Avançar para o conteúdo principal

"Vale do Ponsul e Parrocha"

Hoje, juntei-me à rapaziada das Docas, para uma voltinha de btt, descontraída e a "modos que" para dissipar "vapores", adquiridos no jantar de natal da comunidade ciclistica cá do burgo.
Saímos, já as 08h tinham passado pelos nossos relógios há algum tempo e rumámos à Sra de Mércules, com paragem na Tasca das Palmeiras, para a matinal dose de cafeína.
Os onze companheiros que hoje se juntaram nesta pedalada, encheram práticamente a tasca e despertaram curiosidade dos poucos presentes, àquela hora matinal.
Passámos pelo Forninho do Bispo e junto à Casa dos Malpiqueiros, virámos ao Vale do Ponsul, onde chegámos, descendo ao Monte do Sordo.
Seguimos o estradão para o Monte do Pombal e entrámos no leito do Ribeiro das Casas, ligeiramente alterado, pela construção da pequena barragem a juzante.
Em terreno pesado, pedalámos até chegar ao malhão do Monte do Pombal e passámos pela pequena e bonita Barragem das Casas, hoje envolta num ambiente fantasmagórico, criando uma imagem fantástica.
Já em direção à Casa do Estrelo e, de novo no estradão principal, fomos até à entrada do Monte da Granjinha de Baixo, onde demos início à arfante subida ao VG da Granja.
Num sobe e desce pela mata de eucaliptal, fomos até à estradinha que segue até Belgais e antes da ultima descida ao Vale, virámos à esquerda, parando pouco depois, para apreciar aquela bela panorâmica sobre o Vale do Ponsul e tirar uma foto de grupo.
Depois, foi serpentear pelas curvas de nível até ao Monte Redondo, onde nova subida, ao Monte da Parrocha, nos deu pouco tempo de descanso.
Entrámos de novo na estradinha para Belgais, agora junto ao Alto da Monheca, saindo depois em direção à Tapada do Caraca, Barrão e Tapada da Nogueira, entrando nos Escalos de Baixo, para uma paragem no Café "O Lanche", onde enxugámos o barro agarrado à roupagem, enquanto bebíamos um par de "jolinhas".
A hora de almoço ía chegando e tinhamos que nos aproximar mais rápidamente da cidade, tomando por isso o rumo à Vinha do Marco e Monte Brito, virando depois para o Curral do Prego, onde à saída, deparámos com a imensa terraplanagem para a construção do novo aeródromo.
No Alagão fomos vítimas dum congestianamento de tráfego ovino, que nos fez perder algum tempo e, tirar dúvidas, de que, aqueles animais são mesmo estúpidos, se é que alguem ainda tinha dúvidas.
De novo em andamento, foi por pouco tempo, pois uma passagem aquática, fez-nos saltitar na lama, acabando por sujar o fatinho ainda mais um pouco.
A cidade já estava à vista e pela Quelha da Quinta da Feiteira, chegámos aos Buenos Aires, após 46 divertidos kms e onde a malta se despediu, com a promessa de novas aventuras.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Obrigado por darem motivos para continuar a dizer LINDO. É muito reconfortante ver que as reuniões da familia ALBICICLISTA vieram para ficar. Parabens aos que se juntaram para esta voltinha, pelo relato e fotos espectaculares!
Um abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…