Avançar para o conteúdo principal

"Vale do Ponsul e Parrocha"

Hoje, juntei-me à rapaziada das Docas, para uma voltinha de btt, descontraída e a "modos que" para dissipar "vapores", adquiridos no jantar de natal da comunidade ciclistica cá do burgo.
Saímos, já as 08h tinham passado pelos nossos relógios há algum tempo e rumámos à Sra de Mércules, com paragem na Tasca das Palmeiras, para a matinal dose de cafeína.
Os onze companheiros que hoje se juntaram nesta pedalada, encheram práticamente a tasca e despertaram curiosidade dos poucos presentes, àquela hora matinal.
Passámos pelo Forninho do Bispo e junto à Casa dos Malpiqueiros, virámos ao Vale do Ponsul, onde chegámos, descendo ao Monte do Sordo.
Seguimos o estradão para o Monte do Pombal e entrámos no leito do Ribeiro das Casas, ligeiramente alterado, pela construção da pequena barragem a juzante.
Em terreno pesado, pedalámos até chegar ao malhão do Monte do Pombal e passámos pela pequena e bonita Barragem das Casas, hoje envolta num ambiente fantasmagórico, criando uma imagem fantástica.
Já em direção à Casa do Estrelo e, de novo no estradão principal, fomos até à entrada do Monte da Granjinha de Baixo, onde demos início à arfante subida ao VG da Granja.
Num sobe e desce pela mata de eucaliptal, fomos até à estradinha que segue até Belgais e antes da ultima descida ao Vale, virámos à esquerda, parando pouco depois, para apreciar aquela bela panorâmica sobre o Vale do Ponsul e tirar uma foto de grupo.
Depois, foi serpentear pelas curvas de nível até ao Monte Redondo, onde nova subida, ao Monte da Parrocha, nos deu pouco tempo de descanso.
Entrámos de novo na estradinha para Belgais, agora junto ao Alto da Monheca, saindo depois em direção à Tapada do Caraca, Barrão e Tapada da Nogueira, entrando nos Escalos de Baixo, para uma paragem no Café "O Lanche", onde enxugámos o barro agarrado à roupagem, enquanto bebíamos um par de "jolinhas".
A hora de almoço ía chegando e tinhamos que nos aproximar mais rápidamente da cidade, tomando por isso o rumo à Vinha do Marco e Monte Brito, virando depois para o Curral do Prego, onde à saída, deparámos com a imensa terraplanagem para a construção do novo aeródromo.
No Alagão fomos vítimas dum congestianamento de tráfego ovino, que nos fez perder algum tempo e, tirar dúvidas, de que, aqueles animais são mesmo estúpidos, se é que alguem ainda tinha dúvidas.
De novo em andamento, foi por pouco tempo, pois uma passagem aquática, fez-nos saltitar na lama, acabando por sujar o fatinho ainda mais um pouco.
A cidade já estava à vista e pela Quelha da Quinta da Feiteira, chegámos aos Buenos Aires, após 46 divertidos kms e onde a malta se despediu, com a promessa de novas aventuras.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Obrigado por darem motivos para continuar a dizer LINDO. É muito reconfortante ver que as reuniões da familia ALBICICLISTA vieram para ficar. Parabens aos que se juntaram para esta voltinha, pelo relato e fotos espectaculares!
Um abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …