois o que procurava afinal não estava lá. Comecei areparar que mesmo os colegas de "equipa" competiam entre si e nºao se via o espirito de entre ajuda quando existia ume mepeno, uma caimbra ou seja o factor humano estava a ficar para trás.

Revejo-me nesse post apesar que continuo a gostar de maratonas mas agora apenas 2 ou 3 as faço mesmo com os amigos do pedal. As outras ficam para os outros falarem nas segundas-feiras e se vangloriarem de que ficaram á frente 10 minutos do colega...
Boas pedaladas
Ricardo Tavares
Unidos Pelo Pedal-Sanguedo

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …