Avançar para o conteúdo principal

"Las Hurdes e Senda Alfonso XIII"

Las Hurdes

". . . Si en todas partes del mundo el hombre es hijo de la tierra, en Las Hurdes la tierra es hija de los hombres"
· Miguel de Unamuno ·
Las Hurdes empieza donde acaba la fantasía del sueño. Parajes inundados de naturaleza, color y vida, que dan a la comarca una singularidad difícilmente irrepetible e inigualable. Entre valles y colinas, el sol y el agua dibujan paisajes de coloridos intensos en cada una de las estaciones, llegando a su máximo esplendor al eclosionar la primavera. Largos y espesos son los silencios que se extienden por la historia de esta comarca. Esto hace que sea un lugar de leyendas y tradiciones que sus gentes se resisten a perder en pro de una historia pasada y una identidad propia.

.o0/0o.

Foi por aqui que reiniciámos a nossa aventura de fim de semana, pelas fantásticas serranias de Las Hurdes, cuja beleza tenho dificuldade em descrever por simples palavras.
Saímos do Camping após o matinal pequeno almoço, com as bikes carregadas nas viaturas e fomos até Nuñomoral, uma bonita aldeia situada no bonito Vale do Rio Hurdano.
Trocámos as viaturas pelas bikes e começámos logo a subir, cerca de 9 kms em largo estradão até ao Mirador de las Carrascas, onde nos cruzámos com um grupo de betêtistas espanhois, que vinham de Vegas de Cória.
Depois das apresentações, dois dedos de conversa e uma foto para mais tarde recordar, cada grupo seguiu o seu destino.
Nós, tínhamos mesmo ali a "fina flôr" do nosso percurso de hoje . . . a entrada para a  maravilhosa Senda de Alfonso  XIII, uma rota histórica recordando a passagem do Rei pela Comarca de las Hurdes.
Esta rota tem início em Casar del Palomero e segue até Las Mestas, numa extensão de 22 kms.
Nós apenas fizemos o troço do Mirador de las Carrascas até Heras, com ligação a outro "sendero" até ao Cerezal.
Em descida e com zonas de forte pendente, gozámos e abusámos daquela incrível trialeira. Toda a malta descarregou adrenalina e gozou com a beleza daquelas paragens.
Sensivelmente a meio da trialeira, passámos por uma singular aldeia, de seu nome Carabusino, onde um pouco antes tinha furado o pneu da frente da minha bike, mesmo junto a uma bela fonte natural, que jorrava fresquíssima água da montanha.
Ali bebemos, reabastecemos e nos refrescámos, enquanto a pequena anomalia era reparada.
Descemos a Heras e no Complexo de Turismo Rural de la Cabachuela, assentámos arraial para beber "unas cañas" e comer una "bocatta".
Já recompostos seguimos até Asegur, onde entrámos numa secção de singles fantásticos sempre a ladear o Rio Hurdano até Cerezal.
Aqui o Pedro Roxo e o Nuno Eusébio seguiram por asfalto para Nunõmoral, a uns escassos 3 kms e eu o meu irmão Luís e o José Luís, iniciámos ainda a subida da Sierra da Corredera até ao Mirador do Pico de la Hoya, por uma terrivel e constante subida de 11 kms.
A ideia era contornar a serra e descer para Nuñomoral, mas as altas temperaturas (49º) naquela altura, a escassez de água e o fato de nós já não termos água nos camelbags, fizeram "disparar" o bom senso e reservámos aquele percurso para outra oportunidade com novo track a iniciar no outro lado da serra.
Começámos a subir junto ao "Embalse del Arrocerezal" a que pouco ligámos, parando apenas para uma foto.
No retorno e por aquela, agora rápida descida", não me saía da mente a visão daquela bacia hidrográfica.
Saltámos das bikes e água com eles. Logo junto ao paredão havia uma zona de pouca profundidade e foi ai que me sentei durante algum tempo. Até a água estava morna, mas soube que nem "ginjas!"
Lá no alto, no miradouro, desfrutámos da majestosa vista sobre o vale hurdano e das bonitas aldeias de Martiladrán, Fragosa e El Gasco, pequeníssimas, aos nossos olhos.
Voltámos a Cerezal, onde abastecemos numa fonte junto à estrada e regressámos a Nuñomoral, onde parámos num café local para "mamarmos" umas valentes "cañas" e uns belos "pinchos" . . . "que se lixe a troika!!!"
Voltámos ao Camping, tomámos o banhinho e calmamente fomos fazer uma nova visita a La Alberca, onde jantámos calmamente em amena cavaqueira.
No dia seguinte e último deste fantástico fim de semana alongado, iríamos trocar a Btt pela roda fina para um bonito percurso montanhoso e de inegável beleza.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…