Avançar para o conteúdo principal

"Las Hurdes e Senda Alfonso XIII"

Las Hurdes

". . . Si en todas partes del mundo el hombre es hijo de la tierra, en Las Hurdes la tierra es hija de los hombres"
· Miguel de Unamuno ·
Las Hurdes empieza donde acaba la fantasía del sueño. Parajes inundados de naturaleza, color y vida, que dan a la comarca una singularidad difícilmente irrepetible e inigualable. Entre valles y colinas, el sol y el agua dibujan paisajes de coloridos intensos en cada una de las estaciones, llegando a su máximo esplendor al eclosionar la primavera. Largos y espesos son los silencios que se extienden por la historia de esta comarca. Esto hace que sea un lugar de leyendas y tradiciones que sus gentes se resisten a perder en pro de una historia pasada y una identidad propia.

.o0/0o.

Foi por aqui que reiniciámos a nossa aventura de fim de semana, pelas fantásticas serranias de Las Hurdes, cuja beleza tenho dificuldade em descrever por simples palavras.
Saímos do Camping após o matinal pequeno almoço, com as bikes carregadas nas viaturas e fomos até Nuñomoral, uma bonita aldeia situada no bonito Vale do Rio Hurdano.
Trocámos as viaturas pelas bikes e começámos logo a subir, cerca de 9 kms em largo estradão até ao Mirador de las Carrascas, onde nos cruzámos com um grupo de betêtistas espanhois, que vinham de Vegas de Cória.
Depois das apresentações, dois dedos de conversa e uma foto para mais tarde recordar, cada grupo seguiu o seu destino.
Nós, tínhamos mesmo ali a "fina flôr" do nosso percurso de hoje . . . a entrada para a  maravilhosa Senda de Alfonso  XIII, uma rota histórica recordando a passagem do Rei pela Comarca de las Hurdes.
Esta rota tem início em Casar del Palomero e segue até Las Mestas, numa extensão de 22 kms.
Nós apenas fizemos o troço do Mirador de las Carrascas até Heras, com ligação a outro "sendero" até ao Cerezal.
Em descida e com zonas de forte pendente, gozámos e abusámos daquela incrível trialeira. Toda a malta descarregou adrenalina e gozou com a beleza daquelas paragens.
Sensivelmente a meio da trialeira, passámos por uma singular aldeia, de seu nome Carabusino, onde um pouco antes tinha furado o pneu da frente da minha bike, mesmo junto a uma bela fonte natural, que jorrava fresquíssima água da montanha.
Ali bebemos, reabastecemos e nos refrescámos, enquanto a pequena anomalia era reparada.
Descemos a Heras e no Complexo de Turismo Rural de la Cabachuela, assentámos arraial para beber "unas cañas" e comer una "bocatta".
Já recompostos seguimos até Asegur, onde entrámos numa secção de singles fantásticos sempre a ladear o Rio Hurdano até Cerezal.
Aqui o Pedro Roxo e o Nuno Eusébio seguiram por asfalto para Nunõmoral, a uns escassos 3 kms e eu o meu irmão Luís e o José Luís, iniciámos ainda a subida da Sierra da Corredera até ao Mirador do Pico de la Hoya, por uma terrivel e constante subida de 11 kms.
A ideia era contornar a serra e descer para Nuñomoral, mas as altas temperaturas (49º) naquela altura, a escassez de água e o fato de nós já não termos água nos camelbags, fizeram "disparar" o bom senso e reservámos aquele percurso para outra oportunidade com novo track a iniciar no outro lado da serra.
Começámos a subir junto ao "Embalse del Arrocerezal" a que pouco ligámos, parando apenas para uma foto.
No retorno e por aquela, agora rápida descida", não me saía da mente a visão daquela bacia hidrográfica.
Saltámos das bikes e água com eles. Logo junto ao paredão havia uma zona de pouca profundidade e foi ai que me sentei durante algum tempo. Até a água estava morna, mas soube que nem "ginjas!"
Lá no alto, no miradouro, desfrutámos da majestosa vista sobre o vale hurdano e das bonitas aldeias de Martiladrán, Fragosa e El Gasco, pequeníssimas, aos nossos olhos.
Voltámos a Cerezal, onde abastecemos numa fonte junto à estrada e regressámos a Nuñomoral, onde parámos num café local para "mamarmos" umas valentes "cañas" e uns belos "pinchos" . . . "que se lixe a troika!!!"
Voltámos ao Camping, tomámos o banhinho e calmamente fomos fazer uma nova visita a La Alberca, onde jantámos calmamente em amena cavaqueira.
No dia seguinte e último deste fantástico fim de semana alongado, iríamos trocar a Btt pela roda fina para um bonito percurso montanhoso e de inegável beleza.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…